Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel explora caso de funcionário mexicano procurado por tortura e assassinato por ganho diplomático

Tomás Zerón de Lucio, ex-diretor do equivalente mexicano do FBI [Wikipedia]

O caso notório de um ex-oficial mexicano procurado em conexão com a tortura, sequestro e assassinato de 43 estudantes, e por desvio de US$ 50 milhões de fundos do estado, acabou atolado em uma disputa diplomática entre Israel e México sobre o tratamento dado aos palestinos pelo estado de ocupação.

Tomás Zerón de Lucio, o ex-diretor do equivalente mexicano do FBI, fugiu para Israel após a abertura de uma investigação sobre seu papel no sequestro em massa de Iguala em 2014, que continua a causar uma tempestade no México até hoje. Zeron chefiou a investigação criminal, mas seu relatório foi desacreditado depois que foi descoberto que um testemunho crucial foi obtido sob tortura, as evidências foram desprezadas e pistas promissoras ignoradas.

Zeron rejeitou as acusações e buscou asilo político em Israel, onde viveu por quase dois anos. Autoridades mexicanas dizem que Zeron tem conexões com poderosas empresas israelenses que o ajudaram a fugir do México.

LEIA: Israel investiga chefe de famoso serviço de resgate acusado de abusos sexuais

As alegações contra o ex-funcionário também incluem o desvio de US$ 50 milhões de fundos estaduais. Enquanto estava no cargo, Zeron teria autorizado a compra de dezenas de milhões de dólares em sistemas de vigilância de empresas de inteligência israelenses privadas, incluindo o notório software Pegasus desenvolvido pelo Grupo NSO de Israel. O software tem sido usado para atingir jornalistas, advogados e ativistas em vários países ao redor do globo. Alega-se que em alguns casos o equipamento de inteligência comprado por Zeron nunca foi entregue.

O México exigiu a extradição de Zeron. Israel, entretanto, não agiu nem com o pedido de extradição nem com os pedidos de asilo e diz-se que está procurando maneiras de arrancar as concessões diplomáticas do caso altamente sensível.

Oficiais israelenses de alto escalão foram citados no New York Times dizendo que o caso de extradição de Zeron estava sendo visto como uma “diplomacia na mesma moeda” contra o México, que apoiou as investigações das Nações Unidas sobre as alegações de crimes de guerra israelenses contra palestinos. “Por que iríamos ajudar o México?” disse o oficial, falando sob condição de anonimato para oferecer uma visão franca de uma disputa diplomática.

O alto funcionário israelense disse que o atual governo mexicano tem apoiado repetidamente resoluções criticas a Israel no Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, incluindo decisões para investigar a morte de manifestantes palestinos em Gaza em 2018 por Israel e a morte de civis no enclave sitiado durante a ocupação último ataque do estado.

Categorias
Ásia & AméricasIsraelMéxicoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments