Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Seja no Afeganistão ou na Palestina, ocupações não duram para sempre

O Presidente dos Estados Unidos Joe Biden vai embora sem responder a perguntas após fazer comentários sobre o agravamento da crise no Afeganistão a partir da Sala Leste da Casa Branca em 16 de agosto de 2021 em Washington, DC [Anna Moneymaker/Getty Images]

Estabelecer um exército ou aparelho de segurança para servir os interesses de uma potência ocupante não é tarefa fácil, nem mesmo no melhor dos tempos. Os Estados Unidos finalmente chegaram a essa conclusão, embora com relutância. Acontecimentos recentes no Afeganistão confirmam isso. Apenas 14 anos atrás, as forças de segurança financiadas pelos EUA, lideradas por Mahmoud Abbas, foram encaminhadas para Gaza. Como no Afeganistão, elas se desintegraram e fugiram depois de terem sido derrotadas pelas forças de resistência.

Apesar de suas claras diferenças históricas e geográficas, havia semelhanças definitivas que sustentavam as experiências dos Estados Unidos tanto no Afeganistão quanto na Palestina.

Depois que o Talibã foi afastado em outubro de 2001, a administração Bush rejeitou repetidas aberturas para incluí-los em um acordo político. Já em dezembro de 2001, líderes seniores do Talibã chegaram ao presidente recém-instalado, Hamid Karzai, para se renderem e serem incluídos no processo político. Suas ofertas foram descartadas pelo Secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld.

Sem se deixar levar por esta recusa inicial, o Talibã continuou durante 2002-2004 a pressionar Karzai, que por sua vez pressionou os EUA a abrir um diálogo político. Todos estes esforços foram dispensados, culminando com a proibição por parte da administração de qualquer contato com o grupo.

Na Palestina, a atitude da administração Bush em relação à resistência, e do Hamas em particular, foi indiscutivelmente ainda mais hostil. Ironicamente, tornou-se ainda mais depois que o movimento venceu as eleições de 2006, que deveriam ter sido um catalisador para a mudança democrática.

LEIA: A América e seus aliados ajudaram o Talibã no caminho para a vitória

Assim como o governo Karzai, a Autoridade Palestina (AP) não foi autorizada a se envolver com o Hamas. Após as eleições, o Hamas procurou incluir seu partido rival Fatah em um governo de unidade nacional, mas o Fatah recusou categoricamente, mediante pedido ostensivo dos Estados Unidos.

Dado seu terrível histórico de descarrilamento das experiências democráticas no Afeganistão e na Palestina, os EUA precisam aceitar certa responsabilidade pela desestabilização de ambos os países. Na mesma medida em que a exclusão dos adversários políticos havia minado a unidade nacional, também o mau uso das forças de segurança alimentou queixas e divisões arraigadas.

Na Palestina, o tenente-general William Ward, o primeiro coordenador de Segurança dos EUA (USSC), disse a um Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA que o setor de segurança da AP era “disfuncional, com chefes [sic] separados que eram leais aos indivíduos… não tendo nenhuma linha clara de autoridade e não respondendo a nenhum comando central”.

Stanley McChrystal, o general aposentado do Exército dos Estados Unidos que serviu no Afeganistão como Chefe do Estado-Maior da Força-Tarefa Conjunta e como Comandante da Força Internacional de Assistência à Segurança, tinha uma visão semelhante do setor de segurança do país: “O Exército Nacional Afegão, treinado e equipado em grande parte pelos Estados Unidos, é empregado principalmente em postos de controle estáticos em todo o país que são vulneráveis aos ataques do Talibã”.

Com relação à Polícia Nacional Afegã, ele lembrou que ela estava “repleta de corrupção e liderança pobre, é usada mais para a proteção de membros do parlamento e outros oficiais do que para seu propósito pretendido de fazer cumprir a lei e a ordem”.

LEIA: Os EUA, com as mãos banhadas de sangue, deixam um Afeganistão em chamas e um Talibã mais forte

Aqui reside um dilema comum enfrentado pelas forças de segurança nascentes na Palestina e no Afeganistão. Simplificando, eles foram chamados a ser tudo para todos os homens. Enquanto os palestinos tinham a tarefa inviável de proteger interesses israelenses e palestinos em conflito, todos ao mesmo tempo, também os afegãos eram obrigados a combater insurgentes, caçar barões da droga, impedir o crescimento do ópio e, ainda assim, coordenar com as forças americanas a busca de fugitivos da Al-Qaeda nas regiões Pashtun. No final, eles não conseguiram nenhum.

O porta-voz do Pentágono John Kirby fala durante coletiva de imprensa sobre a situação no Afeganistão, no Pentágono, em Washington, DC, em 16 de agosto de 2021 [ANDREW CABALLERO-REYNOLDS/AFP via Getty Images]

Depois de todas as guerras, e da morte e destruição que as acompanhou, ainda não está claro o que os americanos realmente queriam. Em novembro de 2003, no período imediato pós 11 de setembro, o presidente Bush disse em uma reunião na Casa Branca que “nosso compromisso com a democracia também é testado no Oriente Médio, que é o meu foco, e deve ser um foco da política americana para as próximas décadas”.

Agora, duas décadas depois, após o Talibã ter recuperado o controle de todo o Afeganistão, Joe Biden diz incredulamente ao povo americano: “Nossa missão no Afeganistão nunca foi a de criar uma democracia unificada”.

Notavelmente, o General McChrystal tinha uma compreensão diferente de sua missão ali. Escrevendo recentemente na Foreign Affairs, ele afirmou que eles invadiram o Afeganistão “para destruir a Al-Qaeda e derrubar o regime talibã que o hospedava”. E no mesmo fôlego, ele acrescentou que a missão “veio a incluir o estabelecimento de uma nação afegã que defendesse sua própria soberania, abraçasse a democracia, educasse as mulheres e reprimisse a produção de ópio”.

Quaisquer que sejam suas origens ou persuasão, as ocupações militares são inatamente opostas à liberdade e ao desenvolvimento. Mesmo em suas formas mais benignas, elas levam à resistência e impedem a democracia de se enraizar. Palestina e Afeganistão são exemplos salientes. Ao longo da história, seus povos têm testemunhado numerosas invasões e ocupações. Após duas décadas, os EUA finalmente ficaram sem resistência. Da mesma forma, eles acabarão por perceber a futilidade do apoio à ocupação sionista da Palestina.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments