Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hamas e as ferramentas demonizadoras de Israel

Desfile das Brigadas Ezzeddin al-Qassam, o braço armado do grupo palestino Hamas, é realizado na Cidade de Gaza, Gaza em 30 de maio de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]
Desfile das Brigadas Ezzeddin al-Qassam, o braço armado do grupo palestino Hamas, é realizado na Cidade de Gaza, Gaza em 30 de maio de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Alguns meios de comunicação árabes publicam artigos comparando o Hamas com Israel. Na verdade, alguns desses textos fazem você se sentir como se o Hamas fosse Israel e que Israel fosse a parte justa.

Se examinarmos o que foi escrito por escritores árabes e apoiado por regimes árabes, cujas agendas são a normalização aberta, descobriremos que muitos dos escritos são simplistas, com inclinações superficiais, inconscientes da natureza da situação na Palestina ou em Gaza, ou do natureza do confronto com o sionismo. Esses escritores têm a liberdade de escrever, é claro, mas vivem em um mundo criado por sua imaginação, completamente isolado da situação local na realidade palestina, árabe e internacional.

Simplificar a história do conflito com o sionismo e torná-la superficial pode se transformar, intencionalmente ou não, em serviço ao sionismo. O racismo que caracteriza os discursos e a linguagem de Benjamin Netanyahu e dos líderes de Israel é o que caracteriza alguns escritores árabes hoje. Eles certamente são livres para escrever, mas o engano em apresentar a retórica do inimigo não ajudará, porque ela logo será exposta. Considere, por exemplo, como os eventos recentes em torno de Al-Aqsa, Gaza e o resto da Palestina expuseram a fragilidade da retórica e do status do inimigo. Em alguns casos, aconselho o leitor a fazer uma experiência: apagar o nome do escritor árabe e do jornal árabe em que o artigo foi escrito, e depois ler o artigo com imparcialidade. Você descobrirá que o que está lendo é idêntico às declarações da direita israelense. Certamente, há algo errado quando você descobre que as expressões escritas por escritores árabes sobre a resistência e o Hamas são iguais e idênticas àquelas emitidas por Israel e pela direita israelense. Isso levanta muitas questões, para dizer o mínimo.

LEIA: Balanço de onze dias de bombardeio à Gaza

Adotar a retórica do inimigo não é novidade. No Vietname, no auge da sua libertação, e na Argélia, no auge da sua batalha, sempre surgiram vozes que estavam mais próximas da voz do inimigo. Essas vozes se concentraram em reduzir a confiança das pessoas em si mesmas e nas causas pelas quais lutaram. Essas atitudes refletem uma visão que despreza as massas e seus direitos e glorifica o poder, a identificação com o Ocidente e o colonialismo autoritário. Frantz Fanon escreveu um livro valioso que se tornou um clássico na análise desse fenômeno – Black Skin, White Masks. Se usarmos a mesma analogia com a situação árabe, encontraremos pele árabe mergulhada em máscaras israelenses.

Essa escola de pensamento se identifica com Israel e com a tecnologia e a ciência israelenses, mas ignora o racismo israelense, a limpeza étnica e o apartheid que prevalecem em suas leis e estrutura. Ele até ignora a injustiça que Israel espalha, culpando árabes e palestinos pela ocupação e assentamento. O esforço para reverter os fatos históricos e atuais não terá sucesso em enganar a nação árabe e seu povo.

O Hamas é um movimento político e de libertação que surgiu em 1988, durante a Segunda Intifada. Ela evoluiu e mudou ao longo do tempo, para se tornar a expressão da metodologia da luta armada na arena palestina. A metodologia da luta armada não surgiu do nada, mas foi o resultado da violência diária israelense contra o povo palestino, que vem ocorrendo desde a Nakba de 1948. As Brigadas Al-Qassam representam uma força militar nacional para a Palestina, e seus jovens são lutadores históricos. Os jovens que se juntaram às Brigadas Al-Qassam se juntaram por causa de sua capacidade de infligir dor ao inimigo, e não por causa da ideologia islâmica do Hamas.

Demonizar o Hamas, que visa obliterar seus pontos positivos e ampliar seus erros, é um ato intencional originado da inteligência israelense e dos serviços estrangeiros. Assim, não é por acaso que alguns árabes que acreditam amplamente na normalização adotariam as mesmas visões sionistas israelenses de demonizar o Hamas. Mas isso não vai funcionar, já que o Hamas é um grupo de resistência e foi capaz, em poucas semanas, durante a batalha da “Espada de Jerusalém”, de quebrar a demonização que um grupo de árabes trabalhou para criar.

LEIA: Brasil dá mais um passo na cumplicidade com o apartheid

O Hamas é um produto da ocupação israelense e da Nakba. É suficiente mencionar que 90 por cento da população de Gaza são refugiados palestinos e que o Hamas expressou o desejo dos refugiados de voltarem para sua terra natal. À luz da busca da Autoridade Palestina por negociar terras que estão cada vez mais desaparecendo, é natural que o Hamas preencha o vazio com o objetivo de resistir ao inimigo e estabelecer novos equilíbrios em face do sionismo.

A campanha para demonizar o Hamas é uma campanha para retratar Israel como um estado pacífico, embora, na realidade, seja um estado violento, racista e de apartheid que foi estabelecido através do roubo de terras palestinas. A Universidade Hebraica no coração de Jerusalém Ocidental foi fundada em terras roubadas dos palestinos, assim como a Universidade de Haifa e várias outras universidades judaicas. O abuso tem seus limites e os árabes estão mais atentos hoje em dia. Apesar de todos os tipos de demonização, o Egito recentemente percebeu a necessidade de chegar a um entendimento com o Hamas e lidar com ele como um movimento de resistência capaz de influenciar o equilíbrio de poderes.

Traduzido de Arabi21.com, em 17 de junho de 2021.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments