Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É uma ironia que o chefe do Comitê Al-Quds tenha normalizado as ligações com o ocupante de Jerusalém

Rei Mohamed VI do Marrocos em Rabat, Marrocos em 17 de novembro de 2020 [Fadel Senna/ AFP / Getty Images]
Rei Mohamed VI do Marrocos em Rabat, Marrocos em 17 de novembro de 2020 [Fadel Senna/ AFP / Getty Images]

Enquanto os governantes árabes continuam avançando em direção a Israel e acolhendo seus líderes, o estado de ocupação continua a usurpar a terra árabe da Palestina. Seguindo os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão, o rei Mohammed VI do Marrocos está entrando na onda da normalização conduzida por Donald Trump, que quer ter tantos estados árabes a bordo como um presente para os sionistas antes de deixar a Casa Branca no próximo mês.

Marrocos foi onde a Organização de Cooperação Islâmica (OIC) foi lançada após o ataque criminoso à mesquita de Al-Aqsa em 1969. Foi quando os princípios de defesa da honra e dignidade dos muçulmanos representados por Jerusalém e pela mesquita de Al-Aqsa foram estabelecidos. Quando, em 1975, o Comitê Al-Quds foi formado, decidiu-se dar a cadeira ao então rei de Marrocos, Hassan II. Após sua morte em 1999, este foi passado para seu filho, o monarca atual; é o mesmo rei Mohammed VI que concordou em normalizar as relações com o ocupante e usurpador israelense de Jerusalém. Que irônico. Os israelenses, lembre-se, estão trabalhando duro para judaizar Jerusalém e demolir a mesquita de Al-Aqsa para construir um templo em seu lugar.

Mohammed VI não abriu a porta para a normalização no Marrocos. Essa duvidosa honra vai para seu pai, que tinha uma porta secreta para os israelenses. Durante seu reinado (1961-1999), ele manteve relações estreitas com o estado de ocupação, incluindo cooperação de segurança, embora ambos os lados negassem. No entanto, quando o dissidente marroquino Mehdi Ben Barka pediu a agentes israelenses que o ajudassem a se livrar de Hassan II, por exemplo, a agência de espionagem israelense Mossad informou o rei e o ajudou a encontrar Ben Barka em Paris. Os franceses ajudaram Marrocos a sequestrá-lo; ele foi torturado até a morte, e o Mossad se desfez do corpo, que nunca foi encontrado. Hassan recompensou o Mossad permitindo que judeus marroquinos migrassem para Israel e que a agência estabelecesse uma base no Marrocos. Em troca, Israel forneceu armas ao Marrocos e treinou o exército em como usá-las. Israel também forneceu ao Marrocos tecnologia de vigilância e ajudou a organizar a agência de inteligência marroquina.

LEIA: Frente Polisario diz que acordo de Trump com Rabat e Tel Aviv é ‘nulo e sem efeito’

O exemplo mais perigoso de colaboração marroquina foi a traição do rei Hassan aos governantes árabes durante sua cúpula de 1966 em Casablanca, onde cada país apresentou o que tinha em termos de soldados e armas para um possível confronto com Israel. Alguns agentes do Mossad voaram para o Marrocos para que pudessem espionar e registrar a cúpula, mas o rei Hassan temia que fosse exposto. Ele prometeu que iria gravar sozinho e enviar a fita para o Mossad, o que ele fez sem demora.

O ex-chefe da Inteligência Militar de Israel, Major General Shlomo Gazit, disse ao Times of Israel em 2016: “Essas gravações, que foram verdadeiramente uma conquista extraordinária da inteligência, nos mostraram ainda que, por um lado, os estados árabes estavam caminhando para um conflito para o qual devemos nos preparar. Por outro lado, suas divagações sobre a unidade árabe e ter uma frente única contra Israel não refletiam a unanimidade real entre eles. ” Ele também observou que “as informações nessas gravações deram ao alto escalão do exército israelense a sensação de que venceríamos uma guerra contra o Egito”.

Depois de tão grande serviço aos sionistas, era natural que Hassan se tornasse o canal de comunicação com o mundo árabe. Reuniões secretas entre autoridades israelenses e egípcias ocorreram em Marrocos antes da assinatura dos Acordos de Camp David, pelos quais Israel persuadiu os EUA a fornecer ajuda militar ao Reino.

Essas relações secretas entre Israel e Marrocos continuaram sob seu sucessor, o rei Mohammed VI. Ele pediu aos israelenses que o ajudassem a persuadir os EUA a reconhecer a soberania de seu país sobre o Saara Ocidental. O líder da comunidade judaica no Marrocos, Serge Berdugo, atuou como mediador e se reuniu com líderes judeus americanos e autoridades israelenses. Tal reconhecimento está sendo dado em troca de Marrocos normalizar formalmente as relações com Israel. Assim, a máscara do engano caiu, revelando a cara feia de Marrocos.

LEIA: Estados Unidos adota novo mapa do Marrocos que inclui Saara Ocidental

O falecido poeta palestino Mahmoud Darwish (1941-2008) resumiu o que acontece de forma sucinta quando escreveu:

Os árabes obedeciam aos romanos,

Os árabes venderam suas almas,

Os árabes estão perdidos.

A máscara caiu da máscara;

Fora da máscara caiu a máscara.

Você não tem irmãos, um irmão e nenhum amigo.

É importante notar que Marrocos é o único país árabe em que você encontra comunidades judaicas em muitas cidades. Historicamente, o país ofereceu refúgio aos judeus em duas ocasiões importantes. O primeiro ocorreu após o deslocamento forçado da Andaluzia, quando os cristãos conquistaram a Espanha muçulmana. Então, durante a Segunda Guerra Mundial, o rei Muhammad V rejeitou as leis discriminatórias impostas contra os judeus marroquinos pelo governo fascista francês de Vichy e deu-lhes abrigo.

Os desleais governantes dos países de normalização venderam a Palestina e Jerusalém, o local da milagrosa jornada noturna do Profeta Muhammad e a Mesquita de Al-Aqsa, o terceiro local mais sagrado do mundo islâmico, pelo preço mais baixo. No entanto, o que é reconfortante é o fato de que os povos árabes rejeitam a normalização e ela está destinada ao fracasso. A Palestina permanecerá viva e presente na consciência árabe, como está na consciência de cada pessoa livre no mundo.

LEIA: A decisão insana de Trump sobre o Saara Ocidental mostra que ele ainda tem tempo para causar mais estragos

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelMarrocosOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments