Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Defensor dos direitos humanos egípcio é mantido em confinamento solitário

Gasser Abdel Razek [EIPR / Twitter]
Gasser Abdel Razek [EIPR / Twitter]

O diretor de um importante grupo de direitos humanos egípcio, Gasser Abdel Razek,  foi mantido em confinamento solitário e em condições desumanas por três dias após sua prisão na semana passada, disseram seus advogados e o fundador do grupo na segunda-feira.

Razek é um dos três funcionários da Iniciativa Egípcia pelos Direitos Individuais (EIPR), presos na semana passada em um caso que atraiu críticas públicas das Nações Unidas e de diplomatas ocidentais.

O Ministério do Interior, que é responsável pelas prisões, não foi encontrado para comentar o assunto.

As prisões, sob acusações de ingresso em um grupo terrorista e publicação de notícias falsas, ocorreram depois que diplomatas de alto escalão visitaram a EIPR para uma reunião sobre direitos humanos em 3 de novembro.

“Gasser está sendo deliberadamente visado, mesmo em comparação com outros prisioneiros na prisão de Liman Tora, por tratamento desumano e degradante que visa prejudicá-lo e que está colocando sua saúde e segurança em risco”, Hossam Bahgat, fundador e presidente da EIPR , disse à Reuters depois que Abdel Razek apareceu em uma sessão de investigação em um tribunal do Cairo.

LEIA: Prisioneiras políticas na cadeia de Al-Qanater são violentamente agredidas, no Egito

A cabeça do preso foi raspada, ele não tinha roupas quentes e recebeu uma cama de metal sem colchão, disse Bahgat.

Prisões de Sisi - charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Mèdio]

Prisões de Sisi – charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Mèdio]

Um pedido urgente foi feito para revisar as condições que estavam “violando a constituição e a lei”, disse Negad El Borai, advogado de defesa.

As prisões de funcionários do EIPR foram criticadas por vários estados europeus, Estados Unidos e Canadá. Democratas americanos importantes o virtual  secretário de Estado de Joe Biden, Antony Blinken, também expressaram preocupação.

O Ministério das Relações Exteriores do Egito disse no sábado que rejeitou “qualquer tentativa de influenciar as investigações conduzidas pelo Ministério Público” e que o trabalho em qualquer domínio deve ser realizado conforme regulamentado pela lei.

Os críticos vêem as prisões como a mais recente escalada de uma repressão sem precedentes à sociedade civil e à dissidência política conduzida pelo presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi.

Sisi disse que não há prisioneiros políticos no Egito e que estabilidade e segurança são fundamentais.

Separadamente, o Egito declarou na segunda-feira 28 pessoas como terroristas, incluindo Alaa Abdel Fattah, um importante ativista liberal preso em setembro de 2019, de acordo com o diário oficial.

LEIA: Egito liberta mais de 400 manifestantes detidos em setembro

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments