Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A decisão insana de Trump sobre o Saara Ocidental mostra que ele ainda tem tempo para causar mais estragos

Mulheres com bandeiras do Saara e vestidas de Malahfas participam de manifestação para exigir o fim da ocupação marroquina do Saara Ocidental, em apoio à Frente Polisário e para exigir soluções do governo espanhol em 16 de novembro de 2020 em San Sebastian, Espanha. [Gari Garaialde / Getty Images]
Mulheres com bandeiras do Saara e vestidas de Malahfas participam de manifestação para exigir o fim da ocupação marroquina do Saara Ocidental, em apoio à Frente Polisário e para exigir soluções do governo espanhol em 16 de novembro de 2020 em San Sebastian, Espanha. [Gari Garaialde / Getty Images]

As palavras e a sabedoria do falecido grande líder sul-africano Nelson Mandela são frequentemente invocadas para ilustrar um ponto quando confrontado com a injustiça e como lidar com ela. Embora seu coração e sua alma estivessem ancorados na África do Sul, a visão de Mandela era global, e parecia não haver nenhum caso de injustiça que o ignorou, especialmente quando se tratava da liberdade de outras pessoas. Ele deixou isso claro quando foi libertado da prisão em fevereiro de 1990 e discursou na Assembleia Geral da ONU.

“Também aproveitamos esta oportunidade para estender calorosas saudações a todos os outros que lutam por sua libertação e seus direitos humanos, incluindo os povos da Palestina e do Saara Ocidental”, disse ele aos delegados. “Recomendamos suas lutas a vocês, convencidos de que todos nós somos movidos pelo fato de que a liberdade é indivisível; convencidos de que a negação dos direitos de um diminui a liberdade de outros”.

O que o falecido presidente Mandela teria feito sobre a decisão de Donald Trump na quinta-feira de reconhecer a reivindicação do Marrocos sobre o disputado Saara Ocidental, ninguém sabe. O presidente dos EUA que está deixando o cargo está agindo como uma bola de demolição saindo de controle no Oriente Médio enquanto intimida, persuade e pressiona os líderes a normalizarem as relações com Israel, pois esse é o preço que Marrocos pagou por este negócio.

Trump está determinado a deixar sua marca antes de deixar a Casa Branca, mas ele realmente não precisa se esforçar muito. Duvido que muitos esquecerão seus quatro anos desastrosos em Washington porque ele causou estragos em uma das regiões mais voláteis do planeta. Enquanto Mandela é reverenciado globalmente por seu legado de compaixão, perdão, diplomacia e determinação, no outro extremo da escala de estadista temos a insanidade que é Donald Trump.

LEIA: Marrocos negocia laços com Israel em troca do controle do Saara Ocidental

A América é praticamente o único país a reconhecer a anexação ilegal do Saara Ocidental pelo Marrocos, uma ex-colônia espanhola apreendida à força pelo Marrocos em 1975. Trump mais uma vez pisou em uma série de resoluções do Conselho de Segurança da ONU, além de uma decisão histórica da Corte Mundial pedindo autodeterminação para o povo saharaui ocidental.

Mais uma vez, o apresentador de reality show que virou presidente dos Estados Unidos esmagou princípios e tratados jurídicos internacionais de longa data, reconhecendo a apropriação ilegal de terras pelo Marrocos. Isso praticamente dá luz verde a qualquer louco ou ditador para atacar os países e territórios vizinhos, desde que estejam preparados para normalizar as relações com Tel Aviv. Ele pode deixar o cargo no mês que vem, mas Trump estabeleceu precedentes perigosos, e não temos ideia de como o presidente eleito Joe Biden responderá a eles.

Um saharaui segura uma bandeira da Frente Polisario na área de Al-Mahbes, perto dos soldados marroquinos que guardam o muro que separa o Sahara Ocidental controlado pela Polisario de Marrocos a 3 de fevereiro de 2017. [Stringer/ AFP via Getty Images]

Um saharaui segura uma bandeira da Frente Polisario na área de Al-Mahbes, perto dos soldados marroquinos que guardam o muro que separa o Sahara Ocidental controlado pela Polisario de Marrocos a 3 de fevereiro de 2017. [Stringer/ AFP via Getty Images]

Não devemos nos surpreender muito com este último exemplo de trumpismo, porque ele tem uma forma anterior de desprezar e ignorar o direito internacional. Ele, por exemplo, declarou Jerusalém como a capital de Israel, que ocupou e anexou ilegalmente décadas atrás; ele reconheceu a soberania israelense sobre as colinas de Golan sírias ocupadas ilegalmente; e ele oberva e aprova Israel roubando grande parte da Cisjordânia ocupada em uma das mais infames grilagens de terra do mundo, e ameaça roubar ainda mais do território palestino.

No entanto, Trump estava claramente alegre na quinta-feira quando tuitou em um estilo característico: “Outro avanço histórico hoje! Nossos dois gtrandes amigos Israel e o Reino de Marrocos concordaram em relações diplomáticas plenas – um avanço massivo para a paz no Oriente Médio!”

A soberania sobre o Saara Ocidental tem sido uma disputa de longa data em que a reivindicação do território de Marrocos não foi reconhecida pela comunidade internacional. Uma declaração da Casa Branca proclamando o reconhecimento dos EUA acrescentou que “[um] estado sarauí independente não é uma opção realista para resolver o conflito e que a autonomia genuína sob a soberania marroquina é a única solução viável.”

Marrocos passa a ser o sexto membro da Liga Árabe a normalizar as relações, depois do Egito, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Sudão. O rei Mohammed VI insiste que este movimento “não afeta de forma alguma o compromisso contínuo e sustentado do Marrocos com a justa causa palestina”. Vimos do Egito e da Jordânia o que isso significa na prática; muito pouco, na verdade, como os palestinos sabem muito bem.

LEIA: Bahrein deve abrir consulado no Saara Ocidental, afirma Marrocos

É difícil imaginar qual será o próximo movimento de Trump, já que cada edital que sai da Casa Branca parece mais insano do que o anterior. Talvez ele dê as Ilhas Malvinas da Grã-Bretanha para a Argentina, ou talvez invada e anexe a Groenlândia depois de não conseguir comprar a maior ilha do mundo para os EUA no ano passado.

Mais perto de casa, ele ainda não perdoou o primeiro-ministro da Escócia, Nicola Sturgeon, por remover seu status de embaixador empresarial e por lhe dar uma bronca em uma visita privada ao país depois de seus comentários depreciativos sobre os muçulmanos. Sturgeon pode se vingar se Trump conceder a soberania norueguesa sobre as amadas ilhas Shetland, que o rei da Noruega penhorou como dote pelo casamento de suas filhas com o rei da Escócia em 1468. Parece loucura, mas Trump também parece.

Sua equipe prometeu uma “transição muito profissional” ao governo do presidente eleito Joe Biden, embora Trump continue afirmando que ele, e não seu adversário democrata, realmente ganhou a eleição. A inauguração em 20 de janeiro não pode acontecer em breve, mas ainda há tempo para o presidente dos EUA, Donald Trump, causar ainda mais estragos no cenário mundial. Basta perguntar aos palestinos e ao povo do Saara Ocidental o que isso significa.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEUAMarrocosOpinião
Show Comments
Show Comments