Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Blinken diz que processo de negociação do Irã não pode continuar indefinidamente

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, participa da Segunda Conferência de Berlim sobre a Líbia, em Berlim, Alemanha, em 23 de junho de 2021 [Thomas Imo/photothek.de/Pool/Agência Anadolu]
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, participa da Segunda Conferência de Berlim sobre a Líbia, em Berlim, Alemanha, em 23 de junho de 2021 [Thomas Imo/photothek.de/Pool/Agência Anadolu]

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na quinta-feira que o processo de negociação com o Irã para reviver um acordo nuclear de 2015 não poderia continuar indefinidamente e que a bola está no campo de Teerã, informou a Reuters.

As negociações indiretas entre Teerã e Washington para reviver o pacto nuclear, do qual o então presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos em 2018, foram suspensas em 20 de junho, dois dias depois que o clérigo linha-dura Ebrahim Raisi foi eleito presidente da República Islâmica. Raisi toma posse em 5 de agosto.

As partes envolvidas nas negociações, que também incluem China, Rússia, França, Grã-Bretanha, Alemanha e União Europeia, ainda não disseram quando poderão ser retomadas.

“Estamos comprometidos com a diplomacia, mas esse processo não pode continuar indefinidamente”, disse Blinken, em entrevista coletiva no Kuwait.

“Em algum momento, os ganhos obtidos pelo JCPOA (Plano de Ação Global Conjunto) não podem ser totalmente recuperados por um retorno ao JCPOA se o Irã continuar as atividades que está empreendendo em relação ao seu programa nuclear”, disse ele.

“Demonstramos claramente nossa boa fé e desejo de retornar ao cumprimento mútuo do acordo nuclear […]. A bola continua no tribunal do Irã e veremos se eles estão preparados para tomar as decisões necessárias para voltar ao cumprimento.”

O líder supremo aiatolá Ali Khamenei, que tem a última palavra sobre os assuntos do Estado do Irã, declarou na quarta-feira que Teerã não aceitaria as demandas “teimosas” de Washington nas negociações nucleares e novamente rejeitou categoricamente a adição de quaisquer outras questões ao acordo.

Os Estados árabes do Golfo pediram para serem incluídos nas negociações e para qualquer acordo para lidar com o que eles chamam de programa de mísseis balísticos do Irã e comportamento desestabilizador na região.

Blinken também disse que havia discutido durante sua visita ao Kuwait, onde se encontrou com o emir no poder, o assunto da realocação de intérpretes afegãos.

Muitos afegãos que trabalharam com as forças da OTAN temem represálias de insurgentes islâmicos do Talibã com a partida das tropas dos EUA.

Os Estados Unidos usam várias bases militares no Kuwait, com as quais têm fortes relações depois de liderar uma coalizão que encerrou a ocupação do estado do Golfo pelo Iraque em 1990-91.

LEIA: Os Estados Unidos desafiarão as reivindicações de Israel para a “unificação” de Jerusalém?

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasEUAIrãNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioOTAN
Show Comments
Show Comments