Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Viajantes que entram em Israel para isolamento por 24 horas ou quarentena por 14 dias

Uma visitante usando uma máscara, como proteção ao coronavírus, na entrada da Igreja do Santo Sepulcro na Cidade Velha de Jerusalém, em 9 de março de 2020 [Reuters/Ronen Zevulun]
Uma visitante usando uma máscara, como proteção ao coronavírus, na entrada da Igreja do Santo Sepulcro na Cidade Velha de Jerusalém, em 9 de março de 2020 [Reuters/Ronen Zevulun]

A partir de 16 de julho, os viajantes que entrarem em Israel precisarão se isolar por 24 horas ou ficar em quarentena por até 14 dias, anunciou o Ministério da Saúde de Israel na sexta-feira.

Todos os viajantes que entrarem em Israel serão solicitados a se isolar por 24 horas ou até que um resultado de teste negativo seja obtido.

A quarentena de 14 dias é destinada àqueles que viajam de países com altas taxas de infecção, mesmo que estejam vacinados. A decisão sobre o isolamento e a quarentena continuará até 25 de julho e pode ser prorrogada se necessário, dependendo das taxas de infecção.

De acordo com o Ministério da Saúde de Israel, a mídia israelense informou que os países considerados com altas taxas de infecção incluem Emirados Árabes, Seychelles, Equador, Etiópia, Bolívia, Guatemala, Honduras, Zimbábue, Zâmbia, Namíbia, Paraguai, Chile, Colômbia, Costa Rica, Quirguistão e Tunísia.

De acordo com o Ministério da Saúde de Israel, a lista de países com risco máximo inclui Bielo-Rússia, Brasil, África do Sul, Uzbequistão, Bielo-Rússia, Índia, México e Rússia. O Ministério da Saúde afirmou que os israelenses estão impedidos de visitar esses países sem permissão especial.

O Jerusalem Post de Israel informou que o anúncio da exigência de isolamento e quarentena é parte de uma série de novas restrições que o gabinete do coronavírus do governo israelense aprovou na semana passada para ajudar a impedir a disseminação do vírus em Israel.

O Ministério da Saúde notificou 450 novos casos de coronavírus na sexta-feira.

LEIA: Antissemitismo como arma para intimidar críticos de Israel

Categorias
CoronavírusIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments