Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A insignificância dos soldados israelenses foi revelada

Forças israelenses intervêm contra palestinos enquanto se reúnem ao redor do Portão de Damasco após a oração de Tarawih, no Complexo Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental, em 15 de abril de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]
Forças israelenses intervêm contra palestinos enquanto se reúnem ao redor do Portão de Damasco após a oração de Tarawih, no Complexo Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental, em 15 de abril de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

A vitória dos Jerusalemitas nos confrontos do Portão de Damasco revelou a insignificância dos soldados da ocupação israelense e seu comportamento imprudente. Isso ficou óbvio nas fotos e nos vídeos que mostram os confrontos entre os soldados fortemente armados e os jovens de Jerusalém, que se ergueram e os confrontaram com o peito nu e a cabeça erguida em uma cena de bravura incomparável.

Cada vez que olho em seus olhos e observo os movimentos das forças de segurança, parece que seu único desejo é passar o dia sem ser forçado a se envolver com uma Jerusalém em uma situação de confronto. Esses jovens palestinos rejeitam as repetidas tentativas de Israel de mudar a realidade demográfica na Cidade Velha de Jerusalém e impor uma presença judaica às custas do povo indígena. As autoridades de ocupação também querem garantir que colonos ilegais possam entrar no Nobre Santuário da Mesquita de Al-Aqsa, com proteção das forças de segurança, tanto soldados quanto policiais. Essa é uma violação flagrante dos acordos internacionais baseados na preservação do status quo da cidade como era antes de sua ocupação em 1967.

O que é impressionante é que os palestinos foram liderados durante os confrontos do Portão de Damasco por jovens com idades entre 15 e 20 anos. Essa geração nasceu após a Intifada Aqsa de 2000, e os israelenses apostaram que eles estavam prontos para se conformar ao sistema imposto pela ocupação, delinquente e equivocado. No entanto, esses jovens provaram que os israelenses estavam errados a cada passo, seja na batalha dos “portões eletrônicos” em 2017 seja na última campanha para proteger o acesso ao Portão de Damasco. Eles não se esqueceram de quem são e do que devem fazer.

LEIA: Jerusalemitas conseguem remoção das barreiras de Israel ao Portão de Damasco

A sensação de que os soldados são insignificantes se estende a seus oficiais e aos oficiais que os dirigem. Um vídeo que está circulando nas redes sociais mostra um oficial negociando com um jovem sobre a possibilidade de entregar a praça do Portão de Damasco aos palestinos e manter a área das escadas. A resposta do jovem foi cheia de força e humor: “As escadas vêm antes da praça. O Ramadã para nós não estaria completo sem nos sentarmos nessas escadas”.

Apesar de sua superioridade militar e treinamento avançado, os soldados israelenses são imprudentes. Eles aparecem como uma gangue uniformizada cujos membros são facilmente desestabilizados por insultos e mostram-se irritados com as comemorações dos jovens no Portão de Damasco. Tudo o que podem fazer em resposta é tentar se vingar brutalmente das mulheres e fazer prisões aleatórias para satisfazer sua vaidade e arrogância.

Eles tiveram, no entanto, muito cuidado para não matar nenhum palestino, porque sabiam muito bem o preço significativo que seria pago se algum jovem fosse martirizado durante esses confrontos.

Colonos extremistas de Israel continuam a incitar os palestinos em Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Colonos extremistas de Israel continuam a incitar os palestinos em Jerusalém [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Mais uma vez, apesar de mais de setenta anos de ocupação israelense, a determinação da população de Jerusalém não diminuiu. A vontade de aço do povo garantiu que as forças israelenses não conseguissem erguer barreiras em uma das praças da Cidade Velha.

LEIA: Manifestantes palestinos forçam a polícia de Israel a se retirar do Portão de Damasco em Jerusalém

Esses jovens palestinos podem ter uma vida normal ou até menos do que normal, mas em suas veias corre um fervor incomparável que os impede de ficar de lado impotentes e assistir enquanto os soldados da ocupação profanam a cidade sagrada e suas santidades, especialmente a Mesquita de Al-Aqsa. Eles demonstraram ao mundo a insignificância dos soldados da ocupação israelense e a fragilidade de sua presença.

É claro que não importa quanto tempo passe, o roubo continua sendo roubo e não pode se tornar legal. O povo palestino é o legítimo proprietário de suas terras, independentemente da presença dos ladrões. É inevitável que eles recuperem seu direito legítimo enquanto a consciência, determinação e firmeza palestinas forem transmitidas de geração em geração.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments