Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Segundo a HRW, a administração Biden fez acordos de armas com três violadores dos direitos humanos

O presidente dos EUA, Joe Biden, parte após falar no Cross Hall da Casa Branca em Washington, DC, EUA, na quinta-feira, 20 de maio de 2021 [Yuri Gripas/Abaca/Bloomberg via Getty Images]

O governo Biden está traçando acordos armados com pelo menos três violadores dos direitos humanos, incluindo o Egito, apesar de prometer colocar os direitos humanos no centro de sua política externa, disse o oficial de defesa da Human Rights Watch em um artigo para o Washington Post.

No início deste ano, o governo dos Estados Unidos recebeu grandes críticas depois de aprovar a venda de US$ 197 milhões em mísseis ao Egito, apesar dos graves abusos dos direitos humanos por parte do governo.

A venda de armas foi anunciada um dia depois que primos do ex-prisioneiro político e cidadão americano Mohamed Soltan foram presos.

Além disso, os EUA continuaram a dar ao Egito US$ 1,3 bilhão em ajuda militar anual, o que tem sido o centro de um acirrado debate entre ativistas de direitos humanos que perguntaram por que os EUA estão dando tanto dinheiro a um país que se tornou um dos mais repressivos do mundo.

Em abril, 14 organizações de direitos humanos assinaram uma carta endereçada ao governo dos Estados Unidos exigindo que não usasse sua isenção de segurança para liberar ajuda militar ao Egito, como fizeram os ex-presidentes Obama e Trump.

A postura de Biden tem sido particularmente decepcionante, visto que durante sua campanha presidencial no ano passado ele prometeu que não haveria mais “cheques em branco” para o “ditador favorito” de Trump.

LEIA: Egito detém ex-editor do jornal Al-Ahram por acusações de terrorismo

“As vendas de armas e US$ 1,3 bilhão em assistência de segurança anual ao Egito continuam, apesar de anos de deterioração das condições dos direitos humanos sob o presidente Abdel Fatah Al-Sisi”, disse Elisa Epstein, “de prováveis ​​crimes de guerra em uma campanha militar prolongada no Sinai do Norte, a milhares de dissidentes detidos arbitrariamente, detidos indefinidamente e sujeitos a tortura e outros maus-tratos”.

Epstein também apontou que o Egito “fingiu responsabilidade” pelas mortes sistemáticas de pelo menos 1.150 manifestantes em 2013, a maioria dos quais foram mortos durante o massacre de Rabaa.

O governo Biden também propôs a venda de mais de US$ 2,5 milhões em armas para as Filipinas, “menos de duas semanas depois que o promotor do Tribunal Criminal Internacional solicitou a aprovação para abrir uma investigação formal sobre crimes contra a humanidade relacionados à brutal guerra das Filipinas sobre drogas”, diz Epstein.

Além disso, o governo dos EUA aprovou US$ 735 milhões em armas guiadas de precisão para Israel, apesar de seu recente bombardeio em Gaza, quando usou munições guiadas de precisão para destruir casas.

“O governo dos Estados Unidos não pode alegar promover os direitos humanos enquanto vende armas avançadas para governos que violam os direitos”, escreveu Epstein. “Isso não só mina a credibilidade de Biden, mas também mina o respeito pelos direitos humanos em todo o mundo.”

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosFilipinasHRWIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments