Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Entidade denuncia estupros com eletrocussão na tortura de presas no Egito

Policiais egípcios na entrada de uma prisão na capital egípcia Cairo, em 27 de maio de 2020 [Khaled Desouki/ AFP / Getty Imagens]
Policiais egípcios na entrada de uma prisão na capital egípcia Cairo, em 27 de maio de 2020 [Khaled Desouki/ AFP / Getty Imagens]

As violações cometidas contra mulheres dentro de centros de detenção no Egito foram denunciadas pela organização de direitos humanos We Record, no Dia Internacional da Violência contra a Mulher. Entre elas, a entidade relatou o caso de uma mãe de três filhos e já com vários netos – cujo nome não foi divulgado – que desapareceu à força dentro da sede da segurança do estado.

Ela foi vendada e espancada repetidamente, insultada e xingada. Ela ficou nua, amarrada a uma cadeira com as mãos atrás das costas por dias a fio, até que todo o seu corpo estivesse dormente. Foi estuprada e eletrocutada nos órgãos genitais. As práticas de tortura são semelhantes às empregadas no Brasil durante a ditadura militar. As pessoas que realizaram a tortura ameaçaram matar seus pais e estuprar seus parentes, acrescentou a organização.

No início desta semana, a We Record documentou violações sem precedentes contra mulheres dentro da Prisão de Al-Qanater, onde as forças de segurança junto com o inspetor chefe invadiram a ala de presas políticas e começaram a espancá-las e agredi-las.

LEIA: Prisioneiras políticas na cadeia de Al-Qanater são violentamente agredidas, no Egito

Várias mulheres detidas na prisão de Al-Qanater estão proibidas de receber visitantes como medida punitiva, seja contra seu próprio ativismo, seja como forma de atingir seus familiares.

Cinco das detidas foram transferidos para enfermarias criminais e o resto dos detidos teve negado esse direito.

No início deste ano, o Euro-Mediterranean Human Rights Monitor relatou que cinco prisões femininas do Egito não obedecem a “padrões mínimos de vida humana” ou “atendem às condições mínimas para o tratamento de prisioneiros”.

Mais de 100 prisioneiras políticas estão detidas nas prisões do Egito devido à sua oposição ao regime de Sisi e estão sistematicamente sujeitas a violações psicológicas, de saúde e físicas.

Eles são mantidas em confinamento solitário, não recebem assistência médica e são abusadas ​​por funcionários da prisão e outros detidos.

Entre julho de 2013 e julho de 2019, 2.762 mulheres foram presas no Egito e 125 estão atualmente presas como parte da repressão sem precedentes do regime à população.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments