Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel deve ser responsabilizado por alvejar jornalistas, diz sindicato da África

Paramédicos e jornalistas palestinos carregam um colega jornalista ferido durante confrontos com forças israelenses a leste da cidade de Gaza, em 5 de outubro de 2018 [Disse Khatib/AFP via Getty Images]

Jornalistas africanos pediram à União Africana e aos governos que condenem o ataque deliberado de Israel a jornalistas e organizações de mídia de notícias e responsabilizem Israel legalmente por crimes cometidos contra trabalhadores da mídia durante seus recentes ataques na Faixa de Gaza e em outras partes da Palestina ocupada.

Ataques israelenses à imprensa [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Os governos africanos foram instados a “permanecer do lado certo da história”, condenando inequivocamente as violações dos direitos humanos cometidas pelo governo israelense. A busca por soluções permanentes, disse o presidente da FAJ, Sadiq Ibrahim Ahmed, requer intervenções governamentais.

Em uma Conferência de Liderança de Jornalistas Africanos de dois dias que ocorreu em Accra, Gana, no início deste mês, e que foi realizada menos de uma semana depois que Israel encerrou sua campanha de bombardeio brutal da sitiada Faixa de Gaza, onde destruiu um prédio que abrigava a Associated Press e vários outros meios de comunicação, a Federação de Jornalistas Africanos (FAJ, na sigla em inglês), condenou a “impunidade total” que Israel desfrutou ao matar jornalistas e destruir escritórios de mídia “sob o falso pretexto de autodefesa”.

A destruição do edifício Al-Jalaa foi amplamente considerada uma tentativa de silenciar os jornalistas que cobriam os ataques militares de Israel. Em menos de uma semana, Israel bombardeou os escritórios de pelo menos 18 meios de comunicação.

Os delegados da conferência também condenaram a pressão que Israel estava exercendo sobre as organizações de mídia “para demitir e censurar jornalistas palestinos que defendem a liberdade da mídia e protestam contra as violações dos direitos dos palestinos”. Foi descoberto que a Associated Press demitiu a jornalista de 22 anos, Emily Wilder, por suas opiniões pró-Palestina.

LEIA: Relatório aponta 337 violações israelenses contra jornalistas palestinos em maio

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaUnião Africana
Show Comments
Show Comments