Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Colonialismo e solidariedade definem a decisiva batalha Israel-Palestina na África

O presidente palestino Mahmoud Abbas e o presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki participam da 29ª Cúpula da União Africana em Adis Abeba, Etiópia, em 3 de julho de 2017 [Minasse Wondimu Hailu/Agência Anadolu]

A decisão da Comissão da União Africana no mês passado de conceder a Israel o status de observador foi o culminar de anos de esforços israelenses incansáveis com o objetivo de cooptar a maior instituição política da África. Por que Israel está tão interessado em penetrar na África? O que fez com que os países africanos finalmente sucumbissem à pressão e ao lobby israelense?

Para responder às perguntas acima, é preciso apreciar o novo Grande Jogo em andamento em muitas partes do mundo, especialmente na África, que sempre foi significativo para os projetos geopolíticos de Israel. Desde o início dos anos 50 até meados dos anos 70, a rede de Israel na África estava em constante expansão. A guerra de 1973, no entanto, trouxe um fim abrupto a essa afinidade.

O que mudou a África?

Gana, na África Ocidental, reconheceu oficialmente Israel em 1956, apenas oito anos após o estabelecimento do Estado de ocupação sobre as ruínas da Palestina histórica. O que parecia uma decisão estranha na época, dada a história da África do colonialismo ocidental e das lutas anticoloniais, deu início a uma nova era de relações afro-israelenses. No início dos anos 70, Israel estabelecera uma posição forte para si mesmo no continente. Na véspera da guerra israelo-árabe de 1973, tinha laços diplomáticos plenos com 33 países africanos.

A “Guerra de Outubro”, no entanto, apresentou a muitos países africanos uma escolha difícil: o lado de Israel – um país nascido de intrigas coloniais ocidentais – ou os árabes, que estão ligados à África por laços históricos, políticos, econômicos, culturais e religiosos. A maioria dos países africanos optou por este último. Um após o outro, os países africanos começaram a cortar seus laços com Israel. Logo, nenhum Estado africano, exceto Malauí, Lesoto e Suazilândia, teve relações diplomáticas oficiais com o Estado de ocupação.

LEIA: Status de Israel como observador dividirá a União Africana, alerta Argélia

A solidariedade do continente com a Palestina foi então ainda mais longe. Em sua 12ª sessão ordinária realizada em Kampala em 1975, a Organização de Unidade Africana – precursora da União Africana – tornou-se o primeiro organismo internacional a reconhecer, em grande escala, o racismo inerente à ideologia sionista de Israel, adotando a Resolução 77 (XII). Esta mesma resolução foi citada na Resolução 3379 da Assembleia Geral da ONU, adotada em novembro do mesmo ano, que determinou que “o sionismo é uma forma de racismo e discriminação racial”. A Resolução 3379 permaneceu em vigor até ser revogada pela Assembleia sob intensa pressão dos EUA em 1991.

Como Israel permaneceu comprometido com essa mesma ideologia sionista e racista, a única conclusão racional é que foi a África, e não Israel, que mudou. Mas por quê?

Primeiro foi o colapso da União Soviética. Esse evento sísmico resultou no posterior isolamento dos países africanos pró-soviéticos que, durante anos, se posicionaram como a vanguarda contra o expansionismo e os interesses americanos, ocidentais e, por extensão, israelenses no continente.

Seguiu-se o colapso da frente árabe unificada na Palestina. Essa frente serviu historicamente como quadro de referência moral e política para os sentimentos pró-Palestina e anti-Israel na África. Este colapso em particular começou com a assinatura do Acordo de Camp David pelo governo egípcio em 1978-79 e depois dos Acordos de Oslo assinados pela liderança palestina e Israel em 1993.

Primeiro-ministro israelense Menachem Begin (D) e Presidente egípcio Anwar Sadat (E) com o Presidente americano Jimmy Carter, em Camp David, em setembro de 1978 [Governo Americano]

A normalização dissimulada e explícita entre os países árabes e Israel continuou durante as últimas três décadas, resultando na extensão dos laços diplomáticos entre Israel e vários países árabes, incluindo países árabes-africanos, como Sudão e Marrocos. Outros países africanos de maioria muçulmana também se juntaram aos esforços de normalização, incluindo o Chade e o Mali.

A nova “luta pela África” foi renovada com uma vingança. O neocolonialismo trouxe muitos dos suspeitos habituais de volta à África; os países ocidentais estão, mais uma vez, percebendo o potencial inexplorado do continente em termos de mercados, mão-de-obra barata e recursos naturais. Uma força motriz para o retorno do Ocidente à África é a ascensão da China como uma superpotência global com grande interesse em investir na infra-estrutura desastrada da África. Sempre que for encontrada concorrência econômica, o hardware militar certamente será seguido. Agora várias forças armadas ocidentais estão operando abertamente na África sob várias formas; os franceses no Mali e na região do Sahel, por exemplo, e as muitas operações da América através do Comando da África dos EUA (AFRICOM).

Evidentemente, Washington não só serve como o benfeitor de Israel na Palestina e no Oriente Médio, mas também em todo o mundo, e Israel está disposto a fazer todo o possível para explorar a enorme influência que detém sobre o governo dos EUA. Este paradigma asfixiante, que age no Oriente Médio há décadas, também está em ação em toda a África. Por exemplo, a administração americana concordou no ano passado em retirar o Sudão da lista de patrocinadores estatais do terrorismo de Washington em troca da normalização de Cartum com Israel. Na verdade, o Sudão não é o único país que entende – e está disposto a se engajar – neste tipo de “pragmatismo”, um eufemismo para uma troca política desleal. Outros também aprenderam a jogar bem o jogo. De fato, ao votar para admitir Israel na UA, alguns governos africanos esperam um retorno de seu investimento político, um retorno que será exigido de Washington, não de Tel Aviv.

Infelizmente, apesar de esperado, à medida que a normalização da África com Israel cresceu, a Palestina se tornou uma questão cada vez mais marginal nas agendas de muitos governos africanos, que estão muito mais investindo na realpolitik – ou simplesmente permanecendo nos bons livros de Washington – do que honrando os legados anticoloniais e anti-apartheid de suas nações.

Netanyahu, o Conquistador

Entretanto, havia outra força motriz por trás da decisão de Israel de “retornar” à África, não apenas oportunismo político e exploração econômica. Eventos sucessivos deixaram claro que Washington está se retirando do Oriente Médio e que a região não é mais uma prioridade máxima para o império americano em declínio. Para os EUA, os movimentos decisivos da China para afirmar seu poder e influência na Ásia são em grande parte responsáveis pelo repensar de Washington. A retirada dos EUA do Iraque em 2012, sua “liderança por trás” na Líbia e sua política não comprometida na Síria, entre outros, foram todos indicadores que apontam para o fato inescapável de que Israel não poderia mais contar apenas com o apoio cego e incondicional dos americanos. Assim, a busca contínua por novos aliados começou.

Pela primeira vez em décadas, Israel começou a enfrentar seu isolamento prolongado na Assembleia Geral da ONU. Os vetos dos EUA no Conselho de Segurança da ONU podem ter protegido Israel da responsabilidade por sua ocupação militar e crimes de guerra, mas dificilmente foram suficientes para dar a Israel a legitimidade que há muito cobiçava. Em uma conversa recente com o ex-enviado de direitos humanos da ONU, Richard Falk, o professor emérito de Princeton me explicou que, apesar da capacidade de Israel escapar da punição, está perdendo rapidamente o que ele chama de “guerra de legitimidade”.

A Palestina, segundo Falk, continua a ganhar essa guerra, uma guerra que só pode ser alcançada através de uma solidariedade global real e de base. É precisamente este fator que explica o grande interesse de Israel em transferir o campo de batalha para a África e outras partes do Sul Global.

Em 5 de julho de 2016, o então primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, deu o pontapé inicial na “luta pela África” de Israel com uma visita ao Quênia, que foi descrita como histórica pela mídia israelense. Na verdade, foi a primeira visita de um primeiro-ministro israelense em cinquenta anos. Depois de passar algum tempo em Nairóbi, onde participou do Fórum Econômico Israel-Kenya ao lado de centenas de líderes empresariais israelenses e quenianos, ele se mudou para Uganda, onde se encontrou com líderes de outros países africanos, incluindo o Sul do Sudão, Ruanda, Etiópia e Tanzânia. No mesmo mês, Israel anunciou a renovação dos laços diplomáticos entre Israel e Guiné.

LEIA: Israel deveria ser expulso da União Africana

A nova estratégia israelense surgiu a partir daí. Seguiram-se mais visitas de alto nível à África e anúncios triunfantes sobre novos empreendimentos econômicos conjuntos e investimentos. Em junho de 2017, Netanyahu participou da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), realizada na capital liberiana, Monróvia. Lá, ele chegou ao ponto de reescrever a história.

“África e Israel compartilham uma afinidade natural”, afirmou Netanyahu em seu discurso. “Temos, de muitas maneiras, histórias semelhantes. Suas nações trabalharam sob o domínio estrangeiro. Vocês viveram guerras e massacres horríveis. Esta é, em grande parte, nossa história”. Com estas palavras, Netanyahu tentou, não apenas esconder as intenções coloniais de Israel, mas também roubar os palestinos de sua própria história.

Além disso, o líder israelense esperava coroar suas conquistas políticas e econômicas com a Cúpula Israel-África, um evento destinado a acolher oficialmente Israel, não a uma aliança regional africana específica, mas a toda a África. Entretanto, em setembro de 2017, os organizadores do evento decidiram adiá-lo indefinidamente, depois de sua realização em Lome, a capital do Togo, um mês depois. O que foi visto pelos líderes israelenses como um contratempo temporário foi o resultado de intenso lobby nos bastidores por parte de vários países africanos e árabes, incluindo África do Sul e Argélia.

A “vitória” prematura

Em última análise, este foi um retrocesso temporário. A admissão de Israel no bloco africano de 55 membros em julho é considerada pelas autoridades israelenses e pelos especialistas em mídia como uma grande vitória política, especialmente porque Tel Aviv trabalha para alcançar o status de observador desde 2002. Naquela época, muitos obstáculos se colocaram no caminho, como a forte objeção suscitada pela Líbia sob a liderança de Muammar Ghaddafi e a insistência da Argélia de que a África deve permanecer comprometida com seus ideais antissionistas, e assim por diante. Entretanto, um após o outro, esses obstáculos foram removidos ou marginalizados.

Em recente declaração, o Ministro das Relações Exteriores israelense Yair Lapid celebrou a adesão de Israel à União Africana como “uma parte importante do fortalecimento do tecido das relações exteriores de Israel”. Segundo Lapid, a exclusão de Israel da UA foi uma “anomalia que existiu por quase duas décadas”. É claro que nem todos os países africanos concordam com sua lógica conveniente.

O ministro das Relações Exteriores israelense Yair Lapid faz um discurso enquanto realiza uma coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores marroquino Nasser Bourita (não visto) em Rabat, Marrocos, em 11 de agosto de 2021 [Jalal Morchidi/Agência Anadolu].

Segundo a TRT News, citando a mídia argelina, dezessete países africanos, incluindo Zimbábue, Argélia e Libéria, se opuseram à admissão de Israel na União. Em uma declaração separada, a África do Sul expressou ultraje à decisão, descrevendo como “chocante” a “injusta e injustificada decisão da Comissão da UA de conceder a Israel o status de observador na União Africana”. O ministro das Relações Exteriores argelino, Ramtane Lamamra, disse que seu país “não ficará parado diante deste passo dado por Israel e pela União Africana sem consultar os Estados membros”.

Apesar do triunfalismo de Israel, parece que a luta pela África ainda não terminou; a batalha política, ideológica e econômica provavelmente continuará sem parar nos próximos anos. Entretanto, para que os palestinos e seus apoiadores tenham uma chance de vencê-la, eles devem entender a natureza da estratégia israelense através da qual o Estado de ocupação se posiciona como o salvador de vários países africanos, concedendo favores e introduzindo novas tecnologias para combater problemas reais e tangíveis. Sendo mais avançado tecnologicamente quando comparado com muitos estados africanos, Israel é capaz de oferecer à África sua superior “segurança”, tecnologias de informação e irrigação em troca de laços diplomáticos, apoio na Assembleia Geral da ONU e investimentos lucrativos.

Consequentemente, a dicotomia África e Palestina repousa em parte no fato de que a solidariedade africana é historicamente colocada dentro da estrutura política mais ampla de solidariedade mútua afro-árabe. No entanto, como a solidariedade árabe oficial com a Palestina começa a enfraquecer, os palestinos são forçados a pensar fora desta caixa tradicional, para que possam construir solidariedade direta com as nações africanas por direito próprio, sem necessariamente fundir suas aspirações nacionais com a política de corpo árabe maior, agora fragmentada.

Embora tal tarefa seja assustadora, também é promissora, pois os palestinos agora têm a oportunidade de construir pontes de apoio e solidariedade mútua na África através de contatos diretos, onde servem como seus próprios embaixadores. Obviamente, a Palestina não só tem muito a ganhar com isso, mas também muito a oferecer à África. Médicos palestinos, engenheiros, trabalhadores da defesa civil e da linha de frente, educadores, intelectuais e artistas são alguns dos mais altamente qualificados e realizados no Oriente Médio. É verdade, eles podem aprender muito com seus pares africanos, mas também têm muito a dar em troca.

LEIA: Líbano junta-se à oposição à adesão de Israel à União Africana

Ao contrário dos estereótipos persistentes, muitas universidades, organizações da sociedade civil e centros culturais africanos servem como pólos intelectuais vibrantes. Pensadores, filósofos, escritores, jornalistas, artistas e atletas africanos são alguns dos mais articulados, capacitados e realizados do mundo. Qualquer estratégia pró-Palestina na África deve ter em mente esses tesouros africanos como uma forma de engajamento, não apenas com indivíduos, mas também com sociedades inteiras.

A mídia israelense noticiou extensiva e orgulhosamente sobre a admissão de Israel na União Africana. As celebrações, no entanto, podem ser prematuras, pois a África não é um grupo de líderes egoístas que concedem favores políticos em troca de poucos retornos. É o coração das mais poderosas tendências anticoloniais que o mundo já conheceu. Um continente deste tamanho, com complexidade e história orgulhosa não pode ser considerado como um mero “prêmio” a ser ganho ou perdido por Israel e seus amigos neo-coloniais.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Africana
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments