Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os Estados Unidos desafiarão as reivindicações de Israel para a “unificação” de Jerusalém?

Israelenses de extrema-direita com bandeiras israelenses durante a "marcha da bandeira" começando pela Rua Ha-Nevi'im em direção ao Portão de Damasco (Bab al-Amud) no bairro da Cidade Velha de Jerusalém em 15 de junho de 2021. [Esat Fırat / Agência Anadolu]

Jerusalém está novamente na mira diplomática sobre a intenção do presidente americano Joe Biden de reabrir o consulado americano para os palestinos em Jerusalém, que foi fechado pela administração Trump em 2019. Segundo o secretário de estado norte-americano Antony Blinken, a reabertura do consulado é “uma forma importante de nosso país se envolver e dar apoio ao povo palestino”. O novo governo israelense, entretanto, pretende atrasar, ou impedir que o consulado volte a funcionar, sob o pretexto de preocupações de segurança.

A letargia da administração Biden em lidar com os direitos palestinos pode muito bem sucumbir às exigências de Israel. Nir Barakat, membro do Knesset pelo Likud, apresentou um projeto de lei que impediria a reabertura do consulado. “Estamos falando da unificação de Jerusalém”, declarou Barakat. “Antes de conhecê-la, haverá todo tipo de consulados europeus em Jerusalém, e ela se tornará a capital do consulado para os palestinos”.

Sob o comando do ex-presidente americano Donald Trump, o consulado americano para os palestinos foi rebaixado para uma “Unidade de Assuntos Palestinos” que funcionou como parte da nova embaixada dos EUA em Israel, em Jerusalém. Até agora, Biden não se comprometeu com a revogação das decisões unilaterais mais importantes tomadas por Trump, e embora ele afirme apoiar o defunto compromisso de dois Estados, a ênfase na narrativa de segurança de Israel não só embala Israel, mas também valida as decisões da administração anterior.

LEIA: JINSA: o principal lobby militar de Israel dentro dos EUA

Enquanto a administração Biden embelezava sua retórica com menções de direitos, falhou em agir sobre os direitos dos palestinos. Sheikh Jarrah é um exemplo recente notável que destaca a dissociação entre a diplomacia e o povo. Os Estados Unidos não estão preocupados com a última rodada de deslocamento forçado de Israel, mas consideram a reabertura de sua missão diplomática para os palestinos – um ato que iria descongelar as relações entre os Estados Unidos e a Autoridade Palestina na era Trump. Mas se os direitos dos palestinos não forem salvaguardados, quais interesses a missão diplomática irá servir e quem se beneficiará de seu restabelecimento?

As preocupações de Israel com a suposta “unificação de Jerusalém” e qualquer ameaça percebida pelos palestinos que, sob os termos ditados pela comunidade internacional, reivindicam Jerusalém Oriental como sua capital, não estão em contradição com as políticas do governo dos Estados Unidos. A decisão de Biden de manter a embaixada em Jerusalém, ao invés de mudar para Tel Aviv, é mais do que suficiente indicação de que a atual administração não se opõe à continuação das políticas de Trump sem aludir ao fato.

A Autoridade Palestina, por outro lado, está envolvida na ampliação de sua própria posição diplomática, embora sua popularidade entre os palestinos tenha diminuído por muito tempo e os vestígios que restaram se tenham perdido devido a sua posição passiva sobre Sheikh Jarrah, Gaza, e o recente assassinato extrajudicial de Nizar Banat. Se Israel e os Estados Unidos chegarem a um acordo, o que é duvidoso à luz do projeto de lei proposto, a AP não ligará a reabertura do consulado dos EUA a nenhum dos direitos palestinos que Blinken menciona, mas nunca elabora. A vitória diplomática não marcaria nada em termos de benefícios para os palestinos, uma vez que os EUA não contestarão as reivindicações de Israel sobre a “unificação”.

LEIA: Sionismo, a ideologia racista que está destruindo a Palestina

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasBlogBlogs - PoliticsEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments