Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estádio Olímpico: O esporte pode curar o mundo?

Jogadores do Trabzonspor participam de um treinamento antes do jogo de futebol da Liga dos Campeões da UEFA Europa entre Roma e Trabzonspor, no Estádio Olímpico de Roma, Itália, em 25 de agosto de 2021 [Barış Seçkin / Agência Anadolu]

Em meio a políticas caóticas e sentimentos anti-imigrantes e refugiados, o Estádio Olímpico de Roma parecia um oásis de harmonia social e cultural. Os torcedores dos times Roma e Raja Casablanca se reuniram aos milhares em uma noite quente de sábado para torcer por seus times em um amistoso, o primeiro no Olímpico por quase um ano e meio.

O time convidado é uma potência do futebol marroquino e um campeão africano por excelência. E apesar da AS Roma ter tido uma temporada difícil no ano passado, o time parecia pronto para recuperar sua glória passada, especialmente com José Mourinho agora como técnico.

A partida foi o último “amistoso” da Roma antes de embarcar na difícil tarefa de recuperar sua forte posição na Série A. Rebaixada tanto da Liga dos Campeões da UEFA quanto da Liga Europa, a Roma é forçada a jogar na menos prestigiada Liga de Conferências. Nem o time nem os torcedores, entretanto, pareciam abalados pelo revés. Pelo contrário, a torcida da equipe estava, mais uma vez, de volta ao estádio em seu lugar fixo na Curva Sud, com suas bandeiras maciças e seu canto melodioso: “Roma, Roma, Roma”.

Os torcedores de Raja Casablanca, embora em menor número, ainda eram muito mais animados e, às vezes, barulhentos. Eles dançavam em uníssono em meio a ocasionais chamas, fogos de artifício e nuvens massivas de fumaça colorida.

Como alguém que escreveu e noticiou sobre questões relativas aos direitos humanos, desigualdades sócio-econômicas e discórdia política na Europa, no Oriente Médio e em outros lugares, o espetáculo foi atípico. Italianos, marroquinos e outros árabes se misturavam perfeitamente como amigos, ou rivais amigáveis.

LEIA:Primeiro-ministro do Marrocos diz que país é alvo de ‘operação agressiva’

As mulheres muçulmanas, algumas com seus trajes tradicionais e lenços na cabeça, outras sem, algumas falando italiano, outras árabe ou francês, pareciam confortáveis – livres de julgamento, assédio e olhares antipáticos.

As crianças, no entanto, tomaram o centro do palco. Um fã de dez anos de idade, sentado ao lado de seu pai e envolto em uma bandeira cigana, gritou de alegria e raiva e, com bastante frequência, deu instruções específicas aos jogadores da Roma que, começando no meio do primeiro tempo, dominaram o jogo.

Dois garotos italiano-marroquinos usavam camisetas verdes e brancas com a inscrição árabe no verso: “Rajawi Falastini” – Rajawi palestino – a homenagem típica à Palestina e ao seu povo, frequentemente exibida por Raja Casablanca e seus leais torcedores. As duas crianças continuaram esperançosas de que sua equipe ainda pudesse virar o placar, apesar da vitória quase garantida da Roma, bem antes do final do jogo. Os dois meninos conversaram em italiano, falaram com seus pais com um sotaque marroquino distinto e gritaram com os jogadores em francês para jogar melhor ou para andar mais rápido.

Na verdade, a mistura de idiomas foi onipresente durante todo o evento. A torcida do Raja cantou em vários idiomas, inclusive italiano, e exibiu grandes banners, comunicando mensagens de natureza política, escritas principalmente em francês.

O mais engraçado, especialmente para aqueles de nós sentados no Tribuna Tevere – a uma distância igual entre as duas torcidas – foi a partida de gritos, através de canções, hinos e, ocasionalmente, apitos entre os dois lados.

Para mim, o jogo, embora “amigável”, foi uma das partidas mais difíceis de se assistir. Fã fiel da Roma durante anos, meu coração também estava com o lado marroquino. Às vezes, parecia que eu estava torcendo por ambas as equipes e lamentando as oportunidades perdidas em ambos os lados. Embora fosse claro que Roma estava vencendo facilmente a partida, eu esperava desesperadamente por um ou dois gols marroquinos.

Ao final da partida, enquanto a grande multidão – ainda tonta pelo fato de ter podido assistir a um grande evento esportivo apesar da mortal pandemia da covid-19 – dispersava, caminhei pelo Foro Italico, o complexo esportivo que hospeda o Estádio Olímpico, entre outros edifícios. As contradições eram palpáveis.

Este imponente monumento esportivo já foi chamado de Foro Mussolini, uma das celebrações mais marcantes da Itália fascista do século XX. Fascistas, sob a liderança de Benito Mussolini, trabalharam para aproveitar o apelo popular do esporte para comunicar a mensagem de que o fascismo existe para celebrar o poder e o vigor da raça italiana – que é, supostamente, superior a todas as outras.

LEIA: Marrocos está arrastando Israel para uma aventura perigosa contra a Argélia, afirma Ministério de Relações Exteriores argelino

Embora o nome do complexo tenha eventualmente mudado, muitas das inscrições que remontam à era fascista ainda estão no lugar. A mais óbvia destas referências é o Mussolini Dux, um obelisco de 50 pés que ainda permanece perto da entrada.

O fascismo, que está levantando sua feiúra mais uma vez em várias sociedades européias, pouco se preocupou com a justiça social, a igualdade racial e a harmonia cultural. No entanto, este mesmo estádio, uma das maiores realizações arquitetônicas do Mussolini italiano, é agora um local para vários povos, culturas e línguas se misturarem. Várias mulheres muçulmanas, vestidas com hijabs lindamente coloridos, buscaram descanso do calor e umidade sob o obelisco Dux de Mussolini, possivelmente desconhecendo a ironia.

Notícias fora do estádio naquele dia contaram histórias horríveis da Grécia e da Bielorússia a respeito dos maus-tratos aos refugiados e o alvo dos migrantes. As comunidades muçulmanas européias são temas constantes de “controvérsias” políticas, apenas por viverem suas vidas e praticarem suas religiões ou por cobrirem suas cabeças. Entretanto, durante aproximadamente duas horas, no Estádio Olímpico, no sábado 14 de agosto, nada disso pareceu importar. O mundo lá fora pode trazer o pior de nós, mas, por enquanto, somos definidos apenas por nosso amor pelo futebol e, esperamos, um dia, uns pelos outros.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEuropa & RússiaItáliaMarrocosOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments