Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA devolverão 17.000 artefatos antigos saqueados ao Iraque

Esta foto mostra antiguidades assírias datadas de cerca de 3.000 a.C., exibidas no Museu Nacional do Iraque em Bagdá, em 28 de novembro de 2018 [Sabah Arar/AFP via Getty Images]
Esta foto mostra antiguidades assírias datadas de cerca de 3.000 a.C., exibidas no Museu Nacional do Iraque em Bagdá, em 28 de novembro de 2018 [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

Os Estados Unidos enviarão cerca de 17.000 antiguidades arqueológicas de volta ao Iraque, depois de terem sido contrabandeadas ilegalmente do país ao longo das décadas.

De acordo com o ministro da Cultura do Iraque, Hassan Nazim, os artefatos serão devolvidos hoje a bordo do voo do primeiro-ministro iraquiano, Mustafa Al-Kadhimi, que está retornando ao Oriente Médio após se encontrar com o presidente dos EUA, Joe Biden, na capital Washington, DC.

Saudando a mudança como o “maior retorno de antiguidades ao Iraque” e o “resultado de meses de esforços das autoridades iraquianas em conjunto com sua embaixada em Washington”, Nazim expressou sua esperança de que “em um futuro próximo seremos capazes de nos recuperar o resto de nossos produtos, especialmente na Europa”.

Seu ministério identificou os artefatos como registros das “trocas comerciais durante o período sumério”, bem como alguns que são historicamente proeminentes, como uma placa de argila de 3.500 anos com uma sequência do famoso épico de Gilgamesh.

Esse tablet, junto com outros, foi apreendido pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos em 2019 depois de ter sido colocado dois anos antes no Museu da Bíblia em Washington, que documenta e mostra a história bíblica antiga.

Foi inicialmente comprado pelo proprietário e fundador do museu – o bilionário David Green, que também é dono da rede de lojas Hobby Lobby – por US$ 1,67 milhão em 2014, depois que foi contrabandeado para os EUA em 2003 por um negociante que o comprou de um comerciante de antiguidades jordaniano em Londres.

Outros artefatos foram comercializados ilegalmente por traficantes em Israel e nos Emirados Árabes, constituindo a vasta rede de contrabandistas do mercado de antiguidades clandestino que caracteriza o destino da arqueologia da região da Mesopotâmia, que foi saqueada ao longo de décadas de instabilidade e conflito no Iraque e o Levante.

Em 2017, foi relatado que o grupo terrorista Daesh estava ganhando US$ 100 milhões por ano com o saque e venda de artefatos históricos na região.

A jornada do tablet e a entrega dos artefatos pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos ao governo iraquiano significam um grande passo no retorno de antiguidades e artefatos antigos às suas terras de origem, o que vários países e organizações pediram aos países europeus e ocidentais durante décadas.

A devolução dos 17.000 artefatos por Washington é parte do esforço de Bagdá para recuperar dezenas de milhares de itens históricos perdidos nos últimos anos, e ocorre depois que o governo britânico e o Museu Britânico devolveram os artefatos saqueados ao país no ano passado.

LEIA: Blinken diz que processo de negociação do Irã não pode continuar indefinidamente

Categorias
Ásia & AméricasEUAIraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments