Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA permitirão que americanos nascidos em Jerusalém indiquem “Israel” em seus passaportes

O governo Trump anunciou que os americanos nascidos em Jerusalém podem solicitar que Israel seja listado em seus passaportes dos EUA como seu local de nascimento 29 de outubro de 2020

O governo Trump anunciou que os americanos nascidos em Jerusalém podem solicitar que Israel seja indicado como local de nascimento em seus passaportes americanos.

Em um comunicado divulgado na quinta-feira(29), o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse: “Para efeito imediato, o Departamento de Estado permitirá que os cidadãos americanos nascidos em Jerusalém escolham listar seu local de nascimento como“ Israel ”. Os candidatos nascidos em Jerusalém poderão solicitar “Jerusalém” ou “Israel” como seu local de nascimento nos documentos consulares. ”

“Outras orientações sobre como listar o local de nascimento em Israel, na Faixa de Gaza, nas Colinas de Golan, em Jerusalém e na Cisjordânia permanecem inalteradas.”

Ele acrescentou que os EUA “continuam fortemente comprometidos em facilitar um acordo de paz duradouro”.

A mudança na política ocorre menos de uma semana antes da eleição dos EUA e quando o presidente dos EUA, Donald Trump, se autodenomina um dos presidentes mais pró-Israel.

Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel em dezembro de 2017 e transferiu a embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para a cidade ocupada. O candidato democrata à presidência, Joe Biden, disse que não reverterá essa política.

LEIA: Covid-19, arqueologia de Israel e o avanço do Monte do Templo sobre Al-Aqsa, em Jerusalém

Sarah Stern, fundadora e presidente da Endowment for Middle East Truth (EMET), disse que este fato “mostra que a América não só reconheceu Jerusalém como a capital de Israel ao mover a embaixada, mas que os cidadãos americanos nascidos em Jerusalém não serão mais apátridas . ”

Em 2015, a Suprema Corte americana derrubou parte de um estatuto federal que permitia que os americanos nascidos em Jerusalém registrassem seu local de nascimento como “Israel” em seu passaporte.

O status de Jerusalém só seria determinado a partir de negociações de paz bilaterais entre autoridades israelenses e palestinas sob um plano que previa dois estados para dois povos, mas as perspectivas de tal acordo foram repetidamente minadas por Trump.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments