Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Promessa britânica de reassentar 20 mil afegãos não é suficiente, dizem os críticos

Famílias afegãs deslocadas fogem das províncias do norte devido aos combates entre Talibã e segurança afegã em Cabul, Afeganistão, em 10 de agosto de 2021 [Haroon Sabawoon/Agência Anadolu]

O Reino Unido anunciou que irá reassentar vinte mil refugiados afegãos ao longo de cinco anos, ignorando as necessidades imediatas das pessoas, que precisam de um lugar seguro para viver agora, ao invés de em vários anos, disseram os críticos.

Vídeos no início desta semana de pessoas no Afeganistão agarradas às rodas de um avião enquanto ele decola, tornaram-se virais. As diversas imagens do tumulto no aeroporto mostraram o desespero sentido por milhares de pessoas que estão tentando deixar o país.

No domingo, o Talibã anunciou que havia tomado o controle de 31 províncias do Afeganistão depois que as forças cercaram a capital no fim de semana, pouco depois que os Estados Unidos se retiraram do país após vinte anos.

O compromisso de aceitar vinte mil afegãos segue um apelo anterior das instituições de filantropia, incluindo a Refugee Action, para que o governo do Reino Unido forneça rotas seguras para que esses afegãos escapem do país e não sejam forçados a recorrer aos traficantes de pessoas.

O projeto tem sofrido algumas oscilações ao longo de toda a sua duração. O Ministro do Interior do Reino Unido, Priti Patel, disse que as primeiras cinco mil pessoas chegarão nos próximos doze meses, com Boris Johnson e Dominic Raab comentando que o Reino Unido não pode receber vinte mil pessoas de uma só vez.

Ele será paralelo à Política de Realocação e Assistência ao Afeganistão (ARAP), que prevê que funcionários locais que trabalharam para o governo do Reino Unido no Afeganistão, incluindo intérpretes, professores e trabalhadores comunitários, são elegíveis para realocação. Cerca de cinco mil afegãos e seus familiares serão beneficiados por este esquema.

LEIA: Seja no Afeganistão ou na Palestina, ocupações não duram para sempre

O Daily Express publicou a manchete “Grã-Bretanha de grande coração acolherá 20.000 refugiados”, em referência aos comentários do Ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, de que a Grã-Bretanha é uma nação generosa que “sempre foi um país que proporcionou um refúgio seguro para aqueles que fogem da perseguição”.

Entretanto, o anúncio da ONU de que cerca de 18 milhões de afegãos, metade do país, precisam de assistência humanitária e cerca de três milhões estão deslocados internamente, significa que a demanda por lugares superará em muito a oferta.

Vários relatórios dizem que o esquema será baseado no compromisso do Reino Unido de 2014 de reassentar vinte mil refugiados sírios ao longo de sete anos, com prioridade então dada a sobreviventes de tortura, mulheres, crianças e pessoas com condições médicas.

Sob o esquema de reinstalação de pessoas vulneráveis, 20.319 refugiados sírios foram transferidos para o Reino Unido de campos nos países vizinhos, incluindo Turquia, Jordânia, Líbano e Iraque.

Entretanto, em setembro de 2019, o Scotsman informou que a Escócia havia recebido duas vezes mais refugiados sírios do que a média britânica, com o SNP dizendo que o governo britânico não estava cumprindo com suas responsabilidades e, em vez disso, aumentando sua retórica anti-imigrante.

Apesar do esquema de reassentamento, centenas de sírios ainda morreram no Mediterrâneo tentando chegar à Europa, enquanto o governo britânico de 2016 se comprometeu a ajudar três mil crianças refugiadas desacompanhadas, inclusive do Afeganistão e da Síria, só ajudou 350.

Várias pessoas falaram sobre o esquema de reassentamento afegão, com o político trabalhista britânico Lord Dubs dizendo que ele não está indo longe o suficiente.

LEIA: Porta-voz do Talibã ‘não se dirigiu à mídia identificada como israelense’

O presidente do Comitê Selecionado de Defesa e deputado conservador Tobias Ellwood disse que foi uma “resposta lamentavelmente inadequada”.

Quando os deputados foram chamados hoje ao Parlamento para debater o Afeganistão, a ex-primeira-ministra Theresa May criticou o fracasso do governo em evitar o colapso da administração afegã depois que os Estados Unidos retiraram suas tropas.

Na terça-feira, as Nações Unidas disseram estar preocupadas com a segurança de milhares de afegãos que trabalham com direitos humanos no país nos últimos anos com o porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, Rupert Colville, exortando a comunidade internacional a dar todo o apoio possível às pessoas que possam estar em risco.

A notícia chega em meio à controvérsia sobre uma proposta de lei que concederá aos requerentes de asilo diferentes direitos, quer tenham chegado ao Reino Unido legal ou ilegalmente, principalmente em referência às pessoas que chegam em pequenas embarcações que cruzam o Canal da Mancha na costa sudeste da Inglaterra.

Durante o ano passado, 8.410 homens, mulheres e crianças fizeram a travessia entre a França e a Inglaterra e até 21 de julho deste ano, 8.159 pessoas já haviam atravessado o Canal.

O projeto de lei Nacionalidade e Fronteiras propõe que as pessoas que chegam ao Reino Unido “ilegalmente”, por exemplo, sem visto ou a bordo de um desses barcos, receberão apenas o status de refugiado temporário, estarão sempre em risco de remoção e seu acesso aos benefícios e ao reagrupamento familiar poderá ser restringido.

Os defensores de direitos alertaram fortemente contra a divisão dos refugiados em “bons” e “maus”.

LEIA: Saída dos EUA do Afeganistão é ‘humilhante’, diz oficial iraniano

Esta semana, Priti Patel sugeriu que afegãos em busca de refúgio no Reino Unido que chegam em pequenas embarcações através do Canal não seriam considerados uma exceção e teriam que vir através do esquema de reassentamento ou ARAP.

Em um artigo exclusivo para o Telegraph, Patel exortou os países europeus a levar os afegãos que fogem de seu país, afirmando que “não podemos fazer isto sozinhos”.

“Quero assegurar que, como nação, façamos todo o possível para dar apoio aos mais vulneráveis que fogem do Afeganistão para que possam começar uma nova vida em segurança no Reino Unido”, escreveu Patel, “longe da tirania e da opressão que enfrentam no Afeganistão”.

Entretanto, o Ministério do Interior britânico já recusou anteriormente asilo a refugiados afegãos com o advogado de imigração Jamie Bell comentando ao The Guardian, que eles tiveram uma “longa batalha para serem reconhecidos como refugiados”.

O governo também utilizou voos fretados mensais para devolver os afegãos que tiveram seus pedidos de asilo rejeitados, de volta ao país.

Há muito tempo, as instituições de caridade vêm pedindo que mais rotas legais sejam disponibilizadas às pessoas que chegam ao Reino Unido, com o número de pessoas que cruzam o Canal da Mancha prestes a aumentar. Os ministros alertaram que o Reino Unido deve estar preparado para uma nova crise de refugiados e mais mortes no mar.

O diretor de refugiados e direitos dos migrantes da Anistia, Steve Valdez-Symonds, disse que o programa de reassentamento era “imperdoavelmente lento” e perguntou se os afegãos que chegam ao Reino Unido ou aqueles que já estão aqui serão “criminalizados e demonizados” pelo novo projeto de lei do governo.

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioReino UnidoSíria
Show Comments
Show Comments