Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que os EUA transferiram Israel ao Centcom?

Tendo alinhado seus interesses de segurança com Israel, os Estados árabes agora terão extrema dificuldade em se desvencilhar das muitas operações hostis e beligerantes do Estado sionista.
Da frente para o fundo, o tenente-general Fahd bin Turki bin Abdulaziz al-Saud), comandante das forças de coalizão lideradas pela Arábia Saudita no Iêmen, o comandante do Comando Central dos EUA (Centcom), McKenzie Jr, e o general do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Kenneth F , observam armas supostamente iranianas apreendidas pelas forças sauditas dos rebeldes houthis do Iêmen, durante visita a uma base militar em al-Kharj, no centro da Arábia Saudita, em 18 de julho de 2019. [Fayez Nureldine/ AFP via Getty Images]
Da frente para o fundo, o tenente-general Fahd bin Turki bin Abdulaziz al-Saud), comandante das forças de coalizão lideradas pela Arábia Saudita no Iêmen, o comandante do Comando Central dos EUA (Centcom), McKenzie Jr, e o general do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, Kenneth F , observam armas supostamente iranianas apreendidas pelas forças sauditas dos rebeldes houthis do Iêmen, durante visita a uma base militar em al-Kharj, no centro da Arábia Saudita, em 18 de julho de 2019. [Fayez Nureldine/ AFP via Getty Images]

Uma grande reorganização da operação militar dos EUA no Oriente Médio foi anunciada no mês passado em uma decisão importante que reflete as mudanças geopolíticas sísmicas em andamento na região. A mudança, o último de muitos presentes concedidos por Washington a Tel Aviv sob o ex-presidente Donald Trump, viu a inclusão de Israel dentro do Comando Central (CENTCOM). A decisão significa que, pela primeira vez na história, o estado sionista coordenará as operações militares ao lado de seus vizinhos árabes dentro do que é considerado a unidade de comando dos Estados Unidos mais importante no mundo.

CENTCOM – uma OTAN árabe, se você preferir – é uma das 11 unidades de comando combatentes unificadas dentro do Departamento de Defesa dos Estados Unidos que foram instaladas para combater ameaças. Para os críticos, entretanto, o papel dessas unidades de comando é a preservação da hegemonia dos Estados Unidos em todo o mundo. Abrangendo todas as regiões do globo, eles coordenam operações militares lideradas pelos americanos. Os Estados membros dentro de uma unidade de comando específica realizam uma série de operações, incluindo exercícios militares combinados, oferecem assistência de segurança e compartilham informações.

Israel até agora fazia parte do comando europeu das forças armadas dos EUA, o Eucom. A justificativa para esse gerrymandering estratégico ou rearranjo nas divisões do comando militar regional, foi haver preocupações de que, com os estados árabes não reconhecendo o estado de Israel, eles ficariam relutantes em cooperar plenamente se os oficiais do Comando Central estivessem em contato regular, compartilhando informações confidenciais com contrapartes no estado de ocupação. A recente normalização das relações entre Israel e vários regimes árabes, no entanto, acalmou essas preocupações e abriu um caminho para grandes mudanças geopolíticas.

Anunciando o novo arranjo militar, o Departamento de Defesa dos EUA disse: “em um sinal da mudança do ambiente político no Oriente Médio, os militares dos Estados Unidos moverão Israel da área de responsabilidade do Comando Europeu dos EUA para a do Comando Central dos EUA. ”

LEIA: A Europa se redefinirá apesar da mudança política nos EUA

O departamento mencionou que “o alívio das tensões entre Israel e seus vizinhos árabes após os Acordos de Abraham proporcionou uma oportunidade estratégica para os Estados Unidos alinharem seus principais parceiros contra ameaças compartilhadas no Oriente Médio”.

Estabelecido em 1983 pela administração de Ronald Reagan, o Centcom foi adicionado às unidades de comando cada vez maiores de Washington em todo o mundo, com a responsabilidade de coordenar todo o comando militar dos EUA no Oriente Médio, bem como na Ásia Central e partes do Sul da Ásia.

Desde o seu início, o Centcom liderou todas as principais intervenções militares dos EUA no exterior, incluindo as duas guerras do Golfo e, nos últimos anos, a guerra contra o terrorismo. A unidade de comando coordena as operações que vão do Egito, Arábia Saudita e Iêmen no Ocidente ao Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão e Paquistão no Oriente. Os limites mais orientais desta área de combate enfrentam a Índia, China e Rússia.

O advento da versão inicial do Centcom, entretanto, remonta ao discurso do ex-presidente americano Jimmy Carter sobre o Estado da União em janeiro de 1980, que posteriormente passou a ser referido como a “Doutrina Carter”. Em resposta à intervenção da União Soviética no Afeganistão em 1979, o presidente Carter proclamou: “qualquer força externa para obter o controle da região do Golfo Pérsico será considerada um ataque aos interesses vitais dos Estados Unidos da América, e tal ataque será repelido por todos os meios necessários, incluindo a força militar “. A Força-Tarefa Conjunta de Implementação Rápida marcou o primeiro compromisso formal com a Doutrina Carter, mantido pela sucessão no Centcom três anos depois.

Grupos pró-Israel que durante anos apelaram ao Pentágono para incluir Israel no Centcom receberam bem a mudança. O Instituto de Washington para o Oriente Médio, por exemplo, que trabalha para alinhar a política externa dos EUA com Tel Aviv, disse que a inclusão de Israel no Eucom foi uma “incompatibilidade com as fronteiras organizacionais existentes”.

LEIA: Um estranho discurso de política externa do presidente dos EUA que não menciona Israel

O grupo pró-Israel argumentou que o novo arranjo ajudaria o Centcom a responder a “ameaças comuns de uma maneira abrangente”. Outro grupo influente de lobby pró-Israel, o Comitê Americano de Assuntos Públicos de Israel (AIPAC), também saudou a decisão. “Mover Israel para o Centcom marca um importante reconhecimento do Pentágono de que Israel é realmente uma parte do Oriente Médio”, tuitou a AIPAC. “Enquanto os EUA, Israel e nossos aliados árabes enfrentam um Irã perigoso, esse movimento fortalecerá a cooperação crescente entre nossos parceiros regionais.”

Até agora, a ocupação contínua da Palestina por Israel e seus muitos abusos de direitos humanos impediram sua inclusão formal no Centcom. Essa mudança marca a culminação do processo contínuo de normalização entre o estado sionista e seus vizinhos árabes. A normalização militar agora foi adicionada à normalização política, diplomática e econômica com o maior ganho estratégico para Israel. Transferir Israel para a área de responsabilidade do Comando Central facilitará a cooperação militar no confronto com o maior inimigo dos estados sionistas, o Irã.

Em seu site, dissuadir a República Islâmica é listado pelo Centcom como sua prioridade número um, seguida por: apoiar uma resolução política da situação no Afeganistão; “manter a Campanha de Derrota do ISIS na Síria e no Iraque;” “Combater a ameaça de uso de drones UAS” e de “Armamento de pessoas deslocadas internamente (IDPs) e refugiados.”

Dada a lista de prioridades do Centcom, a inclusão de Israel na unidade de comando foi o próximo passo óbvio após a normalização do ano passado com os Emirados Árabes Unidos e vários outros estados árabes, especialmente porque essa cooperação existia não oficialmente. Diz-se que Tel Aviv coordenou ataques contra alvos iranianos com o Centcom, especialmente no último ano do governo Trump, quando houve uma escalada das hostilidades com Teerã. A inteligência israelense, por exemplo, ajudou os EUA a assassinar o chefe da Força Quds, general Qassem Soleimani, no ano passado no aeroporto de Bagdá.

Israel também foi acusado por Teerã de matar o principal cientista nuclear do Irã, Mohsen Fakhrizadeh. O chefe da Organização de Pesquisa e Inovação Defensiva (SPND, na sigla usual em inglês) do Irã foi alvo de uma explosão e metralhadora em dezembro. Muito provavelmente, tais operações teriam envolvido alguma forma de cooperação com o Centcom.

Embora seja muito cedo para dizer se a incorporação de Israel na unidade de comando aumentará a probabilidade de uma operação militar hostil, a mudança, segundo o ministro da defesa israelense Benny Gantz, “aumentará ainda mais a cooperação entre as FDI e as Forças Armadas dos EUA no confronto com desafios regionais, junto com outros amigos com quem compartilhamos interesses. ”

O fato sinaliza um desejo mais forte de criar uma frente única contra o Irã e, com o apoio do bloco sunita de países, uma disposição para assumir uma posição mais dura contra a República Islâmica e seus aliados na região.

Quanto à questão da Palestina, com os estados árabes agora integrados militarmente a Israel, não haverá incentivo para Tel Aviv seguir as normas internacionais e conceder aos palestinos o direito à condição de Estado. Durante décadas, os líderes árabes insistiram que o preço da normalização total com Israel e sua integração ao Oriente Médio era sua retirada dos territórios ocupados e a criação de um Estado palestino.

É claro que isso pode acabar em lágrimas para os países árabes. O que aconteceria se sua relação com Israel se deteriorasse ou falhasse completamente? Isso não é de forma alguma um cenário improvável nas areias movediças da política do Oriente Médio.

Embora a questão palestina possa não estar no topo da agenda de muitos líderes não eleitos e monarcas absolutos da região, a ocupação contínua de Israel e o abuso dos direitos humanos têm o potencial de azedar profundamente as relações sob uma nova realidade geopolítica. Vale lembrar que o estado do Golfo Árabe mais influente, a Arábia Saudita, ainda não normalizou as relações com o estado sionista.

Uma coisa é certa. Tendo alinhado seus interesses de segurança com Israel, os estados árabes agora acharão extremamente difícil se desvencilhar das muitas operações hostis e beligerantes do estado sionista, expondo-se assim a rebatidas do aventureirismo militar israelense e americano.

Este artigo foi publicado pela primeira vez no Politics Today em 11 de fevereiro de 2021

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioOTAN
Show Comments
Show Comments