Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A ocupação transcendeu todas as normas internacionais em violação da imunidade do parlamentar palestino

Entrevista com a Deputada Jihad Abu Znied
Prisão da Deputada Jihad Zabid durante uma manifestação em apoio a Jerusalém, em dezembro de 2017 (Centro de Informação Palestino) [Foto: Ameer Abed Rabbo]
Prisão da Deputada Jihad Zabid durante uma manifestação em apoio a Jerusalém, em dezembro de 2017 (Centro de Informação Palestino) [Foto: Ameer Abed Rabbo]

Ela usa seu xale palestino ( Kufiya) nos ombros e sai para participar de todas as marchas para apoiar Jerusalém, não se importando pela brutalidade dos soldados, retrucando tapas por tapas, e carrega a bandeira da verdade por sua causa onde quer que vá.

É a ex-representante da Jerusalém ocupada, Jihad Abu Znied. Nesta entrevista, falamos sobre o que a cidade de Jerusalém está sofrendo à luz dos recentes desdobramentos da questão palestina e o que os membros do Conselho Legislativo Palestino em particular sofrem, especialmente após a recente onda de normalização árabe.

Como começou sua luta palestina? Quais são os pontos mais proeminentes que afetaram sua luta?

Sou uma refugiada palestina, das terras de 48, minha família foi deslocada para o bairro de honra conhecido como Bairro Judeu, e depois para o Campo de Refugiados Palestinos Shaafat, em Jerusalém. Nasci no campo e, desde minha infância, tenho lutado com todas as minhas forças para defender meu país e minha causa da Palestina, e me concentrei em minha luta por Jerusalém e o que ela sofre. Gostaria de mencionar que, como mãe palestina, tive um bebê depois do casamento por 11 anos e tenho 52 anos, e isso considero um milagre e parte da minha luta palestina em face da tentativa da ocupação de impedir as mulheres palestinas de Jerusalém de dar à luz.

LEIA: Jerusalém à luz do direito internacional

Tenho bacharelado em Educação e Psicologia, além de mestrado em Estudos Americanos e Ciência Política. Tenho assumido várias tarefas para defender várias questões do povo palestino, a mais importante das quais é a questão dos prisioneiros, até que fui eleita representante em Jerusalém pelo movimento Fatah, em 2006, mas enfatizo que represento Jerusalém e a justiça, apenas no caso dela.

Participei de várias conferências e seminários em todo o mundo, quando era responsável pelo arquivo habitacional em Jerusalém, incluindo vários países latino-americanos, os mais importantes dos quais são Cuba e Venezuela. E visitamos vários partidos que apoiam nossa causa e descobrimos que o povo latino está entre os povos que mais nos amam e apoiam nossa liberdade e revolução.

A senhora passou por muitas fases de luta na defesa e judaização de Jerusalém pela ocupação, e enfatizou em muitas entrevistas que a ocupação visa colocar o povo de Jerusalém de joelhos e destruir a estrutura social nela existente. Qual é a situação de Jerusalém? Como a senhora vê a firmeza de seu povo?

Gostaria de dizer que, como mãe e mulher de Jerusalém, fui criada em um acampamento palestino e ainda estou morando nele. Posso dar uma imagem precisa da realidade de Jerusalém, que só pode ser descrita como a realidade mais difícil que Jerusalém viveu durante os anos da ocupação, uma realidade muito amarga, em que os poderes são exercidos pela ocupação que tem todos os meios para obliterar e dissolver a identidade palestina. Há o Muro de Segregação que separa a Cisjordânia de seus residentes, e há o confisco de terras de seus proprietários. E um dos métodos mais comuns usados ​​pela ocupação é a política de demolição de casas em Jerusalém, onde a ocupação pratica seus métodos racistas de demolição cada vez mais, passando a pedir aos moradores para demolir suas próprias casas, mas, apesar disso, você descobre que a criança palestina estuda sobre os escombros, desafiando a ocupação e seu racismo.

LEIA: Mais de um milhão de desabrigados e 166 mil casas demolidas desde a criação de Israel

A ocupação também visa evitar que as mulheres palestinas de Jerusalém tenham filhos por meio de vários métodos racistas. Então, você pode imaginar que existem centenas de mulheres grávidas de Jerusalém que receberam relatórios médicos israelenses afirmando que carregam crianças deformadas ou deficientes ou têm doenças e, portanto, devem fazer um aborto, e é claro que tudo isso é uma mentira e o objetivo é assustar qualquer mãe para não dar à luz seu bebê.

Além do sofrimento enfrentado pelos moradores de Jerusalém, há o problema de locomoção entre regiões. Por exemplo, qualquer criança do mundo acorda uma hora antes do início de sua escola, mas a criança de Jerusalém acorda de madrugada, mais de 3 horas antes do início de seu compromisso escolar, pois deve passar por varias barreiras militares, para atravessar o muro de segregação, antes de chegar à sua escola. E devemos mencionar que as estudantes em particular são submetidas a assédio verbal pelos soldados da ocupação e por colonos, ao cruzarem os postos de controle, o que também representa uma política deliberada em limitar o nível educacional do povo palestino, em geral, e dos habitantes de Jerusalém, em particular. Mas o povo palestino está convencido de que a educação é um desafio e uma luta, e o povo palestino está resistindo com seu conhecimento. Então, descobrimos que as crianças, apesar da crise de Corona, estão frequentando suas aulas normalmente nas escolas árabes agora.

Além disso, Jerusalém sofre discriminação religiosa contra muçulmanos e cristãos, restringindo mesquitas e igrejas a cada dia mais e mais, especialmente a abençoada Mesquita de Al-Aqsa e a Igreja do Santo Sepulcro. Há diariamente invasões feitas por extremistas judeus à mesquita de Al-Aqsa, E a cada período, enormes taxas financeiras são impostas à Igreja do Santo Sepulcro, às vezes chegando a milhões de siclos.

A questão palestina está enfrentando agora tramas inéditas, cujo início foi a declaração de Jerusalém como capital do estado de ocupação pelos Estados Unidos, além do plano de ocupação para anexar terras da Cisjordânia, sendo o último deles a onda de normalização árabe.

Tudo isso levou a Fatah e o Hamas a trabalhar na elaboração de um novo acordo de reconciliação. Vimos muitas reuniões em Beirute e Istambul e fala-se de uma próxima reunião em Moscou.

Você vê que há otimismo palestino para esta etapa agora? Quais são suas expectativas para o futuro da reconciliação?

Nós, como povo palestino, qualquer luz de esperança que vemos na reconciliação nos torna otimistas, apesar de todas as diferenças entre as organizações palestinas, e sentimos grande otimismo nos passos atuais da reconciliação. E asseguro-lhes que os povos árabes estão com a causa palestina, e não nos importamos com a normalização dos governantes que não podem se normalizar. Nós, os povos árabes, e todas as pessoas livres do mundo continuaremos os desafiando, e Jerusalém continuará sendo a capital de todos os árabes.

LEIA: A justiça internacional para a Palestina virá inevitavelmente

Em todos os países do mundo um parlamentar possui imunidade diplomática, exceto na Palestina. A ocupação viola essa imunidade e não a respeita. Gostaríamos de explicar à comunidade latina como um parlamentar é preso, como violam sua imunidade e até que ponto chegaram ao prender o Presidente da Assembleia Legislativa?

Desde o primeiro momento em que as eleições legislativas foram realizadas em 2006, a ocupação começou a prender representantes palestinos de vários partidos e organizações, especialmente os representantes de Jerusalém. Lembrando que, pela primeira vez na história, dois membros do Parlamento foram eleitos enquanto estavam presos nas prisões da ocupação.

Quanto às formas de perseguição e prisão, são muitas e constantes As autoridades de ocupação rasgaram todas as normas internacionais ao violar a imunidade dos parlamentares palestinos e exerceram todos os tipos de abusos e humilhação contra nós. Fomos espancados, insultados, torturados, presos e impedidos de entrar na Mesquita de Al-Aqsa. Fui espancada pelos soldados da ocupação e impedida de abrir meu escritório e praticar meu trabalho. Há colegas no Conselho Legislativo cujas esposas e filhos foram presos e assediados, e a situação alcançou até a prisão do Presidente do Conselho Palestino, Dr. Aziz Dweik mais de uma vez.

É uma guerra em todos os sentidos da palavra contra os representantes palestinos, mas apesar disso somos firmes em defender nossa cidade e nossa causa e não vamos desistir dela, aconteça o que acontecer. E, se eles vão nos privar de nossa imunidade diplomática, então nossa imunidade serão as prisões e a fé em nossa causa.

Qual é a sua mensagem para o povo da América Latina? E o que a causa palestina precisa da América Latina?

A primeira mensagem é uma saudação que gostaria de enviar como mulher palestina às mulheres da América Latina. Apesar de suas circunstâncias, as vemos em todos os campos que apoiam e defendem a causa palestina.

A segunda mensagem é para aos parlamentos da América Latina. Precisamos que vocês estejam conosco contra esta ocupação racista injusta e apoiem nossa legítima causa, e eu os convido a fazer um trabalho de geminação com o parlamento palestino para que permaneçamos unidos.

A terceira e última mensagem é dirigida aos governos. Quem quer ser lembrado pela história e preservar sua reputação internacional deve ficar ao lado da Palestina e de sua justa causa. Caso contrário, ficar com a ocupação é um estigma e apoiar a ocupação é uma vergonha. Convido vocês a estarem conosco em todos os fóruns internacionais e nos ajudar a expor todos os crimes da ocupação, trabalhando para boicotar os produtos da ocupação e não importá-los, e sua posição conosco é estar com a humanidade.

LEIA: A Palestina na História Moderna

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments