Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Demarcação da fronteira com o Líbano segue roteiro para normalização com Israel

Soldados israelenses montam guarda em um posto de controle perto da fronteira com o Líbano, 4 de dezembro de 2018 [Jalaa Marey/AFP/Getty Images]
Soldados israelenses montam guarda em um posto de controle perto da fronteira com o Líbano, 4 de dezembro de 2018 [Jalaa Marey/AFP/Getty Images]

As negociações entre Líbano e Israel para demarcar as fronteiras marítima e terrestre estão programadas para ocorrer na próxima semana na cidade de Naqoura, com participação americana e sob os auspícios da ONU. O presidente do Parlamento do Líbano Nabih Berri afirmou há poucos dias que um acordo estrutural foi alcançado a este respeito. Berri utilizou um novo tipo de linguagem ao falar sobre Israel; deixou de lado as típicas, oficiais e populares expressões “Palestina ocupada”, “inimigo” e “estado de ocupação”, o que levou a amplas discussões em vários níveis que concluíram que tais negociações nada mais são do que um roteiro para a normalização com Israel.

Chegar a um contexto de acordo para demarcar as fronteiras é uma conquista puramente americano-israelense, visto que ocorre após a recusa oficial e popular do Líbano em fazê-lo nos últimos oito anos; mais especificamente, quando o enviado dos Estados Unidos, Frederick Hoff, propôs compartilhar a zona marítima disputada em 2012. A área em questão cobre 860 quilômetros quadrados, dos quais Hoff propôs que o Líbano reteria 500 quilômetros quadrados. O Líbano rejeitou a oferta, considerando tudo como território libanês e não uma área disputada.

O Líbano intensificou sua rejeição à demarcação de fronteira com base nas condições israelenses após o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, anunciar que o movimento responderia energicamente à perfuração israelense de petróleo e gás em águas territoriais libanesas. A declaração de Nasrallah sucedeu operações exploratórias já executadas por Israel. Temendo uma resposta do grupo, que poderia ter como alvo os gasodutos israelenses, o estado de ocupação concluiu acordos com Chipre, Grécia e Egito para estabelecer um gasoduto marítimo para transportar gás para a Grécia, depois Itália e vários países europeus.

LEIA: Líbano bloqueia petroleiro que estaria em direção à Síria

O anúncio de Berri sugere que a pressão dos Estados Unidos e Israel teve sucesso em fazer com que as autoridades libanesas mudassem de ideia e abrissem negociações sobre a demarcação da fronteira. Esse desenvolvimento está conectado, é claro, à próxima eleição presidencial dos Estados Unidos, no próximo mês, com Donald Trump lutando para permanecer na Casa Branca. Israel claramente pressionou Washington para fazer algo sobre a questão da fronteira enquanto Trump ainda estiver no cargo. Este é um momento em que a economia do Líbano entra em colapso e há protestos populares em andamento contra a corrupção e o fracasso do sistema político atual baseado em cotas sectárias para enfrentar as crises que afetam o país. É lógico que, em tais circunstâncias, o Líbano não esteja em posição de negociar um acordo justo.

Tensões entre o Líbano e Israel na fronteira [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Tensões entre o Líbano e Israel na fronteira [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Autoridades no Líbano acreditam que é possível compensar parcialmente as causas do colapso econômico e encontrar soluções investindo nas reservas de petróleo e gás em águas territoriais libanesas, mesmo que isso signifique compartilhar os direitos da área com Israel. Isso sugere que os políticos estão dispostos a fazer concessões que reconheçam novas fronteiras terrestres e marítimas com o estado de ocupação, apesar do fato de que o acordo de armistício de 1949 concedeu ao Líbano todas as áreas marítimas e terrestres que repentinamente se tornaram “disputadas”, e que são uma grande parte do que agora será abandonado no contexto da demarcação da fronteira. Além disso, enfrentar o declínio econômico não pode ser feito fazendo concessões a Israel, mas sim enfrentando a corrupção galopante dentro do sistema de governo, fazendo mudanças reais que afetem as instituições do estado baseadas em cotas sectárias e confrontando todas as tentativas de conceder direitos soberanos na crença errônea de que isso resolverá o colapso econômico e político do Líbano.

LEIA: A Sky News Arabia, dos Emirados, remove ‘Palestina’ do pano de fundo de entrevista

É provável que o Líbano não teria sido suscetível às imposições Estados Unidos-Israel se a recente normalização árabe não tivesse ocorrido. Os acordos dos Emirados Árabes Unidos e Bahrein tornaram mais fácil para o governo entrar discretamente e seguir essa corrida de normalização sob o pretexto de demarcação de fronteira, até porque o Líbano depende muito do apoio financeiro dos estados do Golfo. Esse apoio parece ter um preço que o Líbano pode não ser capaz de pagar em vista da crescente rejeição popular a qualquer acordo de fronteira.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe em Al-Ayyam em 7 de outubro

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosLíbanoOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments