Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Uma década depois da guerra da Síria, Assad não tem nenhum fundamento moral para se agarrar

Uma vista das casas e locais de trabalho danificados após um ataque de artilharia pelo regime de Assad em Idlib, Síria, em 11 de fevereiro de 2021. [Ahmet Hatib/Anadolu Agency]
Uma vista das casas e locais de trabalho danificados após um ataque de artilharia pelo regime de Assad em Idlib, Síria, em 11 de fevereiro de 2021. [Ahmet Hatib/Anadolu Agency]

À medida que o levante sírio se aproxima de mais um aniversário, sangue suficiente foi derramado para encher os rios estéreis do país. Mais de dez anos depois, quase um milhão de pessoas perderam suas vidas, outros milhões foram feridas e até metade da população do pré-guerra de 23 milhões foi desarraigada interna e externamente. O que começou como uma extensão da tão anunciada e celebrada Primavera Árabe – uma série de protestos cataclísmicos em todo o mundo árabe, como nunca antes visto – se transformou em um conflito sangrento que às vezes se assemelhava a uma guerra por procuração para e potências internacionais. Os povos do Egito, Líbia e Iêmen da época exigiam liberdade e o fim do estado policial, além de alertar contra o que pareciam ser ditaduras herdadas. A Síria, é claro, já havia visto essa herança onze anos antes, quando Bashar Al-Assad sucedeu seu pai Hafez.

O levante sírio foi de sacrifício. O local permaneceu pacífico durante os primeiros seis meses, enquanto ativistas e manifestantes se esforçavam para evitar a violência. Os protestos foram o principal veículo de dissidência, começando semanalmente nas mesquitas após as orações de sexta-feira, mas logo se tornando uma realidade diária. Ativistas como Giath Matar (conhecido como “Pequeno Gandhi”), que foram sequestrados nos primeiros meses do levante, pregavam a não violência; Matar recebeu soldados com flores apenas para serem sequestrados e mortos pelo regime de Assad.

A justificativa para o levante não era ideológica; era um desejo humano básico de se libertar das correntes nem sempre metafóricas. O gatilho foi o grafite rabiscado nas paredes da cidade de Daraa com as palavras “Você é o próximo médico” em referência ao movimento de protesto contra Assad. Quando os militares e Mukhabarat começaram a atirar contra os manifestantes, no entanto, ficou claro que o molde fora lançado e a revolta ficaria sangrenta.

Ao olharmos para trás após dez longos anos, não há dúvida de que a vitória de Assad era uma vitória de Pirro; uma “vitória” após o próprio “campo de batalha” ter sido destruído. À medida que nos aproximamos de uma Síria pós-conflito, ela permanece atolada em dívidas, mortes e destruição. Acima de tudo, de acordo com um novo relatório da UNICEF, 90% das crianças na Síria precisam de apoio. Eles são a geração perdida.

LEIA: Maioria das crianças sírias refugiadas não voltaria, revela relatório

Enquanto isso, o próprio Assad dificilmente pode ser chamado de presidente; ele é mais uma espécie de governador de províncias soltas no oeste e no sul, com a soberania essencialmente cedida à Rússia e ao Irã. A Síria pré-conflito não existe mais de verdade. Ele vai se candidatar novamente à presidência sem mandato e sem manifesto. Os princípios do Partido Baath que ele afirma defender foram catastróficos. Nenhuma “Unidade” existe em uma Síria tão dividida, e nem “Liberdade” quando soldados e milícias estrangeiras estão ocupando a maior parte do país; e nem o “Socialismo”. Não há socialismo quando a família governante corrupta de Assad essencialmente roubou a economia nacional e se tornou multibilionária, enquanto centenas de milhares de sírios permanecem nas prisões de seu regime, onde são torturados nas condições mais horríveis. A Síria é atualmente um estado falido e a hiperinflação é galopante. O salário médio mensal de um trabalhador é de £ 15.

O regime de Assad não é o único perdedor nessa catástrofe de sua própria criação; a própria moralidade é. Vários estados alegaram apoiar a luta do povo sírio; infelizmente, seu apoio contava pouco. Linhas vermelhas foram estabelecidas pelos EUA e depois ignoradas quando o regime realizou um massacre com armas químicas em Ghouta em 2013. A comunidade internacional observou enquanto o Conselho de Segurança da ONU estava paralisado sob o peso dos vetos da Rússia e da China. Irã e Israel deixaram clara sua preferência e apoio ao regime de Assad. Os Estados Unidos e a Europa estavam, em última análise, elogiando da boca para fora seu “apoio” aos grupos de oposição.

Assad está arruinando a economia da Síria? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Assad está arruinando a economia da Síria? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O que aconteceu na Síria demonstra que a própria ONU claramente não é adequada para o seu propósito. É necessária uma revisão de seus princípios fundamentais sobre a preservação da paz e da unidade no mundo. O povo sírio perdeu a confiança na organização.

Há muitas evidências que indicam que sempre foi intenção de Assad radicalizar o levante; o regime não teve vergonha de rotular todos os manifestantes como “terroristas” desde o início e, depois que os extremistas foram libertados da prisão, a narrativa começou a tomar conta. O raciocínio era que, se o regime continuasse dizendo que todos os manifestantes eram terroristas, então, com o tempo, à medida que os grupos extremistas se reagrupavam e os manifestantes eram mortos e presos, a narrativa pegaria e seria uma profecia que se autorrealizaria. Quando a Rússia interveio em nome do regime, atacou grupos de oposição; e civis; e hospitais. Havia poucos indícios de que a intervenção da Rússia para combater o Daesh fora bem-sucedida, com os EUA e as forças da coalizão fazendo a maior parte do trabalho.

LEIA: Mais de 282.000 deslocados voltam para casa na Síria após o cessar-fogo de Idlib

Ironicamente, Assad está planejando mais sete anos como presidente e uma “eleição” neste verão, ignorando o fato de que um acordo político sob a Resolução 2254 da ONU não é possível sem uma mudança política real e responsabilidade legal genuína. Como regra, na maioria dos países (incluindo a Síria), um requisito básico para se candidatar a um emprego é não ter antecedentes criminais. Como um criminoso de guerra pode se apresentar como presidente, com mais de 11,5% da população síria morta ou ferida? É simplesmente inaceitável. Bombas de barril caíram em áreas civis. Ataques químicos mataram milhares. Cidades foram destruídas. O povo sírio sabe o que é o manifesto de Assad depois de dez longos e sangrentos anos.

Assad pode pensar que ganhou, mas a que custo? O slogan “Assad ou queimamos o país” foi rabiscado em propriedades saqueadas pelas milícias patrocinadas pelo estado Shabiha. Provou ser preciso. A maior parte do país está em ruínas e, como um certo governante romano 2.000 anos antes, Assad brincava enquanto a Síria e seu povo queimavam. Uma década depois da guerra da Síria, Assad não tem nenhum fundamento moral para reivindicar ou se apegar.

As revoluções levam tempo. A tão citada Revolução Francesa demorou anos e foi para trás e para a frente. As forças da contrarrevolução no mundo árabe são fortes; AncienRégimes não desaparecem sem luta. No entanto, a barreira do medo foi quebrada na Síria. Sacrifícios foram feitos. A revolução começou como uma ideia, e as ideias não morrem simplesmente. Desenvolvimentos recentes na responsabilização legal de oficiais de Assad (embora oficiais muito jovens) permitem que os sírios olhem para o futuro com um raio de otimismo. A esperança é eterna e a luta pela paz e pela justiça continua.

LEIA: Unicef fala em doze mil crianças mortas ou feridas nos dez anos de guerra na Síria

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoOpiniãoOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments