Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hamas condena a adesão de Israel à União Africana

Apoiadores pró-palestinos seguram cartazes com a leitura "Boicote ao Apartheid Israel" durante um protesto para condenar os ataques aéreos israelenses em andamento em Gaza, em Durban, África do Sul, em 18 de maio de 2021. [RAJESH JANTILAL/AFP via Getty Images]

O Hamas condenou a decisão da União Africana (UA) de conceder a Israel o status de observador, chamando o gesto de “chocante e censurável”.

Em uma declaração divulgada no sábado, o Hamas criticou a decisão tomada pela UA na semana passada após quase duas décadas de tentativas de Israel de obter o status de observador após a dissolução da organização antecessora – a Organização de Unidade Africana (OUA) – em 2002.

Segundo o Hamas, a decisão “aumenta a legitimidade da entidade de ocupação em nossa terra e lhe dá mais oportunidades para continuar seus planos de apagar os direitos palestinos e continuar seus crimes brutais contra o povo palestino”.

O grupo também observou que o movimento é contraproducente para a causa histórica anti-colonial dos Estados membros da UA “que sofreram durante séculos com o jugo do colonialismo e do racismo e sofreram para se livrarem deles”.

O Hamas insistiu que continua a ver os países do continente africano como “uma extensão natural de nossa justa luta pela liberdade e independência, e aguardamos com expectativa seu apoio forte e contínuo”.

O movimento concluiu a declaração exigindo “a expulsão imediata desta entidade de ocupação da União e a imposição de sanções dissuasivas a ela”.

LEIA: Adesão de Israel à União Africana não afetará o apoio do grupo à Palestina, diz chanceler da Argélia

O Hamas prometeu continuar essa exigência até Tel Aviv “responder às nossas aspirações como povo sob ocupação, estabelecendo um Estado palestino com Jerusalém como sua capital, e o retorno às nossas casas do qual fomos expulsos pela força brutal”.

A decisão da UA de fazer de Israel um membro observador surpreendeu a muitos, pois a organização regional há muito tempo demonstra apoio público à causa palestina e condena os ataques de Israel a Gaza e sua contínua ocupação do território palestino.

A mudança é, no entanto, vista como um caminho para uma maior normalização e melhoria dos laços entre Israel e os Estados africanos. Apesar de ter relações diplomáticas plenas com a maioria dos países do continente, Tel Aviv só tem embaixadas em cerca de uma dúzia delas.

Nos últimos anos, o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu lançou um esforço para melhorar os laços e as relações com os estados africanos, culminando com a última decisão da UA.

LEIA: Investigação da ONU sobre ‘alegadas violações’ israelenses será conduzida por um ex-juiz sul-africano

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Africana
Show Comments
Show Comments