Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cornell West cita o “preconceito anti-Palestina” em carta de demissão a Harvard

Cornel West discursa na Cerimônia de Medalha W.E.B. Du Bois do Centro Hutchins de 2019 na Universidade de Harvard em 22 de outubro de 2019 em Cambridge, Massachusetts [Paul Marotta/Getty Images]

Em sua carta de demissão, o Dr. Cornell West, um dos principais intelectuais públicos da América, citou o “preconceito anti-Palestina” da administração como uma das principais razões para a sua saída após quatro anos de docência. Espera-se que West volte ao Union Theological Seminary, onde lecionou pela primeira vez há 44 anos.

West compartilhou ontem uma cópia de sua carta no Twitter explicando as razões de sua demissão. O filósofo, ativista político e crítico social de 67 anos de idade tem estado envolvido em uma longa disputa pública com a Harvard Divinity School por sua titularidade desde o início deste ano.

Considerado por muitos como um gigante intelectual, o fracasso de West desencadeou especulações sobre a razão pela qual uma figura tão proeminente não receberia o cargo. Pensou-se que seu apoio vocal aos palestinos e suas duras críticas a Israel tiveram um papel importante no bloqueio de seu caminho para a titularidade.

Nos últimos anos, grupos pró-Israel realizaram uma campanha altamente bem-sucedida em todos os estados e campus americanos para suprimir as críticas a Israel usando a definição altamente duvidosa de antissemitismo da Aliança Internacional do Holocausto, que confunde as críticas ao estado de ocupação com o racismo contra os judeus.

LEIA: EUA não podem reivindicar o combate ao racismo enquanto apoiam o apartheid de Israel

O próprio West indicou que ele é vítima de tal campanha considerada por muitos como um ataque à primeira emenda da constituição americana, que garante o direito à liberdade de expressão. “Será Harvard um lugar para um negro livre como eu, cuja fé e testemunho cristãos dão igual valor aos bebês palestinos e judeus – como todos os bebês – e rejeitam todas as ocupações como imorais?” West perguntou no Twitter quando a disputa veio à tona pela primeira vez.

West também alegou que a decisão de Harvard foi política e não teve nada a ver com sua capacidade como professor. “Depois de ser titular em Yale, Harvard, Princeton & Union Theological Seminary, a recente negação de um processo de titularidade em Harvard me parece uma decisão política que eu rejeito”, acrescentou West. “Nada impede meu profundo amor e solidariedade com os povos oprimidos onde quer que estejam!”!

Em uma entrevista com o Boycott Times, ele disse que existem certos “tabus” em Harvard. “Um deles é a causa palestina, que luta com uma séria crítica moral-espiritual política sobre a ocupação israelense”, disse West.

Harvard contesta essas acusações.

Ao compartilhar uma cópia de sua carta para seus mais de um milhão de seguidores do Twitter, West disse: “Tento contar a verdade não envernizada sobre a decadência em nossas universidades movidas pelo mercado! Vamos testemunhar contra esta podridão espiritual”.

West mencionou “a covarde deferência ao preconceito anti-palestino da administração de Harvard”, juntamente com a indiferença da universidade pela morte de sua mãe entre as razões de sua renúncia. Ele acusou Harvard de sofrer de “falência intelectual e espiritual”.

LEIA: Scientific American apaga editorial em apoio aos palestinos

Categorias
Estados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments