Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hezbollah retalia Macron por acusações ao grupo

O presidente francês Emmanuel Macron fala durante uma conferência de imprensa conjunta realizada com o presidente iraquiano Barham Salih (não visto) em Bagdá, Iraque em 02 de setembro de 2020 [Murtadha Al-Sudani - Agência Anadolu]
O presidente francês Emmanuel Macron fala durante uma conferência de imprensa conjunta realizada com o presidente iraquiano Barham Salih (não visto) em Bagdá, Iraque em 02 de setembro de 2020 [Murtadha Al-Sudani - Agência Anadolu]

O Hezbollah atacou o presidente francês Emmanuel Macron após seus comentários contra o grupo no domingo, e enfatizou que continuará a operar como um grupo militante.

Em seu editorial principal transmitido na noite passada, o canal oficial de notícias do Hezbollah, Al-Manar TV, condenou o presidente francês e afirmou que o grupo apoiado pelo Irã “é e continuará sendo um exército que enfrenta Israel e continuará apoiando a Síria e seu povo contra os extremistas”.

O canal também afirmou que o grupo e outras facções xiitas dentro do Líbano não eram responsáveis ​​pela renúncia do primeiro-ministro Mustapha Adib e seu fracasso em formar um governo, considerando o comentário e ultimato de Macron contra os líderes libaneses de “injustificado e inaceitável”.

LEIA: Macron faz tudo que pode para retomar o Líbano à França colonial

O líder francês havia criticado o grupo dizendo que “o Hezbollah não pode ser ao mesmo tempo um exército em guerra com Israel, uma milícia desenfreada contra civis na Síria e um partido respeitável no Líbano.”

Ele também questionou a credibilidade política da milícia, perguntando: “É realmente um partido político ou segue apenas uma lógica ditada pelo Irã e suas forças terroristas? Quero que vejamos se nas próximas semanas algo será possível. Eu não sou ingênuo.”

Seus comentários foram em referência ao suposto bloqueio do Hezbollah e do outro partido xiita Amal à formação de um novo gabinete por Adib, principalmente devido às suas demandas para dirigir o ministério das finanças do país.

Em sua conferência, Macron culpou não apenas o Hezbollah, mas também toda a classe política do Líbano por não cumprir o roteiro de reformas que ele estabeleceu para o país. “Estou envergonhado dos líderes políticos do Líbano”, disse ele, alegando que eles “não quiseram, de forma clara e resoluta, respeitar os compromissos assumidos com a França e a comunidade internacional. Eles decidiram trair este compromisso. ”

LEIA: Existe uma corrida por um novo ‘Sykes-Picot’ para moldar o futuro do Líbano?

Categorias
Europa & RússiaFrançaIrãLíbanoNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments