Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trabalhadores do setor de energia do Irã realizam protestos salariais com economia atingida por sanções

Uma visão geral mostra a usina nuclear iraniana de Natanz, 270 kms ao sul de Teerã, 30 de março de 2005 [Behrouz Mehri/AFP via Getty Images]

Milhares de trabalhadores no setor de energia do Irã realizaram protestos por melhores salários e condições de trabalho nos campos de gás do sul e algumas refinarias nas grandes cidades, de acordo com agências de notícias iranianas e publicações nas redes sociais, informou a Reuters.

Com uma economia afundada sob o peso das sanções dos EUA e do pior impacto da pandemia de covid-19 no Oriente Médio, o Irã enfrentou protestos quase contínuos de trabalhadores e aposentados por meses devido a uma taxa de inflação de mais de 50%, alto desemprego e salários não pagos.

Um número não especificado de trabalhadores com contratos temporários “ficou em casa” para pressionar por salários mais altos no início desta semana em Assaluyeh, principal centro de produção de gás do Irã no Golfo, informou a semioficial Iranian Labour News Agency (ILNA).

LEIA: Irã afirma ter frustrado ‘ataque de sabotagem’ a instalação de energia atômica

Algumas autoridades e parlamentares reconheceram os protestos e pediram esforços para ajudar a resolver as questões que os motivaram.

“Desde que tomamos conhecimento das ações trabalhistas e suas demandas de salários e benefícios […] as questões estão sendo seriamente acompanhadas na Comissão de Energia (do parlamento)”, disse à ILNA Mousa Ahmadi, um legislador cujo distrito inclui Assaluyeh.

De acordo com grupos de direitos humanos e publicações na mídia social, a refinaria de Teerã demitiu 700 trabalhadores em greve. Um vídeo nas redes sociais mostrou trabalhadores da refinaria segurando o que pareciam avisos de rescisão.

Shaker Khafai, porta-voz da estatal Tehran Oil Refining Company, negou o relatório de demissão e disse que um subcontratante demitiu 35 trabalhadores, informou a agência de notícias estatal IRNA.

LEIA: Os EUA advertem Irã sobre dificuldades na AIEA e risco para as negociações nucleares

Os protestos, apelidados de “Campanha 1400” em referência ao ano civil iraniano, viram duas reuniões na quinta-feira, incluindo uma de trabalhadores em uma usina de energia na ilha de Qeshm, no Golfo do Irã, a Human Rights Activists News Agency (HRANA), que tem sede fora do país, informou nesta sexta-feira.

Não houve relato imediato de ação generalizada contra os manifestantes pelas forças de segurança que reprimiram protestos no passado, especialmente quando eles se tornaram políticos.

O Irã realizou uma eleição presidencial na semana passada, vencida pelo chefe do judiciário linha-dura Ebrahim Raisi, que assumirá o cargo em agosto, substituindo o pragmático Hassan Rouhani.

Categorias
Ásia & AméricasCoronavírusEstados UnidosIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments