Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O cessar-fogo na Líbia com os dedos nos gatilhos

Voluntário líbio participa de uma operação para renovar a escola dos Mártires da Líbia em 19 de novembro de 2020 [Mahmud Turkia/ AFP / Getty Images]
Voluntário líbio participa de uma operação para renovar a escola dos Mártires da Líbia em 19 de novembro de 2020 [Mahmud Turkia/ AFP / Getty Images]

Em 23 de outubro, a Comissão Militar Conjunta 5 + 5 da Líbia (CMC) concordou com um cessar-fogo em todo o país, que se mantém desde então, com exceção de pequenos confrontos e episódios de violência em diferentes partes da Líbia. A comissão é formada por um número igual de oficiais militares que representam os principais lados em guerra – o Governo de Acordo Nacional de Trípoli e seu rival, o Exército Nacional da Líbia, no leste. A CMC foi endossada pela Resolução 2510 do Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU), que no parágrafo 4 pede um cessar-fogo permanente.

O acordo assinado em Genebra sob os auspícios do enviado da ONU não detalhou totalmente os termos de referência, nem indicou especificamente como as condições de cessar-fogo devem ser implementadas. Acima de tudo, o documento carece de quaisquer mecanismos de verificação de cessar-fogo ou detalhes sobre quem irá verificar se os termos estão sendo respeitados.

A ideia era que a confiança e a boa vontade entre os membros da CMC se desenvolveriam assim que todos os membros voltassem para casa, onde as discussões ajudariam a construir um consenso, levando automaticamente a um acordo sobre questões difíceis que não foram claramente incluídas no documento original. Desde outubro, a CMC trabalha a partir de Sirte, no centro do país, fazendo alguns progressos na área da troca de prisioneiros, por exemplo, no silêncio das armas.

LEIA: ONU e Líbia: o hábito de colocar a carroça antes dos bois

Mas contar com a boa vontade de ambas as partes até agora não conseguiu chegar a um entendimento comum sobre como implementar outras condições na mesa. O cessar-fogo, por si só, foi respeitado até agora. Há quase cinco meses, as linhas de frente estão silenciosas, enquanto quase todos os prisioneiros foram trocados sob a supervisão de um subcomitê.

No entanto, a desmobilização geral das forças da linha de frente não foi implementada e os lutadores de ambos os lados ainda se enfrentam ao longo da linha de batalha Sirte-Jufra. A CMC conseguiu fornecer segurança aos membros do parlamento durante as suas reuniões em Sirte para debater o novo governo de unidade nacional. Esta não é uma responsabilidade da comissão, mas tornou-se quando o parlamento decidiu reunir-se em Sirte. Por mais positivo que isso seja, ainda está aquém do que o acordo de cessar-fogo exige.

Por exemplo, o parágrafo 6 do Artigo II do documento de cessar-fogo exige a abertura imediata da rodovia que liga as partes leste, oeste, norte e sul do vasto país. No entanto, a principal estrada costeira que conecta Tripoli-Misrata-Benghazi ainda está fechada, forçando os viajantes a dirigir por mais duas horas apenas para contornar os bloqueios de estradas. O próprio novo primeiro-ministro, Abdul Hamid Dbeibeh, foi forçado a  viajar para Sirte de sua cidade natal, Misrata, por via aérea para participar da sessão parlamentar de 8 de março, que votou esmagadoramente pela aprovação de seu gabinete.

A Líbia e o caos sem fim [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A Líbia e o caos sem fim [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em 6 de março, Dbeibeh visitou a pequena cidade de Abu Grain, a leste de Misrata, onde a estrada está bloqueada, na esperança de abri-la e se tornar o primeiro viajante a passar para Sirte; mas ele ficou desapontado. As forças ali se recusaram a remover barreiras e valas. Há rumores de que as milícias leais ao governo em Trípoli pediram US$ 250 milhões em troca do pedido.

O primeiro-ministro não confirmou nem negou isso em seu discurso perante o parlamento. Em vez disso, afirmou: “Esperamos que o caminho seja aberto muito em breve.” Quando questionado em quanto tempo, ele respondeu: “Nos próximos dias.”

Mais importante ainda, o acordo de cessar-fogo convida todas as tropas estrangeiras e mercenários a deixar a Líbia até 23 de janeiro. Quase dois meses depois, nenhum lutador ou mercenário estrangeiro saiu.

O CMC também não conseguiu, até ao momento, chegar a acordo sobre um processo de verificação de cessar-fogo, o que levou o chefe da ONU, António Guterres, a apelar ao envio de observadores independentes não armados para a Líbia. Em 6 de março, uma equipe avançada de dez membros de observadores da ONU chegou ao país para avaliar como funcionará sua missão de verificação. Eles podem em breve obter ajuda da missão naval europeia se os detalhes puderem ser acertados. Numa entrevista ao MEMO publicada a 11 de fevereiro, o contra-almirante Fabio Agostini, comandante das operações navais europeias que reforça o embargo de armas à Líbia, insinuou a ideia de fornecer observadores.

LEIA: Uma conversa com o almirante italiano que espera levar paz à Líbia

Aparentemente, a evacuação de combatentes estrangeiros da Líbia não cabe à CMC decidir. Estima-se que vinte mil combatentes e mercenários estrangeiros estejam no solo em pelo menos dez locais diferentes. Há mercenários sírios e tropas regulares turcas no oeste e alguns milhares do Grupo Wagner da Rússia no leste, incluindo Sirte.

Forçar a retirada é difícil, exigindo “negociações” com a Rússia e a Turquia, revelou o novo primeiro-ministro na terça-feira. Parece que nem Ancara nem Moscou terminaram seus assuntos com a Líbia, apesar do atual momento político positivo manifestado no recente acordo para estabelecer um governo de unidade e lançar o processo de unificação.

A CMC, no entanto, obteve algum sucesso quando seu subcomitê se reuniu com Ali Al-Deeb, comandante da Guarda de Instalações Petrolíferas – uma força militar que protege as instalações vitais de petróleo e gás da Líbia. Na reunião de 17 de novembro no terminal petrolífero de Brega, os dois lados tentaram diminuir as tensões em torno da região produtora de petróleo. Eles discutiram a reestruturação e a unificação, e como colocá-la sob uma estrutura de comando em vez de duas, como está agora. Mas uma reunião de acompanhamento ainda não foi convocada, o que gera desconfiança sobre o controle da região petrolífera atualmente controlada pelas forças do general Khalifa Haftar.

O novo primeiro-ministro terá que ser criativo para encontrar maneiras de acelerar a questão da unificação, já que os cofres do governo dependem, quase inteiramente, das receitas do petróleo e do gás.

Na verdade, o cessar-fogo ainda está em vigor, mas a guerra ainda não acabou. As tropas podem não estar atirando umas contra as outras ao longo da linha de frente da Sirte-Jufra, mas o impasse na CMC é preocupante. No mínimo, aponta para o fato de que cada lado, com o apoio de seus apoiadores estrangeiros, ainda tem dúvidas sobre todo o processo político do país.

O fogo pode ter cessado, mas os dedos ainda estão nos gatilhos, prontos para atirar. A desmobilização das forças e a unificação dos comandos do Exército são áreas em que o novo governo será fortemente testado.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoLíbiaOpinião
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments