Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA classificará os houthis do Iêmen como grupo terrorista, diz Pompeo

"As designações têm como objetivo responsabilizar Ansarallah por seus atos terroristas, incluindo ataques transfronteiriços que ameaçam populações civis, infraestrutura e navegação comercial", disse Pompeo

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou, na última segunda (11), que Washington designará o movimento Houthi do Iêmen, conhecido como Ansarallah, como um grupo terrorista estrangeiro.

“Também pretendo designar três dos líderes de Ansarallahs, Abdul Malik al-Houthi, Abd al-Khaliq Badr al-Din al-Houthi e Abdullah Yahya al Hakim, como terroristas globais especialmente designados”, disse Pompeo em um comunicado.

Pompeo afirmou que o Departamento de Estado notificará o Congresso de sua intenção, embora ainda possam bloquear a decisão que pode colocar os houthis na lista restrita um dia antes da posse do presidente eleito Joe Biden, em 20 de janeiro. Em novembro, foi relatado que o presidente dos EUA, Donald Trump, planejava adicionar os houthis à lista de grupos terroristas dos EUA.

“As designações têm como objetivo responsabilizar Ansarallah por seus atos terroristas, incluindo ataques transfronteiriços que ameaçam populações civis, infraestrutura e navegação comercial”, explicou. Pompeo queria acelerar a ação, de acordo com uma fonte diplomática, como parte de uma “política de terra arrasada”, enquanto o governo se prepara para abrir caminho para o próximo governo democrata.

LEIA: Israel adiciona Iêmen às suas frentes de combate ativas

O movimento Houthi desempenha um papel fundamental no governo com base na capital Sanaa, com a maioria das áreas densamente povoadas do país sob seu controle, e grupos humanitários já alertaram contra rotular o movimento como uma organização terrorista, argumentando que isso prejudicará ainda mais a ajuda esforços em meio ao risco crescente de fome causado pela guerra de quase seis anos e bloqueio travado pela coalizão liderada pelos sauditas.

Um comunicado de imprensa emitido hoje pela Save the Children alertou contra a designação e argumentou que “ameaçaria diretamente o fornecimento de alimentos, combustível e remédios que salvam vidas”.

“Atores humanitários vêm alertando há semanas que as consequências dessa decisão podem ser catastróficas para inúmeras crianças e suas famílias no Iêmen que mal sobrevivem”, disse Janti Soeripto, presidente e CEO da organização.

O Secretário de Estado reconheceu essas preocupações em nota à imprensa, destacando: “Estamos planejando implementar medidas para reduzir seu impacto sobre certas atividades humanitárias e importações para o Iêmen”.

Vários ex-diplomatas americanos e funcionários do Departamento de Estado também expressaram reservas quanto à medida, que seria “profundamente prejudicial” à segurança nacional dos Estados Unidos. Em uma carta enviada na última segunda (11) a Pompeo, 20 ex-altos funcionários – incluindo todos os ex-embaixadores dos Estados Unidos vivos no Iêmen – pediram ao governo Trump que “abandonasse os planos” que poderiam minar a “credibilidade dos programas e políticas de contraterrorismo dos EUA”.

“Para ser claro, não temos simpatia pelo movimento Houthi, nem estamos tolerando suas ações”, escreveram os signatários.

“Dito isso, não acreditamos que o movimento Houthi atenda à definição de uma Organização Terrorista Estrangeira, nem acreditamos que a designação irá promover os interesses de segurança nacional dos EUA.”

LEIA: A defesa de Taiz é a defesa do Iêmen unificado

Categorias
Ásia & AméricasEUAIêmenNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioSave the ChildrenVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments