Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Árabes falam sobre sexo e tabus no app Clubhouse, mas por quanto tempo?

Clubhouse entre os aplicativos na tela de um smartphone. Em 25 de janeiro de 2021 [Odd Andersen/ AFP via Getty Images]
Clubhouse entre os aplicativos na tela de um smartphone. Em 25 de janeiro de 2021 [Odd Andersen/ AFP via Getty Images]

O aplicativo de chat de áudio Clubhouse está em ascensão no mundo árabe, fornecendo uma rara plataforma para o debate aberto sobre assuntos tabu, desde os chamados crimes de honra no Egito até a identidade sexual no Iraque, mas com algumas autoridades restringindo o uso e outras cautelosas.

O aplicativo lançado por uma empresa sediada em San Francisco no ano passado permite que as pessoas discutam vários tópicos em salas de chat, com sua popularidade crescendo após as aparições dos bilionários Elon Musk e Mark Zuckerberg e seu uso agora aumentando no Oriente Médio.

“Eu sabia que tinha certas inclinações, mas aqui posso expressar isso mais porque as pessoas respeitam as diferenças”, disse uma mulher iraquiana, que se identificou como pansexual, durante um debate recente em uma das “salas” do aplicativo onde qualquer pessoa pode falar sobre os escolhidos tópico.

“Esperançosamente pode haver o mesmo em nossos países”, disse ela, explicando que só se sentiu capaz de explorar sua sexualidade não tradicional quando deixou o Oriente Médio.

Mas enquanto os fãs árabes adotam o Clubhouse como um meio de abordar assuntos raramente discutidos em público, alguns temem uma ampla repressão por governos autoritários na região depois que Jordânia e Omã bloquearam o acesso ao aplicativo baseado em San Francisco no mês passado.

O Clubhouse não respondeu a um pedido de comentário, mas o aplicativo de rápido crescimento já atraiu a ira de governos na Ásia.

Em fevereiro, a China bloqueou o acesso ao Clubhouse depois que milhares de usuários do continente participaram de discussões frequentemente censuradas sobre questões delicadas, como os campos de detenção de Xinjiang, a independência de Taiwan e a Lei de Segurança Nacional de Hong Kong.

LEIA: Omã bloqueia app Clubhouse por não ter permissão; alguns temem censura

Também em fevereiro, a Tailândia alertou os usuários do Clubhouse para não infringir a lei depois que o aplicativo surgiu como uma plataforma para discussão da monarquia, e a Indonésia alertou que o Clubhouse poderia ser banido se não cumprisse os regulamentos locais.

Marc Owen Jones, professor assistente de humanidades e sociedades digitais da Universidade Hamad Bin Khalifa, do Catar, disse que o aplicativo poderá ter em breve sua “lua de mel” nos estados árabes, à medida que o número de usuários continua aumentando.

“A novidade cria momentos em que as pessoas se sentem livres para dizer coisas que normalmente não fariam por medo de retaliação do estado”, disse Jones à Thomson Reuters Foundation.

“As pessoas baixam a guarda e talvez esqueçam que o contexto político em que vivem não mudou”, disse ele, acrescentando que alguns casos de intervenção estatal podem ter um efeito “assustador” no discurso.

Omã bloqueou o aplicativo no mês passado, dizendo que não tinha a licença de operação correta. A mídia local na Jordânia informou que o país tomou medidas semelhantes para restringir o acesso.

O Ministério da Informação e Comunicações da Jordânia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

“RIP, Clubhouse”, um usuário omanense do Twitter escreveu semanas depois de elogiar o novo aplicativo popular como um meio de promover o diálogo através das fronteiras entrincheiradas de classe social ou gênero.

Lançado no início de 2020, o aplicativo cresceu rapidamente em países árabes socialmente conservadores e foi o aplicativo mais baixado na Arábia Saudita em fevereiro.

O Clubhouse não publicou uma divisão regional de seus usuários, mas o site de dados de negócios Statista disse que os downloads do aplicativo na Europa, Oriente Médio e África ultrapassaram a região das Américas em fevereiro.

Os fãs da plataforma dizem que ela coloca os usuários em pé de igualdade, nivelando hierarquias em outras mídias sociais, como Twitter e Facebook, onde aqueles com muitos seguidores podem influenciar a narrativa.

No Egito, que grupos de direitos humanos afirmam ter testemunhado restrições à liberdade de expressão sob o presidente Abdel Fattah Al-Sisi, o aplicativo tem debatido recentemente sobre um projeto contencioso que os críticos temem que sufoque os direitos das mulheres.

LEIA: A mídia do Egito acusa o aplicativo Clubhouse de abrigar ‘terroristas’

“Estamos em 2021 e ainda uma mulher no Egito não poderá viajar sem o consentimento do marido ou do pai. Que pena!” disse uma mulher em uma sala criada para discutir o projeto de lei de estatuto pessoal.

No mês passado, Al-Sisi pediu aos legisladores que garantissem que a lei fosse mais equilibrada e protegesse os direitos das mulheres.

A popularidade do aplicativo pode ter perturbado governos abalados pelos protestos da “Primavera Árabe” de 2011, que foram facilitados pelo uso do Facebook e do Twitter, disse Fady Ramzy, instrutora de mídia social da Universidade Americana do Cairo.

Os usuários nos Emirados Árabes Unidos relataram problemas de conectividade nas últimas semanas, com muitos dizendo que só podiam acessá-lo usando redes privadas virtuais, ou VPNs.

Mohamad Najem, diretor da ONG de direitos digitais SMEX com sede em Beirute, disse que sua organização suspeita que o aplicativo tenha sido bloqueado nos Emirados Árabes Unidos ou que a conectividade tenha sido impedida.

A Autoridade Reguladora de Telecomunicações dos Emirados Árabes Unidos não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Mas enquanto alguns dos usuários do aplicativo se perguntam quanto tempo o fórum vai durar em seus países, os debates do Clubhouse em árabe estão florescendo por enquanto – com poucos assuntos fora dos limites.

Em uma sala recente criada no Egito após a morte de uma mulher porque um homem teria sido visto em sua casa, mulheres egípcias denunciaram os assassinatos de “honra”, que geralmente são cometidos por parentes das vítimas.

“O que isso tem a ver com honra?” disse uma mulher. “É realmente moral jogar uma mulher da varanda de sua casa e matá-la porque um homem estava em sua casa?”

Artigo publicado originalmente pela Thomson Reuters Foundation

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEgitoEmirados Árabes UnidosEstados UnidosIraqueJordâniaOmãOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments