Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu enfrenta a hesitação de Gantz e a impulsividade de Bennett

Cartazes eleitorais do líder da aliança política Azul e Branco de Israel (Kahol Lavan) Benny Gantz, exibem o membro árabe-israelense da Lista Conjunta Ahmad Tibi, Ministro da Defesa Naftali Bennett e Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu, em Hebron em 23 de fevereiro de 2020 [Haze,Bader/ AFP via Getty Images]
Cartazes eleitorais do líder da aliança política Azul e Branco de Israel (Kahol Lavan) Benny Gantz, exibem o membro árabe-israelense da Lista Conjunta Ahmad Tibi, Ministro da Defesa Naftali Bennett e Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu, em Hebron em 23 de fevereiro de 2020 [Haze,Bader/ AFP via Getty Images]

Enquanto as disputas internas de Israel continuam com cada vez mais pedidos para dissolver o parlamento e realizar eleições antecipadas, a popularidade do direitista Naftali Bennett, que aspira ser o sucessor de Benjamin Netanyahu, está crescendo. Enquanto isso, o principal parceiro da coalizão do primeiro-ministro, o ministro da Defesa Benny Gantz, enfrenta uma rebelião dentro do bloco Azul e Branco que o pressiona a se retirar do governo.

Netanyahu tem futuro no governo? E qual é a possibilidade de novos líderes políticos assumirem?

Gantz está enfrentando um grupo forte dentro de seu partido que discorda sobre a viabilidade de permanecer em uma coalizão governamental liderada por Netanyahu. Muitos acreditam que não têm nada a ganhar esperando e, portanto, Azul e Branco deve deixar a aliança imediatamente, custe o que custar.

Um segundo grupo procura trabalhar com o partido Likud de Netanyahu para acalmar as coisas, enquanto outro grupo acredita que o primeiro-ministro não respeitará o acordo de rotação da liderança da coalizão com Gantz. A sensação é de que, quanto mais tempo o partido permanece na coalizão, maior é a probabilidade de perder votos.

LEIA: Gantz pondera expulsar Netanyahu

Esses desenvolvimentos são más notícias para Gantz, e está ficando claro que aconteça o que acontecer, ele será substituído como líder. Acredita-se que apenas a eleição de um novo líder pode restaurar a confiança do público e evitar o colapso do partido.

Gantz está ciente dos planos dos membros Azul e Branco e sabe que Netanyahu não respeitará o acordo de rotação para entregar seu cargo ao ex-general. No entanto, apesar de ultrapassar o prazo para a aprovação do orçamento, o bloco Azul e Branco continua na coalizão, como se nada tivesse acontecido.

Gantz e Netanyahu: aguardando as consequências da formação do governo israelense - Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Gantz e Netanyahu: aguardando as consequências da formação do governo israelense – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Na verdade, surgiram divergências entre o Likud e o Azul e o Branco sobre o orçamento. Netanyahu quer aprová-lo por um ano, devido às incertezas das repercussões da pandemia, enquanto Gantz insiste em um orçamento de dois anos.

Gantz teria apoiado a opinião de membros seniores de seu partido de deixar a coalizão, não porque queira travar uma batalha na qual poderia ser forçado a se render, mas porque não tinha outra escolha. A data decisiva já passou para Netanyahu, o que destaca sua capacidade de resistir ao ridículo e à zombaria de seus oponentes e apoiadores.

Muitos concordam com Gantz que ainda vale a pena ceder a Netanyahu. Esta não é a primeira vez que o líder Azul e Branco se mantém no cargo e hesita entre os dirigentes de seu partido, e isso coincide com a eleição que se aproxima, que levará a uma queda inevitável em expectativa de votos. Isso pode até levar a reduzir o tamanho do Azul e Branco para um partido pequeno, até mesmo insignificante, na melhor das hipóteses, o que levou altos funcionários a ameaçar renunciar se Gantz se render ao primeiro-ministro.

Dirigentes do partido alertaram que se Netanyahu não aprovar o orçamento de 2021, será um crime econômico e social contra os israelenses. Este é um momento crucial; se Gantz se render novamente, as direções renunciarão e formarão um novo partido porque acreditam na necessidade de derrubar o governo.

LEIA: A estranha aliança de Netanyahu com um político apoiado por antissemitas

O tempo está se esgotando e há muito pouco a ser feito para evitar uma catástrofe econômica e social em Israel. O próprio Gantz ainda acredita que assumirá sua vez como primeiro-ministro em novembro do próximo ano, embora as pesquisas de opinião não sejam um bom presságio para ele.

Além disso, o líder do Yamina, Naftali Bennett, saltou na onda dos frustrados com Netanyahu e se apresentou como um novo líder para o país. Isso levou ao aumento de sua popularidade no meio da crise do coronavírus.

Embora Bennett ainda queira que a anexação da Cisjordânia prossiga, ela não é mais urgente. Ele não prevê negociações com os palestinos porque salvar a economia israelense é a questão mais urgente.

É verdade que ele não está passando por uma transformação ou deslocamento para a esquerda, mas acredita que “a casa está pegando fogo” e que os próximos dois anos serão os mais difíceis da história de Israel. O país não terá chance de superar as adversidades que virão devido a questões não resolvidas, alto desemprego (1 milhão de pessoas) e o peso da dívida pública que levará uma década para para ser paga.

Enquanto Bennett fala sobre salvar a economia israelense, ele também está ocupado protegendo as 22 cadeiras que espera ganhar no Knesset. Analistas políticos descrevem o apoio que ele está obtendo e sua popularidade como a mudança eleitoral mais significativa na história de Israel. É difícil entender que o partido de Bennett ganhou apenas seis cadeiras em março, mas quadruplicou seu apoio em poucos meses, enquanto continua atraindo eleitores desiludidos com Netanyahu e Gantz, que deve ganhar apenas nove cadeiras, ante 17.

A grande questão é qual postura Bennett terá em relação a Netanyahu. Será que ele vai se preparar para salvar seu antigo mentor juntando-se a ele em um estreito governo de direita, apoiando a legislação de que o atual primeiro-ministro precisa para adiar seu julgamento por corrupção ou anular as acusações? Bennett não disse nada até agora além de que explicará seu plano e responderá a todas as perguntas na época das eleições.

LEIA: Gravação revela Netanyahu chamando rival de ‘cachorrinho’

Ele sabe que terá de pisar em ovos nos próximos meses porque os eleitores do Likud não perdoam ninguém que ofenda seu líder. Apenas um passo em falso pode custar-lhe tudo o que ele trabalhou duro para construir. Por mais que Bennett despreze Netanyahu, ele também o teme, e as pesquisas de opinião o tornam o competidor mais próximo do primeiro-ministro em termos de elegibilidade para assumir. Ele é definitivamente visto como a alternativa mais provável para o primeiro-ministro israelense mais antigo da história.

No fundo, portanto, Bennett sabe que a liderança do Likud é a melhor garantia para ele ser primeiro-ministro; o partido que governou Israel nas últimas quatro décadas ainda domina o mapa político. De acordo com pesquisas de opinião, sua ampla e sincera base eleitoral sugere que o partido conquistará cerca de 30 das 120 cadeiras do Knesset. Embora o desejo mais fervoroso de Bennett seja substituir Netanyahu como líder do Likud, ele nunca o fará se isso significar que primeiro terá de derrubar Netanyahu.

O governo israelense: coalizão Netanyahu-Gantz - Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O governo israelense: coalizão Netanyahu-Gantz – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments