Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel reconhece ocupação de 18 anos no sul do Líbano como campanha oficial

Veículos militares israelenses durante operação ao longo da fronteira com o Líbano, 5 de dezembro de 2018 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]
Veículos militares israelenses durante operação ao longo da fronteira com o Líbano, 5 de dezembro de 2018 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

O Exército de Israel decidiu reconhecer sua ocupação de 18 anos no sul do Líbano como campanha militar oficial, reportou o jornal Times of Israel.

A ocupação, agora intitulada “Zona de Segurança na Campanha do Líbano”, terá o mesmo prestígio que outras guerras e campanhas militares de longa data travadas por Israel.

A decisão foi tomada por Aviv Kohavi, chefe do estado-maior das forças israelenses, com base em recomendação de um comitê liderado pelo tenente-general Shaul Mofaz, que comandou o exército durante certo período da ocupação.

A proposta foi apresentada ao Ministro da Defesa Benny Gantz para ser aprovada. O premiê alternativo e ex-general já indicou seu apoio à decisão de Kohavi e elogiou o comandante militar por aceitar a recomendação do comitê.

Segundo o Times of Israel, declarou Gantz: “Não há dúvida de que o serviço operacional no Líbano merece reconhecimento histórico”.

A decisão depende então de aprovação final do Comitê Ministerial para Cerimônias e Símbolos, órgão do governo israelense para protocolos cerimoniais, para que a ocupação seja oficialmente reconhecida como campanha.

LEIA: Demarcação da fronteira com o Líbano segue roteiro para normalização com Israel

Caso aprovada a medida, a ocupação no sul do Líbano será a nona campanha militar reconhecida por Israel.

Outros eventos reconhecidos como tal são: a chamada Guerra Árabe-Israelense (Nakba ou Catástrofe, 1948), a crise do Canal de Suez (1956), a Guerra dos Seis Dias (1967), a Guerra de Desgaste (1967-70), a Guerra do Ramadã (1973), a Guerra do Líbano (1982), a Guerra Israel-Hezbollah (2006) e a Guerra Israel-Gaza (2014).

A ocupação israelense no sul do Líbano teve início em 1985, quando forças do autodenominado estado judaico recuaram das cidades de Sidon e Tiro, invadidas em 1982.

Em maio de 1985, forças de Israel retiraram-se da maior parte da região sul do Líbano, mas mantiveram controle sobre uma “zona de segurança” ao norte da fronteira, em terras libanesas.

Em 1989, facções beligerantes no Líbano assinaram o Acordo de Taif, encerrando a guerra civil no país árabe, sob condição de retirada completa de tropas sírias e israelenses do território.

Entretanto, Israel ainda detém controle sobre a “zona de segurança”. Tropas sírias também permaneceram no leste do país.

Eventualmente, em maio de 2000, o recém-eleito Primeiro-Ministro de Israel Ehud Barak anunciou a retirada unilateral das tropas do território ocupado no Líbano.

A integralidade desta operação, porém, é contestada pelo governo libanês e pelo movimento Hezbollah. Ambos denunciam que o Exército de Israel mantém ainda ocupação sobre parte do território, conhecido como Fazendas de Shebaa.

LEIA: EUA e ONU dizem esperar que Israel e Líbano resolvam crise das fronteiras marítimas

Categorias
IsraelLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments