Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quem é o mentiroso, Israel ou Abbas?

Apoiadores do movimento Hamas participam de uma manifestação contra a decisão do presidente da Autoridade Palestiniana de adiar as eleições legislativas e presidenciais marcadas para 22 de maio e 31 de julho, respectivamente, na Cidade de Gaza, em 30 de abril de 2021 [Mahmud Hams/AFP via Getty Images]
Apoiadores do movimento Hamas participam de uma manifestação contra a decisão do presidente da Autoridade Palestiniana de adiar as eleições legislativas e presidenciais marcadas para 22 de maio e 31 de julho, respectivamente, na Cidade de Gaza, em 30 de abril de 2021 [Mahmud Hams/AFP via Getty Images]

Após 15 anos de divisão interna, impasse político, desconsideração internacional aos palestinos e contínuas violações de Israel, os palestinos experimentaram um momento de esperança enquanto sonhavam com suas misérias chegando ao fim quando o presidente Mahmoud Abbas declarou seu tão aguardado decreto estabelecendo datas para as eleições gerais palestinas.

No entanto, durante os últimos dez dias de abril, os palestinos viveram momentos de incerteza quando os vazamentos sobre o cancelamento das eleições palestinas se tornaram conhecidos. A maioria dos palestinos não acreditou, ou pelo menos se convenceu a não acreditar, nesses vazamentos depois de ver Abbas e seus assessores reiterarem seu compromisso de realizar as eleições em todos os territórios palestinos, incluindo Jerusalém.

Em 30 de abril, os palestinos foram surpreendidos com a decisão de Abbas de adiar as eleições, supostamente devido à rejeição de Israel em mantê-los na Jerusalém ocupada. Quase todos os palestinos, analistas políticos e observadores não acreditaram em Abbas, sugerindo que ele usou Jerusalém como pretexto para cancelar as eleições após prever que ele e seu movimento Fatah perderiam.

Os primeiros a não acreditarem em Abbas foram os moradores de Jerusalém, que saíram às ruas e gritaram contra ele, acusando-o de colaborar com a ocupação israelense, contra eles e sua causa. Enquanto marchavam em frente aos portões da mesquita de Al-Aqsa, eles gritavam pela resistência palestina.

LEIA: Autoridade Palestina aumenta alerta de segurança

Jornalistas israelenses, que relataram altos funcionários israelenses próximos a tomadores de decisão em Israel, afirmaram que o governo israelense não anunciou sua rejeição à realização das eleições palestinas. O assessor sênior de Abbas, Hussein Al-Sheikh, escreveu no Twitter: “O governo israelense nos informou oficialmente que a posição israelense em relação à realização de eleições em Jerusalém Oriental ainda é negativa”, alegando que todos os relatórios afirmando o contrário eram “nulos e incorretos”.

O jornalista israelense Barak Ravid respondeu ao tweet de Al-Sheikh, citando um alto funcionário israelense: “Israel não está intervindo nas eleições palestinas e não deu aos palestinos qualquer resposta em relação à votação em Jerusalém Oriental”.

Artista palestino pinta um grafite relacionado às eleições em uma parede antes das eleições para o Conselho Legislativo Palestino na Cidade de Gaza, Gaza, em 24 de março de 2021 [Mustafa Hassona/Agência Anadolu]

Artista palestino pinta um grafite relacionado às eleições em uma parede antes das eleições para o Conselho Legislativo Palestino na Cidade de Gaza, Gaza, em 24 de março de 2021 [Mustafa Hassona/Agência Anadolu]

Outro fato que prova as mentiras de Abbas foi seu apelo à formação de um governo de unidade nacional durante seu discurso anunciando o adiamento, com a condição de reconhecer as resoluções internacionais, incluindo aquelas que reconhecem Israel, dividem a Palestina, desistem de muitos dos direitos palestinos, bem como reconhecendo Israel. Ele sabe muito bem que o Hamas nunca aceitará isso, o que significa que ele não planejava sentar-se com o Hamas e outras facções que não reconhecem Israel ou seu direito às terras palestinas.

Um jornalista israelense próximo a Benjamin Netanyahu comunicou-me que Israel e EUA juntos persuadiram Abbas a cancelar as eleições porque acreditam que, se o Hamas não tivesse vencido as eleições, traria pelo menos votos suficientes para torná-lo um parceiro essencial em qualquer governo e seu esperado grande bloco no parlamento. Naser Naser, um especialista palestino em assuntos israelenses, indicou que Israel e EUA prometeram a Abbas promovê-lo e a seu movimento em troca de adiar as eleições.

Se Abbas não estivesse mentindo e apenas agindo em favor da Cidade Santa, ele deveria ter marcado uma nova data para as eleições, independentemente do acordo israelense de realizá-las aqui ou ali. Se isso era difícil, por que ele não considerou a dissolução das autoridades palestinas?

Se Abbas nega sua mentira sobre o adiamento das eleições gerais, há muitas posições para Abbas em relação aos palestinos e sua causa, provando que ele está mantendo a presidência da AP apenas para servir a Israel e infligir sofrimento e tortura aos palestinos.

Abbas tem boicotado a Faixa de Gaza sitiada, onde vivem mais de dois milhões de palestinos, cortando salários de funcionários públicos, cortando petróleo para a única usina de eletricidade em Gaza, impedindo a entrada de muitos equipamentos médicos no enclave costeiro e interrompendo a cobertura financeira para as transferências médicas. Ao mesmo tempo, ele afirma que está fazendo tudo pelo bem de Gaza. Essa é apenas uma de suas mentiras.

Se Abbas queria provar sua credibilidade em relação à questão de Jerusalém e ao cancelamento das eleições, ele deveria se unir às facções palestinas para enfrentar a ocupação israelense.

LEIA: ‘Neutralidade’ da ONU significa proteger Israel, ignorando o sofrimento palestino

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEleições PalestinasIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments