Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Lembrando a Grande Marcha do Retorno

Dezenas de milhares de palestinos se reuniram no primeiro dia e continuaram a protestar durante toda a semana

O que: Milhares de palestinos marcharam até a cerca na fronteira nominal entre a Faixa de Gaza e Israel, exigindo o direito de retornar às suas casas ancestrais e o fim do cerco do território a Israel

Onde: Faixa de Gaza sitiadaQuando: 30 de março de 2018

O que aconteceu?

Em 29 de março, 150 palestinos caminharam em direção à cerca da fronteira de Gaza, que contorna o território sitiado e restringe o movimento de seus 1,9 milhão de habitantes. Os manifestantes carregaram pipas como um símbolo pacífico de resistência contra o cerco israelense de 12 anos na Faixa de Gaza, pedindo o direito de retorno a seus lares ancestrais, conforme consagrado na Resolução 194 da ONU.

Esta foi o prenúncio da Grande Marcha de Retorno. Preparativos estavam em andamento para a marcha do dia seguinte, com tendas, caravanas e espaços para atividades culturais prontos para os manifestantes esperados. Do outro lado da cerca, Israel observava e esperava.

O establishment israelense foi rápido em condenar a marcha planejada. O porta-voz do exército Avichay Adraee afirmou: “Não vamos permitir que os líderes do Hamas continuem a se esconder em Gaza, enquanto mulheres e crianças são enviadas à cerca da fronteira”. O ex-comandante do Comando Sul das Forças de Defesa de Israel, Yoav Galant, acrescentou: “Se a situação na fronteira de Gaza se agravar, o assassinato de líderes do Hamas é uma opção que permanece em discussão. Em tempos de conflito, tudo é permitido”.

No dia seguinte, 30 de março de 2018, dezenas de milhares de palestinos se reuniram na fronteira, reunindo-se em diferentes bolsões no norte, centro e sul do território. Esse foi o Dia da Terra, aniversário da morte de seis cidadãos palestinos em Israel, em 1976, que protestavam contra a expropriação do Estado de suas terras.

Israel respondeu com força à Grande Marcha do Retorno. Autoridades de saúde palestinas informaram que houve baixas desde o meio-dia. O porta-voz do Ministério da Saúde, Ashraf Al-Qidra, disse em comunicado que “Três manifestantes foram moderadamente feridos por tiros disparados pelo exército israelense”. No final do dia, pelo menos 15 palestinos haviam sido baleados e mortos.

Os eventos daquele dia foram um sinal do que estava por vir. A marcha foi inicialmente planejada para ocorrer toda sexta-feira por seis semanas, culminando no Dia da Nakba, em 15 de maio, quando palestinos recordam o deslocamento forçado de suas terras em 1948. Nas seis semanas seguintes, palestinos em Gaza retornaram a cada sexta-feira até a cerca, erguendo bandeiras, segurando chaves – símbolo do direito de retorno – e vestindo o keffiyeh, o lenço tradicional palestino.

A mão pesada de Israel aumentou conforme as semanas passavam; surgiram relatos de que a FDI havia usado drones para atirar gás lacrimogêneo em manifestantes, deixando cair latas de 10 a 20 metros acima do solo. Um relatório subsequente constatou que Israel usou os protestos da Grande Marcha como um “laboratório e um showroom” para seus equipamentos militares mais recentes, entre os quais o gás lacrimogêneo “Sea of Tears” (Mar de Lágrimas), projetado especificamente para uso em Gaza.

Soldados israelenses também dispararam munição real contra manifestantes, usando balas de borboleta – que explodem com o impacto, borrifando tecidos, artérias e causando ferimentos internos graves – com o intuito de matar ou mutilar qualquer um em seu caminho.

Em 6 de abril, o jornalista palestino Yaser Murtaja foi baleado por um franco-atirador israelense, apesar de vestir colete de imprensa, com a palavra PRESS claramente marcada. Murtaja foi baleado no abdômen, enquanto cobria a marcha da semana, mas apesar de ter sido levado às pressas para o hospital, sucumbiu aos ferimentos horas depois.

Numerosos outros jornalistas foram atacados, como Yousef Al-Kronz, de 20 anos, baleado por uma bala israelense que penetrou em ambas as pernas, segundo um relatório da Anistia Internacional. A Anistia acrescentou que “Yousef teve sua perna esquerda amputada depois que as autoridades israelenses lhe negaram permissão para viajar a Ramallah, na Cisjordânia ocupada, para tratamento médico urgente”.

Seis semanas após a primeira marcha, o presidente dos EUA, Donald Trump, cumpriu sua promessa de campanha eleitoral de mudar a embaixada dos EUA de Tel Aviv para Jerusalém, declarando a cidade ocupada como a capital “indivisível” de Israel. Centenas de milhares de palestinos se reuniram novamente na cerca da fronteira em protesto. Franco-atiradores da FDI atiraram e mataram pelo menos 63 pessoas e feriram mais de 3.000. Comentaristas fizeram justaposição dessas cenas sangrentas com as formalidades e a grandeza da abertura da embaixada, apontando que apenas 40 quilômetros separavam os dois eventos.

O que aconteceu depois?

Embora a Grande Marcha do Retorno devesse durar apenas seis semanas, os protestos continuaram todas as sextas-feiras ao longo de 2018. Entre 30 de março e 31 de dezembro, 189 palestinos foram mortos por franco-atiradores israelenses, entre eles 35 crianças. Mais de 20.000 ficaram feridos, o maior número registrado nos territórios palestinos ocupados desde o final da Segunda Intifada em 2005. Em contraste, nenhuma morte israelense foi registrada como resultado das manifestações. Quatro soldados do exército israelense foram feridos.

Em julho, Israel abriu uma investigação interna sobre a conduta da FDI na Grande Marcha de Retorno. O relatório concluiu que todos os palestinos mortos entre 30 de março e a apresentação dos resultados morreram em razão de “acidentes operacionais”, que o “fogo de armas do exército foi executado de acordo com ordens de abrir fogo” e que “os manifestantes invadiram a linha de fogo depois que as tropas começaram a disparar e [houve] incidentes em que as balas ricochetearam, atingindo posteriormente palestinos”.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU abriu sua própria investigação sobre a marcha, cujas descobertas foram divulgadas em fevereiro deste ano. A investigação “realizou 325 entrevistas e reuniões com vítimas, testemunhas, funcionários do governo e membros da sociedade civil e reuniu mais de 8.000 documentos” para chegar ao veredicto.

De acordo com a ONU, “as manifestações [da Grande Marcha de Retorno] eram de natureza civil [e] não constituíam combate ou campanha militar”, significando que o marco legal alusivo deveria ter sido aplicado. Essa legislação permite o emprego de força potencialmente letal “somente em autodefesa ou para a defesa de outras pessoas quando há uma ameaça iminente à vida”.

O relatório concluiu que, além de dois incidentes menores, que poderiam ser considerados uma “ameaça à vida” ou “participação direta nas hostilidades… em todos os outros casos, o uso de munição real pelas forças de segurança israelenses contra os manifestantes foi ilegal”.

O texto acrescenta que: “A comissão, portanto, encontrou motivos razoáveis para acreditar que os manifestantes foram baleados em violação do seu direito à vida ou do princípio de distinção sob o direito internacional humanitário […] matar um civil que não participa diretamente das hostilidades é um crime de guerra. ”

O grande volume de feridos teve um efeito devastador no já devastado serviço de saúde de Gaza. Os Médicos Sem Fronteiras classificaram a situação como uma “emergência de saúde em câmera lenta”. A ONU estima que cerca de 8.000 cirurgias foram canceladas ou adiadas devido a demanda nos hospitais que cuidam dos feridos. Quando os feridos foram encaminhados para hospitais em outros lugares nos territórios palestinos ocupados, ou no exterior, Israel negou aos pacientes as licenças de saída necessárias para deixar a Faixa de Gaza.

Embora a maior parte da atenção internacional tenha se concentrado em Gaza, a Grande Marcha do Retorno também se espalhou para a Cisjordânia ocupada. Milhares de pessoas saíram às ruas durante o ano nas principais cidades da Cisjordânia, Nablus, Ramallah e Hebron, expressando apoio a seus compatriotas na faixa costeira. Em 14 de dezembro, esses protestos culminaram em um “dia de fúria” em toda a Cisjordânia ocupada, após uma semana marcada pela violência dos colonos judeus e pelos ataques israelenses às cidades palestinas.

Como na Faixa de Gaza, Israel respondeu a esses protestos com força desproporcional. A Autoridade Palestina (AP) se uniu a Israel para reprimir os manifestantes, atacando mulheres, tentando impedir que jornalistas filmassem e prendessem dezenas de manifestantes. Um porta-voz do Hamas – que governa a Faixa de Gaza e com quem a Autoridade Palestina, controlada pelo Fatah, está em disputa há 12 anos – concedeu declaração sobre a violência da autoridade. Ele afirmou: “É uma pena que as forças de segurança estejam enfrentando o nosso próprio povo e os atacando enquanto continuam a proteger [Israel].”

Cinquenta e duas semanas após o início da Grande Marcha do Retorno, os palestinos em Gaza e na Cisjordânia continuam exigindo seu legítimo direito de retorno e o fim do cerco imposto por Israel na Faixa de Gaza. Israel e o Egito estão trabalhando para negociar o fim das marchas, em troca de libertações de prisioneiros, concessões à liberdade de ação política dos palestinos e o fim do fechamento de estradas de um território para o outro. Se essas negociações produzirão frutos, no entanto, ainda é incerto.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
IsraelNeste diaOpiniãoOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments