Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Morte de Khashoggi bloqueia o caminho para o trono de Bin Salman

Porta do Consulado Geral da Arábia Saudita é vista enquanto a espera continua pelo desaparecimento do proeminente jornalista saudita Jamal Khashoggi, em Istambul, Turquia, em 18 de outubro de 2018. [Elif Öztürk/Anadolu Agency]
Porta do Consulado Geral da Arábia Saudita é vista enquanto a espera continua pelo desaparecimento do proeminente jornalista saudita Jamal Khashoggi, em Istambul, Turquia, em 18 de outubro de 2018. [Elif Öztürk/Anadolu Agency]

O governo Biden finalmente autorizou o Diretor de Inteligência Nacional em Washington a divulgar um relatório sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018. Donald Trump bloqueou sua liberação, desafiou o Congresso e falhou em implementar a lei proposta a esse respeito. Ao fazer isso, ele ajudou o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, a escapar da sanção pelo crime hediondo.

O presidente Joe Biden, por sua vez, parece tentar demonstrar ao povo americano e ao resto do mundo que seu mandato será diferente do de seu antecessor. Também pode ser visto como uma forma de acertar velhas contas com Trump.

No entanto, ao permitir que o relatório fosse divulgado, Biden não negligenciou a natureza das relações EUA-Arábia Saudita política, econômica e militarmente. Ele adotou uma abordagem de recompensa e punição e decidiu não punir o príncipe por seu suposto papel no assassinato de Khashoggi. Em vez disso, ele puniu 76 dos conselheiros, assessores e funcionários de segurança de Bin Salman, cujos nomes estão listados no relatório, de acordo com a Lei de Proibição de Khashoggi (Khashoggi Ban Law), que incluirá qualquer pessoa que comprovadamente violou os direitos dos jornalistas.

LEIA: Relatório de inteligência sobre o assassinato de Khashoggi remove nomes de três suspeitos

Quando Bin Salman foi entrevistado no programa 60 Minutes da CBS, ele foi questionado sobre as acusações de estar envolvido no assassinato no Consulado Saudita em Istambul. Sua resposta foi confiante e desafiadora: “Não há uma declaração oficial anunciada pelo governo americano a esse respeito”. Ele claramente não achava que chegaria o dia em que esse relatório veria a luz do dia.

No entanto, em consideração aos interesses dos EUA na Arábia Saudita, o relatório foi redigido. Provas sérias foram removidas, incluindo as transcrições de áudio e gravações de vídeo que estão disponíveis para os americanos desde 2018. A ex-diretora da CIA Gina Haspel apresentou as provas aos membros do Congresso, após o que Bob Corker, presidente republicano do comitê de relações exteriores do Senado, disse aos jornalistas: “Se o príncipe herdeiro fosse a um júri, seria condenado em 30 minutos”.

Em vez de mostrar essas evidências convincentes condenando explicitamente Bin Salman, foram usados ​​termos vagos e ambíguos.

“Avaliamos que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, aprovou uma operação em Istambul, na Turquia, para capturar ou matar o jornalista saudita Jamal Khashoggi”, disse o relatório. “Baseamos esta avaliação no controle do príncipe herdeiro da tomada de decisões no Reino desde 2017, no envolvimento direto de um conselheiro importante e membros da turma de proteção de Mohammed Bin Salman na operação e no apoio do príncipe herdeiro ao uso de medidas violentas para silenciar dissidentes no exterior, incluindo Khashoggi.”

Um manifestante usa uma máscara representando o príncipe herdeiro saudita, Mohammad Bin Salman, com as mãos pintadas de vermelho ao lado de pessoas segurando pôsteres do jornalista saudita Jamal Khashogg, em 25 de outubro de 2018. [Yasin Akgum/AFP via Getty Images]

Um manifestante usa uma máscara representando o príncipe herdeiro saudita, Mohammad Bin Salman, com as mãos pintadas de vermelho ao lado de pessoas segurando pôsteres do jornalista saudita Jamal Khashogg, em 25 de outubro de 2018. [Yasin Akgum/AFP via Getty Images]

Ele destacou que, “desde 2017, o príncipe herdeiro tem o controle absoluto das organizações de segurança e inteligência do Reino, tornando altamente improvável que os funcionários sauditas tenham realizado uma operação dessa natureza sem a autorização do Príncipe Herdeiro […] Isso sugere que os assessores provavelmente não questionariam as ordens de Mohammed Bin Salman ou empreenderiam ações delicadas sem seu consentimento.”

No total, o relatório era fraco e carregado de especulações e análises. Não acrescentou ao que já sabíamos e o mundo está convencido desde o crime. Sempre se acreditou que era impossível para uma equipe de agentes sauditas realizar o assassinato sem a permissão direta do príncipe herdeiro. A comunidade de inteligência dos EUA desempenhou o papel de testemunha que nada viu, embora tenha visto tudo.

A CIA contribuiu para este relatório e estava ciente da trama. Aparentemente, ele gravou uma ligação do então embaixador saudita em Washington, o irmão mais novo de Bin Salman, Khalid, encorajando Khashoggi a ir ao consulado de Istambul e garantindo-lhe que seria seguro fazê-lo.

Após o assassinato de Khashoggi, o governo Trump pediu a Bin Salman que agilizasse a saída de Khaled dos Estados Unidos e designasse um novo embaixador para substituí-lo. Ele devidamente retornou ao Reino, onde Bin Salman o recompensou fazendo dele seu vice-ministro da Defesa.

Vamos, por um momento, imitar as agências de inteligência dos EUA e especular sobre o que também pode ter acontecido. Digo “pode” porque, é claro, não sabemos ao certo, mas é “provável” que a CIA tenha transcrições de ligações entre Bin Salman e o genro de Trump, Jared Kushner, informando-o do complô contra Khashoggi; é “provável” que Kushner tenha lhe dito que Trump não faria objeções. É muito “improvável” que Bin Salman dê o aval sem pelo menos uma luz âmbar de Washington, assim como é muito “improvável” que as autoridades sauditas tenham realizado uma operação dessa natureza sem o consentimento do príncipe herdeiro.

Consequentemente, pode-se argumentar que a defesa desesperada de Trump de Bin Salman e sua proteção de qualquer responsabilidade legal foi, antes de mais nada, proteção para si mesmo e uma carta a ser jogada ao ordenhar a Arábia Saudita para obter o máximo de dinheiro possível. Biden provavelmente usará esse mesmo cartão, mas de forma mais sofisticada, a pretexto dos direitos humanos. Ele não ficará satisfeito apenas com petrodólares, como Trump estava e que Bin Salman pagou de bom grado, contanto que Trump fizesse vista grossa às violações dos direitos humanos no Reino. Biden está, dizem, reavaliando a posição da Arábia Saudita.

LEIA: Os EUA responsabilizarão a Arábia Saudita pelo assassinato de Jamal Khashoggi?

Acredito que Joe Biden fez um grande favor a Bin Salman com este relatório inadequado, visto que há uma série de casos abertos nos tribunais dos EUA relacionados ao assassinato de Khashoggi. Eles foram adiados e podem muito bem produzir evidências irrefutáveis ​​que efetivamente colocaram Mohammed Bin Salman no banco dos réus. No entanto, de acordo com este relatório de inteligência, são apenas suspeitas insuficientes para acusações formais e, portanto, o príncipe poderia estar fora de perigo aos olhos da lei.

No entanto, isso não significa que Biden deseja que Bin Salman permaneça como príncipe herdeiro e acesse o trono, porque ele sabe que é a escolha de Trump e Kushner. Isso explica em parte porque Biden não ligou para ele, mas sim para seu pai, o rei Salman, antes que o relatório fosse publicado, e insistiu que seu filho não deveria participar da ligação. Isso sugere que o governo Biden quer que Bin Salman seja destituído do cargo de príncipe herdeiro, não por causa de seus crimes, mas porque suas políticas prejudicam os interesses dos Estados Unidos. São estes, não os princípios, que são importantes. A escolha de um novo príncipe herdeiro é deixada para o rei e ele foi tranquilizado pela natureza deste relatório de que seu filho terá uma partida segura.

Os EUA colocaram a bola nas quadras da Arábia Saudita com diplomacia e profissionalismo. Agora cabe aos indivíduos sábios dentro da família governante decidirem o que deve ser feito em benefício do Reino, porque Mohammed Bin Salman é um pária no mundo e um fardo para todos eles.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments