Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA exortam as forças da Eritreia a deixar a Etiópia imediatamente

Unidades do exército etíope patrulham as ruas da região de Tigray, norte da Etiópia em 7 de março de 2021 [Minasse Wondimu Hailu/ Anadolu Agência]

Os EUA instaram as forças da Eritreia a deixar imediatamente a região de Tigray, na Etiópia, e o governo etíope a responsabilizar os responsáveis ​​por violações dos direitos humanos, relata a Agência Anadolu.

Linda Thomas-Greenfield, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, expressou grande preocupação com a deterioração da situação humanitária e dos direitos humanos na região de Tigray, na Etiópia.

Ela disse que há relatos confiáveis ​​de que as forças da Eritreia estão se reorganizando como militares etíopes para permanecer em Tigray indefinidamente, de acordo com um comunicado na quinta-feira.

“O governo da Eritreia deve retirar suas forças da Etiópia imediatamente”, disse Thomas-Greenfield.

No mês passado, o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, disse que a Eritreia concordou em retirar suas forças dos territórios etíopes ao longo da fronteira.

Abiy fez o anúncio depois de retornar de uma visita oficial de dois dias à capital da Eritreia, Asmara.

A Comissão Etíope de Direitos Humanos informou no mês passado que mais de 100 civis foram mortos em Axum, uma cidade histórica da região de Tigray, na Etiópia, pelo exército da Eritreia.

“Estamos horrorizados com os relatos de estupros e outras violências sexuais indescritivelmente cruéis que continuam a surgir”, disse Thomas-Greenfield, acrescentando que a degradação e o trauma associados aos ataques terão efeitos de longo prazo nas comunidades afetadas.

Ela também condenou toda violência sexual e exigiu que os perpetradores fossem levados à justiça.

LEIA: Refugiados voltam à Etiópia após a vida no Iêmen tornar-se insustentável

“Apelamos novamente para o fim das hostilidades e para que o governo etíope forneça uma solução política para a crise; permita o acesso humanitário desimpedido; permita investigações internacionais independentes sobre abusos e violações dos direitos humanos; proteja os civis; decida a retirada imediata de As forças regionais da Eritreia e de Amhara de Tigray; responsabilizam os responsáveis ​​pelas violações dos direitos humanos “, acrescentou.

Em 4 de novembro do ano passado, a Etiópia lançou uma ampla operação de aplicação da lei contra as forças da até então toda poderosa Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), agora proibida, depois que esta invadiu o comando do exército federal etíope estacionado em Tigray, matando soldados e saqueando hardware militar considerável.

Em 28 de novembro, Abiy declarou o fim do engajamento militar após a queda da capital regional, Mekele, para o exército federal. Mas os combates esporádicos continuaram na região, com centenas de milhares de pessoas deslocadas internamente e mais de 60 mil fugindo para o vizinho Sudão.

Os EUA comprometeram US$ 152 milhões adicionais para ajudar a atender às necessidades humanitárias em Tigray.

Estima-se que 5,2 milhões de pessoas em Tigray sofrem de insegurança alimentar, precisam de assistência e correm o risco de passar fome, segundo o comunicado.

Etíopes em fuga para o Sudão – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEritreaEtiópiaEUANotícia
Show Comments
Show Comments