Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O lucrativo lobby de Israel

Polícia britânica mantém um cordão policial para separar manifestantes pró-israelenses fora da Embaixada de Israel em Londres de manifestantes pró-palestinos reunidos nas proximidades, em Londres, Reino Unido em 23 de maio de 2021. [Hasan Esen - Agência Anadolu]

O comediante britânico David Schneider é bem conhecido por suas memoráveis participações ​​em comédias e sua escrita para programas como o boletim de notícias falsas “The Day Today”. Infelizmente, ele é uma decepção política. Como tantas outras celebridades britânicas e personalidades da TV, Schneider assumiu uma postura hostil a Jeremy Corbyn e o movimento popular que quase levou o ex-líder trabalhista a primeiro-ministro.

Schneider não era tão ruim quanto parte da multidão de pequenos atores de TV que poluía a esfera de controle azul do Twitter. Pessoas como Rachel Riley e Eddie Marsan eram bastante confusas em sua oposição a Corbyn e sua fantástica insistência de que um dos principais antirracistas do país era um antissemita secreto. No entanto, levanto o caso  Schneider em questão por causa de um artigo de opinião que ele escreveu para o The Independent em 2019.

Apresentado em sua manchete como um guia prático sobre “como falar sobre Israel sem cair no antssemitismo”, o artigo não era, na verdade, nada disso. Em vez disso, era uma lista condescendente de irrelevâncias e non sequiturs praticamente pingando de ignorância intencional.

Schneider insistiu no artigo que é “antissemita” argumentar que Israel está “pagando dinheiro a parlamentares, celebridades ou a mídia para agirem do modo como fazem”. Ele diz  isso apesar do fato bem documentado de que Israel faz exatamente isso. O papel do dinheiro no poder e na influência do lobby de Israel está bem documentado.

LEIA: Não ignorem a luta palestina

Schneider poderia simplesmente ignorar esse fato? Nem um pouco disso; ele até deixou claro no artigo que estava ciente da série secreta da Al Jazeera de 2017, The Lobby, na qual o espião da embaixada israelense Shai Masot foi gravado em flagrante discutindo “mais de 1 milhão de libras” em financiamento para viagens de propaganda israelense para a Palestina ocupada.

O interlocutor de Masot para essa conversa foi ninguém menos que a deputada Joan Ryan, que na época era presidente do grupo de lobby Labour Friends of Israel. Ryan passou todo o período de liderança de Corbyn fazendo o possível para sabotar não apenas o líder pessoalmente, mas também suas próprias chances eleitorais. Em 2019, ela deixou o Trabalhismo por completo, juntando-se ao grupo de desertores trabalhistas kamikaze dissidentes de direita que formaram o curto “Grupo Independente”. O grupo não conseguiu ganhar um único assento e Ryan posteriormente deixou o parlamento.

Como a maior parte desse grupo, que parecia ter conseguido empregos com salários muito altos em vários centros de estudos e consultorias, Ryan não precisava se preocupar em fazer fila no escritório do seguro-desemprego. Hoje, sua carreira lucrativa no lobby de Israel continua. Ela agora é diretora executiva da filial britânica de um grupo de lobby de Israel que se autodenominou com o apelido inócuo de “The European Leadership Network“, ou ELNET.

De acordo com seu currículo no LinkedIn, ela também continua sendo “presidente honorária” da Labour Friends of Israel, embora tenha saído do partido para protestar contra as críticas de Jeremy Corbyn aos crimes de Israel.

Apesar de aparentemente ter assistido ao The Lobby, ou pelo menos estar ciente da natureza de suas revelações, em seu artigo de opinião no Independent, Schneider insistiu que é antissemita levantar tais questões. A verdade é “antissemita” de acordo com essa lógica distorcida.

Ou como disse a vice-líder trabalhista Angela Rayner ao atacar Corbyn por causa de seu comentário no ano passado de que a questão do antissemitismo havia sido exagerada pela mídia e seus oponentes políticos: pode ser verdade, mas é “completamente inaceitável” falar sobre isso .

Pior ainda, Schneider diz que é antissemita usar o termo “lobby de Israel”. Ele aparentemente não tem problemas com os termos “lobby russo” ou “lobby saudita”, no entanto. Padrões duplos no pior dos casos.

Ao contrário da insistência estúpida e ignorante de personalidades menores da TV de que discutir a realidade é “antissemita”, houve esta semana nos Estados Unidos outra ilustração perfeita do fato de que Israel e seu lobby ainda têm imensa influência sobre eleições e o processo político no Ocidente; e que isso é conseguido em grande parte graças a grandes somas de dinheiro.

A candidata progressista Nina Turner (que tinha sido uma personagem regular da mais recente campanha fracassada de Bernie Sanders para presidente) foi derrotada pelo candidato pró-Joe Biden e pró-Israel Shontel Brown nas eleições primárias democratas para uma vaga no Congresso em Ohio. Turner estava bem à frente para a corrida em um ponto, mesmo com uma vantagem de dois dígitos. No entanto, um fator importante conseguiu reverter isso: o dinheiro do lobby de Israel.

Grupos de lobby Pró-Israel América e (especialmente) Democratic Majority For Israel (DMFI) despejaram quantias obscenas de fundos na corrida para derrotar Turner. Isso apesar do fato de Turner não ser especialmente ativo em termos de apoio aos direitos palestinos. O lobby não tolera dissidência.

DMFI sozinha gastou quase US$ 2 milhões em anúncios de ataque negativo visando Turner, bem como mensagens pró-Brown. De acordo com um jornalista, o dinheiro do lobby de Israel sozinho foi quase mais do que todo o gasto da campanha de Turner com grupos externos.

Curiosamente, porém, nenhum dos anúncios de lobby de Israel mencionou Israel. Isso mostra o quão impopular Israel é entre a base do Partido Democrata – seus ativistas e eleitores em oposição às elites do partido que são mais freqüentemente pró-Israel – e que mesmo os lobistas pró-Israel sabem disso. Como argumentei nesta coluna antes, o lobby de Israel está em declínio histórico.

Mas o declínio é relativo. Como os fatos em torno da corrida Turner-Brown mostraram mais uma vez, o lobby de Israel ainda é capaz de mobilizar vastos recursos para promover sua causa maligna. Na verdade, é um esquema lucrativo de lobby.

LEIA: Como a Europa sustenta Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaInquéritoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments