Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito detém ex-editor do jornal Al-Ahram por acusações de terrorismo

Abdel Nasser Salama, ex-editor-chefe do jornal Al-Ahram

O Ministério Público egípcio emitiu ordens para prender Abdel Nasser Salama, ex-editor-chefe do jornal Al-Ahram, por 15 dias enquanto se aguarda uma investigação sobre as alegações de que financiou o terrorismo.

Salama foi acusado de financiar o terrorismo e ingressar em um grupo terrorista estabelecido em violação às disposições da lei; em referência à Irmandade Muçulmana.

Sua prisão ocorreu depois que ele pediu ao presidente, Abdel Fattah Al-Sisi, para renunciar e ser levado a julgamento por causa do que ele chamou de “a pesada derrota contra a Etiópia e o desperdício do direito histórico do Egito às águas do Nilo”.

Em uma postagem que ele postou no Facebook na semana passada, Salama perguntou: “Por que o presidente Al-Sisi não tem coragem moral e declara sua responsabilidade direta pela pesada derrota contra a Etiópia e por desperdiçar o direito histórico do Egito às águas do Nilo?”.

As autoridades prenderam Salama em sua casa ontem à noite, em cumprimento à decisão do Ministério Público, após acusá-lo de divulgar notícias falsas nas redes sociais e questionar órgãos e instituições do Estado.

Salama foi nomeado editor-chefe do jornal Al-Ahram quando a Irmandade Muçulmana estava no governo e até janeiro de 2014.

A Etiópia está construindo uma barragem de US$ 5 bilhões perto da fronteira com o Sudão, que fornecerá ao país a eletricidade e a regeneração econômica tão necessárias. O Egito acredita que vai restringir seu acesso às águas do Nilo.

O Egito depende quase inteiramente da água do Nilo, recebendo cerca de 55,5 milhões de metros cúbicos por ano do rio, e acredita que o enchimento da barragem afetará a água de que necessita para beber, agricultura e eletricidade.

Cairo quer que a Etiópia garanta que o Egito receberá 40 bilhões de metros cúbicos ou mais de água do Nilo. O ministro da Irrigação da Etiópia, Seleshi Bekele, disse que o Egito abandonou essa demanda, mas insiste que não e emitiu uma declaração nesse sentido.

Al-Sisi assinou um acordo com o Sudão e a Etiópia em 2015, que disse que “alcançará benefícios e desenvolvimento para a Etiópia sem prejudicar os interesses do Egito e do Sudão”. No entanto, muitos criticaram o acordo como tendo cedido os direitos do Egito sobre o Nilo.

LEIA: Egito condena líder em exercício da Irmandade Muçulmana a prisão perpétua

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments