Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ahmad Mansour, o refugiado sírio que se destaca na Dinamarca desenvolvendo robôs

Mansour conseguiu superar desafios de sua condição de refugiado e se destacar com seu trabalho no desenvolvimento de robôs

Os refugiados na Europa, em geral, são gratos pela segurança, apoio financeiro, educação e  oportunidades oferecidas, entretanto, ainda sofrem com o preconceito e a xenofobia.

Não fossem pelas violentas guerras, conflitos e perseguições enfrentadas em seu país, eles provavelmente não teriam escolhido deixar suas casas, família e pátria.

O sírio Ahmad Mansour, que vive na Dinamarca, conseguiu superar desafios de sua condição de refugiado e se destacar com seu trabalho no desenvolvimento de robôs.

Ahmad Mansour nasceu em Damasco em 1986, e atualmente vive na Dinamarca, na cidade de Odense. Ele é engenheiro de informática e especialista em ciências da Web, seu mestrado foi feito na Universidade Virtual da Síria, em tecnologia da Web. Ele é casado e tem dois filhos, um menino e uma menina.

Por que você entrou no mundo dos robôs?  

Devido à rotina e repetição no campo de ensino das mesmas disciplinas científicas a cada semestre, então precisei me destacar em uma área. Os robôs se tornaram o futuro no mundo, e a Dinamarca é um dos países líderes em robótica. Por isso, eu quis aproveitar a oportunidade de estar na segunda melhor cidade europeia do mundo da robótica e trabalhar neste campo, em uma das empresas globais mais poderosas na área de fabricação e desenvolvimento de robôs.

Você enfrentou dificuldades para aprender a língua dinamarquesa? 

A língua dinamarquesa é muito difícil, pois escrever e ler é uma coisa, mas pronunciar é outra. O que me ajudou nisso foi a minha experiência na área de ensino, porque tenho que ler muitos livros para fins educacionais e conversar com alunos e professores todos os dias

Como foi a sua trajetória profissional?

Tenho formação em design gráfico e desenvolvimento web, além de dados e comunicação, e possuo vários certificados internacionais como formador, sendo os mais importantes Microsoft, Cisco e Adobe

Eu trabalhava na Síria, no departamento de Tecnologia da Informação e era professor  de programação e design no  Hadara International Center de Damasco e depois mudei para a filial na Líbia, onde trabalhei por dois anos como diretor do departamento de informática e professor na área de tecnologia da informação. Eu me mudei para a Dinamarca em 2015.

Hoje trabalho na empresa Blue Ocean Robotics, fundada em 2013, que fabrica robôs do zero, o software e o hardware. Ela cria o robô desde a ideia inicial até o produto pronto para o usuário, inclusive no marketing e venda.

LEIA: De Yarmouk para o ‘Título de Ouro’ em Cuba

Como você conseguiu trabalhar nessa empresa destacada  na área de desenvolvimento de robôs?.

Antes, trabalhei na Hansenberg University (na cidade dinamarquesa de Kolding) como palestrante dessas especialidades por dois anos, 2018 e 2019, e fui selecionado entre 15 pessoas que se candidataram a este trabalho devido à experiência nestes diferentes campos e a capacidade de combiná-los

Houve uma vaga de emprego na Blue Ocean Robotics. Passei por várias entrevistas e exames pessoais e especializados, era um alto grau de competição, com um grande número de profissionais especialistas em robótica, de diferentes nacionalidades do mundo, e graças a Deus consegui o emprego de designer e desenvolvedor de robôs.

Existem desafios diferentes todos os dias para trabalhar com esta empresa, pois atualmente ela está trabalhando em quatro robôs diferentes

O que são esses projetos?

O UVD Robots é aquele que reduz em grande porcentagem a transmissão de vírus diariamente e tenta eliminar micróbios e vírus, sendo utilizado em hospitais, aeroportos e shoppings.

O GoBe Robots é aquele que você coloca em um lugar diferente no mundo e você pode contatá-lo e se comunicar com outras pessoas.  Uma de suas características mais importantes é que você pode ir e assistir a palestras, workshops e seminários, e não há necessidade de usar aviões, nem transporte, e o sofrimento da viagem, custos e esforço neste caso até chegar ao local.

Este robô está agora oficialmente trabalhando em Makkah Al-Mukarramah para responder às perguntas dos peregrinos e manter o distanciamento social entre eles e o Mufti

. O PTR Robots destina-se ao transporte de pacientes em hospitais e é projetado para transportar a pessoa do leito para a cadeira de rodas ou banheiro e atender o paciente dentro e fora do quarto. Ele evita que médicos e enfermeiras tenham doenças futuras e dores nas costas, levantando e posicionando o paciente.

O Mink Robots dedica-se à alimentação de animais em celeiros e é usado na Dinamarca com o objetivo principal de alimentar o vison. Teve grande destaque na economia da Dinamarca, porque a pele desse animal era muito vendida e constituía uma alavanca econômica. Mas após a disseminação do coronavírus, este animal vison se contaminou e criou uma mutação do vírus, então o manejo do animal ficou limitado e o trabalho deste robô foi temporariamente interrompido. O robô alimentava os animais e registrava quais comiam, não comiam, quais estavam com algum problema, estado geral e a quantidade de água e comida que precisariam.

LEIA: A língua árabe no Brasil, entrevista com o autor Mohamed Salah El-Mahdawy

Como foi desenvolvido o UVD?

O UVD é uma versão antiga do novo UVC, sua principal função é a esterilização e desinfecção, e dentro dele está um dispositivo de controle de tablet utilizado pelo funcionário ou enfermeiro, e o processo de desinfecção é realizado através do dispositivo de controle (tablet), é um aplicativo que orienta e direciona o usuário.

Minha tarefa era desenvolver o front-end desses quatro robôs com um novo design moderno e atraente, próximo ao usuário e em conformidade com a tecnologia e técnicas modernas para que seja mais fácil para o usuário se comunicar e lidar com o robô, mesmo que ele não tem muita experiência e treinamento neste campo.

Em quais locais este robô é utilizado?

No início, era usado apenas em hospitais, mas depois da covid-19, as vendas aumentaram significativamente, ele passou a ser utilizado em todos os lugares. Até mesmo na limpeza periódica de shoppings, lojas e empresas. Atualmente é utilizado por empresas internacionais como Facebook, Apple e várias outras. Também é usado na esterilização e desinfecção do Aeroporto Internacional Hamad, no Catar. E agora a União Europeia fechou um grande acordo para a compra de um lote de robôs. No ano passado, também foram vendidos para alguns países árabes, como Catar, Arábia Saudita, Jordânia, Kuwait e Emirados Árabes Unidos.

Ele pode trabalhar em hotéis, academias, escolas, etc. Por exemplo, os hotéis podem usá-lo para a esterilização periódica após cada visitante. Essa é uma funcionalidade que pode atrair ainda mais visitantes..

Qual é a sua ambição hoje nessa área?

Minha ambição é tonar-me um nome de referência neste campo, e no futuro penso em abrir uma empresa no desenvolvimento e fabricação de robôs que ajudem as pessoas, facilitem suas vidas.

LEIA: O premiado romance “Cadernos do livreiro” é inspirado no sofrimento do cidadão árabe

Categorias
DinamarcaEntrevistasEuropa & RússiaOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments