Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu diz que restrições por covid-19 estão quase no fim e Israel reabre restaurantes

Funcionários da saúde em vacinação na casa de repouso Mishan Efal em Tel Aviv, Israel em 13 de janeiro de 2021 [Agência Nir Keidar / Anadolu]
Funcionários da saúde em vacinação na casa de repouso Mishan Efal em Tel Aviv, Israel em 13 de janeiro de 2021 [Agência Nir Keidar / Anadolu]

Israel quase saiu do confinamento por covid-19, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que está em campanha, no domingo, enquanto os restaurantes reabriam sob um plano de saída da pandemia alimentado por vacinação em ritmo acelerado. A informação é da agência Reuters.

As autoridades de saúde israelenses alertaram, por outro lado, que o aumento dos contágios pode desencadear outro bloqueio – um possível freio na esperança de Netanyahu de explorar suas políticas de pandemia até a vitória em uma votação de 23 de março.

“Os restaurantes estão voltando à vida”, disse Netanyahu depois que ele e o prefeito de Jerusalém, Moshe Lion, tilintaram canecas e comeram doces do lado de fora de um café no parque.

“Ainda temos que nos vigiar, temos que usar máscaras, manter as distâncias que as pessoas exigem, as distâncias sociais – mas estamos saindo disso e não há muito mais”, disse ele à Reuters.

LEIA: Israel dá aos países que reconhecem Jerusalém como capital vacina da covid-19

Como 53% dos israelenses receberam pelo menos uma dose da vacina Pfizer Inc, de acordo com dados do Ministério da Saúde, o governo tem gradualmente reaberto empresas, escolas e o principal aeroporto do país com limite de capacidade.

Alguns locais de lazer têm acesso limitado a clientes que comprovem imunização com o chamado “passe verde” emitido pelo Ministério da Saúde aos vacinados, com o qual as autoridades esperam conquistar os israelenses ainda relutantes em se vacinar.

Nachman Ash, o coordenador nacional de resposta à pandemia, manifestou preocupação com o fato de o público não observar os limites restantes.

“Estamos preocupados com o aumento da morbidade nos últimos dias e a possibilidade de medidas reversas certamente existe”, disse Ash à rádio 103 FM. Questionado se isso pode incluir um bloqueio, ele disse: “Podemos ter que decidir fazer isso antes das eleições, certamente.”

Israel emergiu de seu terceiro bloqueio no mês passado. O governo de Netanyahu prometeu que não haverá um quarto.

As pesquisas mostram que o partido conservador Likud de Netanyahu obteve a maioria dos votos na eleição. Mas seu maior desafiante, Yair Lapid, do centrista Yesh Atid, poderia reunir mais aliados e receber a tarefa de formar o próximo governo de coalizão.

LEIA: Para Bolsonaro é “Israel acima de tudo”

Categorias
CoronavírusIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments