Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA ignoram a fome no Iêmen ao designar houthis como ‘terroristas’

Crianças iemenitas carregam seu almoço oferecido por uma instituição de caridade em Sana'a, Iêmen, em 3 de novembro de 2018 [Mohammed Hamoud / Getty Images]
Crianças iemenitas carregam seu almoço oferecido por uma instituição de caridade em Sana'a, Iêmen, em 3 de novembro de 2018 [Mohammed Hamoud / Getty Images]

Os EUA rejeitaram os apelos da ONU para reverter sua decisão de designar os houthis do Iêmen como grupo terrorista. A decisão foi recebida com condenações em larga escala e acusações de “vandalismo político”.

Altos funcionários da ONU alertaram sobre uma fome massiva no Iêmen, que já é considerada uma catástrofe humanitária. Descartando tais preocupações, o governo Trump disse: “Acreditamos que este e o passo [designação] certo para enviar o sinal certo se quisermos que o processo político avance”.

Mark Lowcock, o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários e Coordenador de Socorro de Emergência, apontou que, “a prioridade mais urgente no Iêmen agora é prevenir uma fome massiva.”

Cerca de 16 milhões de iemenitas estão prestes a passar fome este ano. Cerca de 50 mil já têm comida e água insuficientes.

Referindo-se à designação dos EUA e ao dano potencial que pode causar, Lowcock acrescentou que todas as decisões que o mundo tomar agora devem levar isso em consideração. Ele disse que a designação dos houthis prejudicará os esforços para evitar a fome e resumiu as razões pelas quais as agências humanitárias se opõem a tal desenvolvimento, incluindo o fato de que o Iêmen importa 90 por cento de seus alimentos, quase todos por canais comerciais que ajudam as agências e que estas não têm como substituir.

David Beasley, Diretor Executivo do Programa Mundial de Alimentos da ONU, disse que mesmo sem a designação, a fome se aproxima, com 11 milhões de pessoas já em crise e 5 milhões em um nível de emergência. Para evitar a fome, pelo menos US$ 1,9 bilhão é necessário para 2021. Apenas US$ 386 milhões em doações confirmadas foram recebidas e, só para os próximos seis meses, US$ 860 milhões são necessários.

LEIA: Houthis condenam plano dos EUA para designá-los ‘terroristas’

“Estamos lutando agora sem a designação”, disse Beasley. “Com a designação, será catastrófico. Literalmente, será uma sentença de morte para centenas de milhares, senão milhões, de pessoas inocentes no Iêmen.”

Beasley acredita que os Estados do Golfo Árabe – destacando a Arábia Saudita – “precisam arcar com a conta financeira humanitária para esse problema”. Se não o fizerem, advertiu ele, os doadores receberão dinheiro de outros países onde também é extremamente necessário. “O que significa que teremos fome em muitos outros países.”

David Miliband, presidente e executivo-chefe do Comitê Internacional de Resgate, foi um dos muitos que se opôs energicamente à designação de terror. Ele chamou de “puro vandalismo diplomático”. O ex-secretário de Relações Exteriores britânico acredita que, “Esta política, em nome de amarrar os Houthis, vai realmente amarrar a comunidade humanitária e a diplomacia internacional.”

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEUAIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments