Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel recebe ofício de Haia sobre investigação de crimes de guerra

Sede do Tribunal Penal Internacional (TPI) em 20 de julho de 2018 em Haia, Holanda [Ant Palmer / Getty Images]
Sede do Tribunal Penal Internacional (TPI) em 20 de julho de 2018 em Haia, Holanda [Ant Palmer / Getty Images]

Israel recebeu um ofício do Tribunal Criminal Internacional (TPI) dando detalhes do escopo de sua investigação de crimes de guerra contra o Estado de ocupação e o Hamas, informou o Canal 13 na quarta-feira. O documento aparentemente chegou no fim de semana passado.

De acordo com o canal de notícias, o Conselho de Segurança Nacional já se reuniu para começar a formular a resposta de Israel. O governo tem 30 dias para fazer isso.

A mensagem de uma página e meia expôs resumidamente as três áreas principais que a investigação pretende cobrir: a ofensiva militar de 2014 contra os palestinos em Gaza; Política de assentamento de Israel; e os protestos da Grande Marcha do Retorno de 2018.

Os protestos pacíficos ao longo da fronteira nominal entre a Faixa de Gaza e Israel foram recebidos com uma resposta mortal do exército israelense. Pelo menos 214 palestinos foram mortos, incluindo 46 crianças, e 36.100 ficaram feridos, dos quais 8.800 eram crianças. Médicos e jornalistas claramente identificáveis ​​estão entre as vítimas.

Assim que a promotora Fatou Bensouda do TPI anunciou que o tribunal tem jurisdição para investigar crimes de guerra nos territórios palestinos, Israel manifestou sua forte oposição. No início deste mês, vários funcionários israelenses disseram ao Canal 13 que estão preocupados que o TPI possa realmente começar a emitir mandados de prisão contra autoridades militares, incluindo o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que também era ministro da Defesa na época, Moshe Ya’alon e o atual ministro da Defesa, Benny Gantz, que é o ex-chefe do Estado-Maior.

LEIA: Presidente de Israel e chefe do exército visitam Europa para pressionar contra Haia

Acredita-se que Israel argumentará que o tribunal não tem jurisdição para conduzir a investigação em uma tentativa de atrasar o caso até que Bensouda deixe o cargo em junho e seja substituída pelo legislador britânico Karim Khan. Os israelenses esperam que ele seja “menos hostil” ou até mesmo cancele totalmente a investigação.

Israel não é membro do Tribunal Penal Internacional. A Autoridade Palestina aderiu a ele em 2015.

Decisão da ICC traz esperança para a Palestina e preocupa para Israel - Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Decisão da ICC traz esperança para a Palestina e preocupa para Israel – Charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Categorias
IsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaTPI
Show Comments
Show Comments