Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Esperança de cessar-fogo em Nagorno-Karabakh naufraga conforme aumentam mortes

Mulher leva cravos em homenagem a crianças mortas ou feridas por um ataque supostamente executado pelo exército armênio com mísseis de longa distância, na cidade de Ganja, Azerbaijão, 12 de outubro de 2020 [Onur Çoban/Agência Anadolu]
Mulher leva cravos em homenagem a crianças mortas ou feridas por um ataque supostamente executado pelo exército armênio com mísseis de longa distância, na cidade de Ganja, Azerbaijão, 12 de outubro de 2020 [Onur Çoban/Agência Anadolu]

Esperanças de um cessar-fogo humanitário, para encerrar os confrontos em Nagorno-Karabakh, naufragaram ainda mais nesta quinta-feira (15), conforme aumento no número de mortos, após Armênia e Azerbaijão trocarem acusações de novos ataques.

As informações são da agência Reuters.

A Armênia acusou a Turquia, aliada do Azerbaijão, de impedir a passagem de voos carregados com assistência emergencial pelo espaço aéreo turco.

O Presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev alertou sobre “novas vítimas e novos massacres” devido aos combates sobre o território disputado, que escalaram a partir de 27 de setembro. Aliyev exigiu da Armênia que “interrompa tentativas de recapturar territórios libertados”, ao ameaçar tomar toda a região, caso o país adversário “aja negativamente”.

O cessar-fogo de último sábado (10), que pretendia permitir aos lados a troca de prisioneiros e corpos de soldados mortos em combate, teve pouco impacto efetivo.

LEIA: Jornalistas do Azerbaijão são atingidos no conflito com a Armênia

O território montanhoso de Nagorno-Karabakh é reconhecido internacionalmente como parte do Azerbaijão, mas povoado e governado por maioria étnica armênia. O atual conflito é o mais mortal desde a guerra na década de 1990, que resultou em 30.000 mortos.

Até então, na presente rodada de combates, foram registradas 604 mortes entre oficiais de defesa de Nagorno-Karabakh, reportaram autoridades armênias.

Nesta quinta-feira, três civis azeris foram mortos e outros três ficaram feridos durante um funeral na região disputada de Tartar, quando bombardeios atingiram um cemitério, relatou no Twitter o assessor presidencial azeri Hikmet Hajiyev.

Na quarta-feira (14), estimativas azeris reportaram 43 civis mortos até então. O governo do Azerbaijão não revelou, contudo, informações sobre baixas militares. O gabinete da promotoria na capital Baku registrou ainda dois civis feridos por um bombardeio na área de Aghdam.

Por outro lado, o gabinete da promotoria-geral da Armênia denunciou que drones azeris mataram dois soldados na região de Vardenis, no leste do território armênio, também na quarta-feira.

O número de baixas militares do lado armênio subiu para cinco mortos, embora não envolvidos diretamente nos confrontos, segundo as informações oficiais.

O mediador do governo autônomo de Nagorno-Karabakh acusou o Azerbaijão de utilizar artilharia pesada contra infraestrutura civil na cidade de Stepanakert.

A Reuters, no entanto, não pode verificar imediatamente os relatos.

LEIA: Jogador Ozil, do Arsenal, defende o Azerbaijão na disputa de Karabakh

Categorias
ArmêniaAzerbaijãoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments