Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Os ataques de Israel aos palestinos são qualificados como terrorismo de Estado’

“A causa palestina é um genocídio gotejante e lento, mas implacável”

Embaixador palestino em Londres denuncia viés da BBC

“A causa palestina é um genocídio gotejante e lento, mas implacável”, disse na quarta-feira o presidente da Confederação das Comunidades Palestinas na América Latina e no Caribe (COPLAC, na sigla em inglês), informou a Agência Anadolu.

Em entrevista à Anadolu, Rafael Araya Masry disse que “há motivos para falar sobre terrorismo de Estado perpetrado por Israel” nos ataques aéreos em andamento em Gaza, que deixaram pelo menos 67 pessoas mortas, incluindo 17 crianças, de acordo com o Ministério da Saúde Palestino.

“Não é à toa que o Tribunal Penal Internacional (TPI) lançou uma investigação contra Israel por crimes de guerra cometidos na Faixa de Gaza com seus bombardeios, mas acrescentando um fator que não é menor: a colonização dos territórios palestinos. A colonização é um crime de guerra”, disse Masry.

A tensão aumentou desde a semana passada, depois que um tribunal israelense ordenou o despejo de famílias palestinas no bairro Sheikh Jarrah, na Jerusalém Oriental ocupada.

LEIA: Turquia cancela convite a ministro israelense após ataques a Al-Aqsa

“Esse processo de expropriação, basicamente na cidade sagrada de Jerusalém, que Israel declarou sua capital única e indivisível, significa o que dizemos: o apagamento de todos os traços humanos, gráficos, escritos e culturais de uma comunidade que viveu lá por muitos séculos. Portanto, essa é a continuação violenta através do terrorismo de estado de um processo que visa a expulsão dos palestinos da parte oriental de Jerusalém, que está destinada a ser a futura capital do estado palestino”, disse ele.

De acordo com Masry, o governo israelense envia civis – colonos – para iscar e insultar os palestinos antes de enviar o exército para expulsá-los de suas casas.

“É fascista usar a população civil como ferramenta de uma política de estado para expulsar habitantes. Essa é a parte trágica da história: o estado consegue fazer com que a população civil participe de um projeto fascista.”

Além dos despejos no bairro Sheikh Jarrah de Jerusalém Oriental durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã, as autoridades israelenses perseguiram e atacaram fiéis em meio às orações dentro da Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do Islã, algo que aumentou a violência.

LEIA: Embaixador palestino em Londres denuncia viés da BBC

Sobre uma possível Intifada, Masry disse que “as mortes de palestinos em bombardeios israelenses em Gaza são normais. Sempre acontece. Parece um conflito sem solução. Como as pessoas na Faixa de Gaza, que é a maior prisão a céu aberto do mundo, competem contra a quarta ou quinta potência militar mais forte do planeta? Além disso, com um Estado que fez da opressão militar a razão para invocar o que eles chamam de ‘direito de se defender’ e esmagar qualquer protesto ou dissidência, não só contra os palestinos, mas também contra Cidadãos e organizações israelenses que denunciam o que está acontecendo com o povo palestino”.

Do outro lado do mundo, todos, exceto dois países latino-americanos – México e Panamá – reconhecem a Palestina. Portanto, como representante palestino na região, Masry disse que o trabalho da COPLAC é aumentar a conscientização e reunir o maior apoio possível para que a Palestina alcance sua independência.

“Por exemplo, pedi ao Mercosul que emitisse uma declaração e suspendesse as prerrogativas que concedeu a Israel ao assinar um acordo de livre comércio, para colocá-lo em espera como uma medida de pressão para parar a repressão e os bombardeios nos territórios palestinos.”

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasCaribeColômbiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments