Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘A paz é mais poderosa que a guerra’, diz o Papa Francisco na cidade em ruínas de Mosul, no Iraque

Papa Francisco, que voou para Mosul de helicóptero, ficou visivelmente comovido com a devastação semelhante a um terremoto ao seu redor

Domingo, na destruída cidade iraquiana de Mosul, o papa ouviu relatos de moradores muçulmanos e sobre suas vidas sob o brutal governo do Daesh e abençoando-os com a sua promessa de ressurreição das cinzas e prometendo-lhes que “a fraternidade é maior que o fratricídio”, relatou a Reuters.

Em uma histórica primeira visita de um papa ao Iraque, Francisco visitou a cidade do norte para encorajar a cura de feridas sectárias e para orar pelos mortos de qualquer religião.

O papa de 84 anos viu ruínas de casas e igrejas em uma praça que era o próspero centro da cidade velha antes de Mosul ser ocupada pelo Daesh de 2014 a 2017. Ele se sentou cercado por escombros de edifícios, escadas de concreto penduradas e igrejas antigas com crateras , local muito perigoso para se entrar.

“Juntos dizemos não ao fundamentalismo. Não ao sectarismo e não à corrupção”, disse o arcebispo caldeu de Mosul, Najeeb Michaeel, ao papa.

Grande parte da cidade velha foi destruída em 2017 durante a batalha sangrenta pelas forças iraquianas e uma coalizão militar internacional para expulsar o Daseh.

Francisco, que voou para Mosul de helicóptero, ficou visivelmente comovido com a devastação semelhante a um terremoto ao seu redor. Ele orou por todos os mortos da cidade.

“Como é cruel que este país, o berço da civilização, tenha sido afligido por um golpe tão bárbaro, com antigos locais de culto destruídos e muitas milhares de pessoas – muçulmanos, cristãos, yazidis e outros – deslocadas à força ou mortas”. ele disse.

“Hoje, porém, reafirmamos nossa convicção de que a fraternidade é maior que o fratricídio, que a esperança é mais poderosa do que o ódio, que a paz é mais poderosa do que a guerra”.

Um esquema intensivo de segurança cercou a viagem de Francisco ao Iraque. Picapes militares montadas com metralhadoras escoltavam sua comitiva e seguranças à paisana se misturavam em Mosul com cabos de armas saindo de suas mochilas pretas.

Em uma aparente referência direta ao Daesh, Francisco disse que a esperança nunca poderia ser “silenciada pelo sangue derramado por aqueles que pervertem o nome de Deus para buscar caminhos de destruição”.

Ele então leu uma oração repetindo um dos principais temas de sua viagem, que é sempre errado odiar, matar ou guerrear em nome de Deus.

Os combatentes do Daesh, grupo militante que tentou estabelecer um califado na região, devastaram o norte do Iraque de 2014-2017, matando cristãos e também muçulmanos que se opunham a eles.

A comunidade cristã do Iraque, uma das mais antigas do mundo, foi particularmente devastada pelos anos de conflito, caindo para cerca de cerca de 1,5 milhão antes da invasão dos EUA em 2003 para apenas 300 mil pessoas, e pela da violência brutal que se seguiu.

LEIA: Papa chega ao Iraque, clama pelo fim das lutas religiosas e da violência

Categorias
IraqueNotíciaOriente MédioVaticanoVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments