Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito prende familiares opositores como repressão à dissidência

Policial egípcio entrando na prisão de Tora na capital egípcia Cairo, em 11 de fevereiro de 2020 [Khaled Desouki/AFP/ Getty Imagens]
Policial egípcio entrando na prisão de Tora na capital egípcia Cairo, em 11 de fevereiro de 2020 [Khaled Desouki/AFP/ Getty Imagens]

A Rede Árabe para Informações sobre Direitos Humanos (ANHRI), divulgou um relato intitulado “Pegamos sua família” para denunciar a prática de detenções de parentes de opositores pelo governo egípcio.

A organização afirmou que “o regime egípcio processa e pune as pessoas apenas porque são parentes e famílias de opositores, sejam eles detidos ou expatriados, e é claro que as famílias dos afiliados e líderes da Irmandade Muçulmana sofrem o mesmo dano, pois enfrentam as mesmas acusações, quer tenham feito algo ou não. ”

A ANHRI explicou que “este método é às vezes usado para pressionar presos políticos ou opositores no exterior, ou como um ato de retaliação contra eles, visando seus parentes, sem levar em conta a constituição, a lei ou as convenções de direitos humanos.”

“As forças de segurança violam a lei e a usam como ferramenta de repressão e retaliação contra seus oponentes políticos ou oposicionistas em geral, dentro ou fora do Egito, prendendo seus parentes e fabricando acusações maliciosas contra eles”.

A tentativa mais recente de contornar a lei, segundo a lei, foi a prisão de Kamal Al-Balshi, irmão do jornalista e ex-representante do Sindicato de Jornalistas Khaled Al-Balshi, em 20 de setembro de 2020. Kamal Al-Balshi compareceu para interrogatório em 1 de outubro de 2020, no Gabinete do Supremo Tribunal de Segurança do Estado, após 11 dias de seu desaparecimento forçado.

LEIA: Entidade denuncia estupros com eletrocussão na tortura de presas no Egito

De acordo com o relatório, o irmão de Al-Balshi, que ainda está detido sem julgamento, foi acusado no caso nº 880 de 2020 e enfrenta acusações de ingressar em um grupo terrorista e espalhar notícias falsas.

O jornalista Khaled Al-Balshi, ex-diretor do comitê de liberdades do Sindicato dos Jornalistas, é conhecido por se opor às políticas do governo.

LEIA: Defensor dos direitos humanos egípcio é mantido em confinamento solitário

A organização destacou que Ola Al-Qaradawi (filha do Sheikh Yusuf Al-Qaradawi) e seu marido Hossam Khalaf são um exemplo notável de atos de vingança política contra os oposicionistas.

O único crime que Ola Al-Qaradawi e seu marido cometeram é ser parente de Yusuf Al-Qaradawi, que agora mora no Catar, segundo a rede. A filha e seu cônjuge foram presos em 3 de julho de 2017 e interrogados no Caso nº 316 da Segurança do Estado de 2017. Desde então, ela foi presa e incomunicável.

A organização acrescentou que Anas Beltagy, filho de Muhammad Beltagy (um líder da Irmandade Muçulmana), que agora tem 26 anos, tinha apenas 19 anos no momento de sua prisão.

A rede descreveu a prisão do filho de Beltagy como “a pior forma de vingança contra uma pessoa por ser filho de seu pai.”

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments