Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O povo versus Mahmoud Abbas: os dias da Autoridade Palestina estão contados?

Palestinos erguem cartazes em árabe que dizem “Que situação: ocupação... engano... prisão... assassinato”, enquanto uma faixa endereçando-se ao presidente palestino Mahmoud Abbas diz “Saia” na cidade de Ramallah na Cisjordânia ocupada em 3 de julho em 2021 [Abbas Momani/AFP via Getty Images]

Afirmações de que os dias da Autoridade Palestina estão contados são agora ouvidas com frequência. Isso é especialmente verdade após a tortura até a morte em 24 de junho de um popular ativista palestino, Nizar Banat, 42, nas mãos de capangas da segurança da AP em Hebron (Al-Khalil).

A morte de Banat – ou “assassinato” como alguns grupos de direitos palestinos o descrevem -, no entanto, não foi nada incomum. A tortura nas prisões da AP é o modus operandi, por meio do qual os interrogadores palestinos extraem “confissões”. Os presos políticos palestinos sob custódia da Autoridade Palestina são geralmente divididos em dois grupos principais: aqueles que são suspeitos por Israel de estarem envolvidos em atividades de ocupação anti-israelense; e outros que foram detidos por expressarem críticas à corrupção da AP ou à subserviência a Israel.

Por que a AP matou Nizar Banat? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em um relatório de 2018 da Human Rights Watch, o grupo falou de “dezenas de prisões” realizadas pela AP “para postagens críticas em plataformas de mídia social”. Banat se encaixou perfeitamente nessa categoria, já que ele foi um dos críticos mais persistentes e francos, cujos vídeos e as postagens nas redes sociais expuseram e constrangeram a liderança da AP de Mahmoud Abbas e seu partido no poder, Fatah. Ao contrário de outros, Banat apontou nomes e pediu medidas severas contra aqueles que esbanjam fundos públicos palestinos e traem as causas do povo palestino.

Banat foi preso pela polícia da AP várias vezes no passado. Em maio, homens armados atacaram sua casa usando balas, granadas de atordoamento e gás lacrimogêneo. Ele culpou o Fatah pelo ataque.

Sua última campanha na mídia social cobriu o escândalo das doses da vacina da covid-19 quase expiradas que a AP recebeu de Israel em 18 de junho. Por causa da pressão pública de ativistas como Banat, a AP foi forçada a devolver as vacinas israelenses que, antes disso, foram elogiadas como um gesto positivo pelo novo primeiro-ministro de Israel, o ultranacionalista Naftali Bennett, de extrema direita.

Quando os homens da AP invadiram a casa de Banat em 24 de junho, a ferocidade de sua violência foi sem precedentes. Seu primo, Ammar, falou sobre como quase 25 seguranças da Autoridade Palestina invadiram a casa, aplicaram spray de pimenta nele enquanto ele ainda estava na cama e “começaram a espancá-lo com barras de ferro e bastões de madeira”. Depois de deixá-lo nu, eles o arrastaram para um veículo. Uma hora e meia depois, a família soube de seu destino por meio de um grupo do WhatsApp.

LEIA: Autoridade Palestina de Abbas demite oficial sênior por criticar a morte extrajudicial de Banat

Apesar das negativas iniciais, sob pressão de milhares de manifestantes em toda a Cisjordânia, a AP foi forçada a admitir que a morte de Banat foi “anormal”. O ministro da Justiça, Mohammed Al-Shalaldeh, disse à televisão local que um relatório médico inicial indicou que Banat foi submetido à violência física.

Essa suposta revelação explosiva pretendia demonstrar que a AP estava disposta a examinar e assumir a responsabilidade por sua ação. No entanto, isso é simplesmente falso. A AP nunca se responsabilizou por sua violência, que é a pedra angular de sua existência. Prisões arbitrárias, tortura e supressão de protestos pacíficos são sinônimos de agências de segurança da Autoridade Palestina, como vários relatórios de grupos de direitos humanos, sejam palestinos sejam internacionais, indicaram.

Será, então, que “os dias da Autoridade Palestina estão contados”? Para considerar essa questão, é importante examinar a lógica por trás da criação da AP e comparar esse propósito inicial com o que aconteceu nos anos seguintes.

A AP foi fundada em 1994 como uma autoridade nacional de transição com o objetivo de guiar o povo palestino através do processo de, em última instância, a libertação nacional, seguindo as “negociações de status final”, que deveriam estar concluídas no final de 1999. Quase três décadas se passaram sem uma única conquista política para o nome da AP. Isso não significa que a AP, do ponto de vista de sua liderança e de Israel, tenha sido um fracasso total porque continuou a cumprir o papel mais importante que lhe foi confiado: a coordenação da segurança com a ocupação israelense. Em outras palavras, protegendo colonos judeus ilegais na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém e fazendo o trabalho sujo de Israel nas áreas palestinas autônomas administradas pela AP. Em troca, a AP recebeu bilhões de dólares de “países doadores” liderados pelos EUA e impostos palestinos coletados em seu nome por Israel.

Esse mesmo paradigma ainda está em funcionamento, mas por quanto tempo? Após a revolta palestina em maio, o povo exibiu unidade nacional sem precedentes e determinação através das linhas faccionais, e ousadamente pediu a remoção de Abbas do poder. Eles ligaram – com razão – a ocupação israelense à corrupção da Autoridade Palestina.

Desde os protestos em massa em maio, o discurso oficial da AP foi marcado por confusão, desespero e pânico. Os líderes da AP, incluindo Abbas, tentaram se posicionar como líderes revolucionários. Eles falavam de “resistência”, “mártires” e até mesmo “revolução”, ao mesmo tempo em que renovavam seu compromisso com o “processo de paz” e a agenda americana na Palestina.

Quando Washington retomou seu apoio financeiro à autoridade de Abbas depois que ela foi interrompida pelo ex-presidente dos EUA Donald Trump, a AP esperava retornar ao status quo de relativa estabilidade, abundância financeira e relevância política. O povo palestino, no entanto, parece ter mudado, como demonstrado pelos protestos em massa, que sempre foram recebidos – de forma repugnante e totalmente previsível – com violência por oficiais de segurança da AP em toda a Cisjordânia, incluindo Ramallah, a sede do poder da AP.

Até os slogans mudaram. Após o assassinato de Banat, milhares de manifestantes em Ramallah, representando todos os segmentos da sociedade palestina, pediram a Abbas, 85, que renunciasse. Os gritos se referiam a seus capangas de segurança como “baltajieh” e “shabeha” – “bandidos” -, que são termos emprestados de manifestantes árabes durante os primeiros anos de várias revoltas no Oriente Médio.

LEIA: Enquanto os palestinos exigem respostas, a AP não tem mais nada além de tirania

Essa mudança no discurso aponta para uma mudança crítica na relação entre os palestinos comuns – o povo encorajado e pronto para encenar uma revolta em massa contra a ocupação israelense e o colonialismo – e sua “liderança” traidora, corrupta e egoísta. É importante notar que nenhum aspecto desta Autoridade Palestina goza de um pingo de credenciais democráticas. De fato, em 30 de abril, Abbas “atrasou” as eleições gerais programadas para ocorrer na Palestina em maio. Suas desculpas eram frágeis e “atrasado” era um eufemismo para “cancelado”. Seu mandato pessoal como presidente expirou em 2009.

A AP provou ser um obstáculo à liberdade palestina, sem nenhuma credibilidade entre o povo da Palestina ocupada. Ela se apega ao poder apenas por causa do apoio dos Estados Unidos e de Israel. Se os dias dessa autoridade em particular estão contados ou não, depende se o povo palestino prova que sua vontade coletiva é mais forte do que a AP e seus benfeitores. A experiência sugere que, quando realmente se trata do povo versus Mahmoud Abbas, é o povo palestino que acabará por prevalecer.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments