Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Abbas desistiu da realização das eleições palestinas, como de costume

O presidente palestino, Mahmud Abbas, fala em Ramallah, na Cisjordânia, em 3 de setembro de 2020 [Alaa Badarneh/POOL/AFP via Getty Images]
O presidente palestino, Mahmud Abbas, fala em Ramallah, na Cisjordânia, em 3 de setembro de 2020 [Alaa Badarneh/POOL/AFP via Getty Images]

Fui um dos primeiros a prever que as eleições palestinas não acontecerão, a partir do momento em que Mahmoud Abbas, o presidente da coordenação de segurança com a ocupação, decretou suas datas. Essa era minha convicção na época, e continua sendo agora, porque estou ciente de seu caráter enganoso. Ele fez uma série de recuos depois de chamar a atenção para si mesmo com promessas que nunca pretendeu cumprir – encerrar a cooperação de segurança com Israel, por exemplo – simplesmente para provar sua presença a qualquer um que esteja pensando em ocupar seu lugar. Seu “adiamento” da eleição legislativa marcada para o final deste mês é um eufemismo para cancelar todas as três eleições: legislativa, presidencial e conselho nacional.

A desculpa que deu é que não pode realizar a(s) eleição(ões) sem a participação dos palestinos na Jerusalém ocupada, e Israel não permitirá que isso aconteça. A cidade ocupada tornou-se a capital autodeclarada do estado de ocupação e não está sujeita à autoridade de Mahmoud Abbas.

Mencionei em um artigo anterior a impossibilidade de as autoridades de ocupação concordarem com tal participação. Abbas estava alheio a esse fato óbvio antes de arregaçar as mangas e promulgar o decreto eleitoral, ou foi esta uma de suas charadas habituais de que estamos tão cansados?

LEIA: A perigosa decisão de ‘adiar’ as eleições e o acerto de contas na Palestina ocupada

Realizar a eleição sem Jerusalém conferiria alguma legitimidade à anexação ilegal da cidade por Israel. Seria como se estivéssemos dando ao Estado ocupante uma escritura simbólica de propriedade, ao conceder soberania e, assim, nos envolver no “negócio do século”.

Não há dúvida de que Jerusalém é o elemento mais importante em todo o conflito com o estado de ocupação e que seus habitantes estão na linha de frente e devem ser apoiados e amparados. Testemunhamos sua firmeza e confrontos com o inimigo israelense muitas vezes, o mais recente dos quais foi o levante na primeira sexta-feira do Ramadã, que forçou as forças de ocupação a abrir o Portão de Damasco para a Cidade Velha. Obviamente, não há como excluir Jerusalém das eleições legislativas ou de quaisquer outras eleições, já que faz parte dos territórios palestinos ocupados e seus habitantes são parte integrante do povo palestino. A sua participação no processo democrático é uma questão soberana que não pode ser concedida de forma alguma. No entanto, estou certo de que Mahmoud Abbas não adiou a eleição por causa de Jerusalém; esta foi uma desculpa para justificar sua decisão.

Israel recusa-se a realizar eleições palestinas em Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Israel prende membros do Hamas às vésperas da eleição [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Fendas, divisões e divisões dentro do Movimento Fatah subiram à superfície. Há várias listas de candidatos eleitorais, incluindo partidários de Mohammed Dahlan, o funcionário do Fatah demitido por Abbas. Ele é apoiado pelos Emirados Árabes e representa um desafio para Abbas e seu movimento; ele teve uma boa chance de ganhar várias cadeiras no conselho legislativo e poderia até mesmo dominar a própria Fatah, que é o que Dahlan tem buscado desde que foi expulso do movimento. Parece óbvio, portanto, que Abbas cancelou a eleição neste mês simplesmente porque não está disposto a entregar a liderança da Autoridade Palestina e da Organização para a Libertação da Palestina, que ele lidera assim como o Fatah.

Anunciou o “adiamento” quando ficou claro para ele que sua posição era fraca e sua base de apoio fragmentada, mas usou a causa central da nação – Jerusalém – como pretexto para sua decisão. Ao fazer isso, ele basicamente insultou a inteligência do povo palestino. Antes da desculpa de Jerusalém, lembre-se, era “não podemos realizar eleições sob ocupação”, como se ele não soubesse que seu país está ocupado antes de decretar que as eleições seriam realizadas.

Embora ele tenha tentado alegar que sua decisão foi tomada em desafio às autoridades de ocupação, ela foi tomada unilateralmente. Esse é o preço para o Hamas concordar com as eleições sem um acordo prévio sobre o projeto de libertação nacional, a reforma da OLP e os mecanismos de tomada de decisões estratégicas.

Eu disse em um artigo anterior sobre o Hamas que “a insistência dos líderes do movimento em jogar junto com o jogo eleitoral em que Mahmoud Abbas, o chefe da ‘autoridade de coordenação de segurança’ e o inimigo israelense se envolveram é, em efeito, lançar o movimento para o desconhecido. Eles não pensaram nesse futuro desconhecido em que estão apostando a última carta em sua posse? Não acho que qualquer pessoa sã no Hamas acredite que é provável que ganhe as eleições, como foi o que aconteceu em 2006, que lhes trouxe o bloqueio, levou à divisão do povo palestino e foi uma das principais razões para as repetidas ofensivas militares israelenses contra a Faixa de Gaza”.

O Hamas não aprendeu nada com tudo isso? Qual a justificativa para participar do processo eleitoral?

LEIA: Abbas cancelou eleições para servir aos interesses de Israel, diz analista israelense

É estranho que o Hamas agora se oponha ao adiamento e insista em realizar as eleições dentro do prazo. Estou começando a ter pena das posições confusas e, francamente, surpreendentes do Hamas.

Abbas não pediu alternativas que alcançariam o suposto objetivo das eleições, incluindo a unidade nacional e a superação da divisão, nem definiu uma agenda nacional para impor eleições em Jerusalém à ocupação, como uma data alternativa ou dizer qualquer coisa positiva.

Estou certo de que não é do interesse de Israel realizar eleições palestinas que seriam uma nova arma na luta política. Tampouco serviria aos seus interesses nas eleições trazer maior influência para o Hamas ou para os novos líderes palestinos que desejam provar sua capacidade de confrontar o Estado de ocupação melhor do que seu predecessor.

Israel se recusa a realizar pesquisas em Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O cenário atual é o que Azzam Al-Ahmad insinuou: as eleições não ocorrerão antes da morte de Mahmoud Abbas. Eu diria que mesmo depois de sua morte, elas ainda não acontecerão; outros arranjos serão feitos. Os movimentos de libertação não realizam eleições sob ocupação; a AP, entretanto, coopera com a ocupação em um nível de segurança em troca de privilégios e ganhos pessoais.

As eleições palestinas foram um dilema e uma razão para o aumento da divisão entre o povo palestino; eles nunca foram um meio para acabar com a divisão. Na verdade, o decreto eleitoral foi apenas um truque de Mahmoud Abbas, criando uma prisão nas condições de Oslo. É profundamente lamentável que o Hamas tenha concordado em entrar nessa prisão de boa vontade, apesar de ser um movimento de resistência.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEleições PalestinasIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments