Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quero voltar para minha cela, diz criança detida liberada no Egito

Criança detida libertada, Al-Baraa, antes (esq.) e depois (dir.) da detenção.
Criança detida libertada, Al-Baraa, antes (esq.) e depois (dir.) da detenção.

Em 20 de fevereiro de 2021, Manar Abu Nagar e seu filho compareceram perante a acusação de segurança do Estado do Egito, dois anos após seu desaparecimento forçado. Al-Baraa tinha apenas três anos.

A casa que Manar, seu marido Omar e seu filho compartilhavam na cidade de Alexandria, no norte, havia sido invadida há dois anos. Eles foram sequestrados por homens à paisana e mantidos incomunicáveis ​​desde então.

Manar estudou matemática na Universidade de Tanta e se formou com honras de primeira classe, conseguindo um emprego no mesmo departamento, apesar de ter sido informada de que teria dificuldades para encontrar trabalho porque usava um niqab. Sua família a apelidou de “a advogada” porque ela sempre esteve com os fracos e oprimidos.

Após dois anos de apelos e uma busca desesperada por informações, a notícia finalmente chegou. Um advogado que esteve presente na audiência de Manar disse a seu irmão, Mustafa Abdulhamid*, que ela estivera presente em uma audiência no sábado e que até agora estava sob custódia da Segurança Nacional em Alexandria.

“Ouvimos a notícia de que ela apareceu, que sua detenção foi renovada por 15 dias, que o caso foi inventado e que Al-Baraa voltaria para casa para nossa família no mesmo momento”, disse Mustafa ao MEMO.

Ao mesmo tempo, a Segurança Nacional foi à minha casa para perguntar sobre meu pai e tentou prendê-lo, mas ele havia morrido há um ano.

“Estávamos em estado de choque, espanto, alegria, tristeza e ansiedade. Pensamos que Manar estava morta.”

Quando Manar soube que ela e seu filho se separariam, ela ficou perturbada e disse aos juízes que não poderia viver sem ele. Não fez diferença – uma van da polícia a levou para a prisão feminina de Al-Qanater, e sua mãe foi buscar o neto. Al-Baraa não queria ir com ela e as autoridades não a deixaram ver Manar.

LEIA: ‘Meu filho deveria estar com seus amigos, não em uma prisão egípcia’, afirma Um Ibrahim

A mãe deles ficou impressionada com o quão confortável Al-Baraa ficava perto dos oficiais e guardas na prisão, como ele brincava e brincava com eles, e como isso contrastava com o estresse visível que ele sofria fora, no mundo real, com pessoas reais.

“Não sabemos como era a cela em que eles foram detidos”, disse Mustafa. “Mas o estado de Al-Baraa sugere que não estava bem. Parecia que ele nunca havia tomado banho e seu cabelo estava emaranhado e sujo. Psicologicamente, ele não estava em bom estado.”

Al-Baraa sempre pergunta se ele pode voltar para sua cela e está lutando para se adaptar à sociedade e é estranho com a família. “Não sabemos se devemos ficar felizes ou tristes com a volta de Al-Baraa para nós”, disse Mustafa. “Ele deixou a mãe e está apavorado.”

Embora nunca possamos descobrir exatamente o que aconteceu com Al-Baraa durante seus dois anos de prisão, os especialistas disseram anteriormente ao MEMO que o impacto psicológico sobre as crianças detidas é enorme, tanto a curto como a longo prazo, devido ao isolamento, à insegurança e à humilhação que enfrentam por dentro os assombra por décadas, frequentemente na forma de depressão e pensamentos suicidas.

Além disso, também é sabido que as detenções no Egito são sempre acompanhadas de violações e que os prisioneiros sofrem tratamento abusivo enquanto estão dentro. As crianças não são poupadas disso.

Existem várias peças legislativas, incluindo a Lei da Criança e a Convenção sobre os Direitos da Criança, que se destinam a proteger as crianças como Al-Baraa, mas o Egito tem mostrado consistentemente que se considera acima da lei.

O advogado que representa o caso de Manar disse a Mustafa que a segurança do estado fabricou dois documentos que “provaram” que ela pertencia a um grupo banido. “Ela negou as acusações”, disse Mustafa. “Ela disse que nunca escreveu esses documentos e que não estão em sua caligrafia.”

“As autoridades disseram a Manar que a lei estipula que a criança deve ser levada. Não sei onde estava a lei quando ela foi sequestrada e desapareceu à força por dois anos”, acrescenta.

Na audiência, as forças de segurança disseram a Manar para assinar um documento dizendo que ela foi presa há dois dias, não há dois anos, e a ameaçaram de desaparecimento permanente se ela não o fizesse. Mustafa diz que tem evidências da decisão do tribunal provando que isso não é verdade.

O desaparecimento de Manar lançou uma longa sombra sobre a família. Pouco antes de o pai de Manar e Mustafá falecer, há um ano, ele disse que seu último desejo era ver a filha antes de morrer. Quando soube do desaparecimento dela, sua saúde piorou e seu corpo começou a rejeitar a quimioterapia que estava recebendo para o câncer.

Até agora, Manar não sabe da morte de seu pai e sua mãe está se afogando em uma grande onda de tristeza, tendo perdido seu marido e sua filha. Ainda não há notícias de Omar, marido de Manar, e seu paradeiro permanece desconhecido.

LEIA: Corte de ‘terrorismo’ do Egito condena ativista de direitos humanos a 15 anos de prisão

O caso de Al-Baraa é raro, porque geralmente as crianças são entregues aos avós quando a mãe é presa. Mas ele não é o único a dividir uma cela de prisão com sua mãe. Aya Hijazi, que dirige a Belady, uma instituição de caridade que defende crianças presas políticas, disse ao MEMO que há duas outras mulheres, Mai e Maryam, que também desapareceram com seus filhos.

Maryam Radwan foi entregue ao Egito pelas forças do renegado líbio general Khalifa Haftar em 21 de outubro de 2018 com seus três filhos, Omar, de seis meses, Aisha, de dois anos, e Fátima, de quatro anos.

Mai Mohamed Abdel Sattar foi presa em sua casa no Cairo em 1º de novembro de 2019 junto com seu marido e filho, quando ele não tinha nem três meses de idade. Os parentes de Mai emitiram telegramas e relatórios exigindo saber seu paradeiro e, eventualmente, as Forças de Segurança Nacional decidiram que seu local de detenção deveria ser divulgado, mas nunca o foi.

Embora Mai tenha reaparecido desde então, Maryam ainda não foi encontrada. “Pedimos ao estado que considere as mulheres e crianças com humanidade”, diz Aya, “e as reúna com suas famílias”.

*Os nomes foram alterados

Categorias
ÁfricaEgitoEntrevistas
Show Comments
Show Comments