Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Existe uma corrida por um novo ‘Sykes-Picot’ para moldar o futuro do Líbano?

Velas acesas durante uma manifestação de apoio ao povo libanês após uma explosão no porto de Beirute, em 6 de agosto de 2020 [Agência Yassine Gaidi / Anadolu]
Velas acesas durante uma manifestação de apoio ao povo libanês após uma explosão no porto de Beirute, em 6 de agosto de 2020 [Agência Yassine Gaidi / Anadolu]

Outra violação ocidental, do já violado espaço árabe, está sendo implementada hoje através do débil portal do Líbano, enquanto a França e a Grã-Bretanha enviam dois navios de guerra para o porto de Beirute. Parece haver um esforço conjunto para confrontar a Turquia em uma segunda frente, já tendo feito isso na Líbia, enquanto o governo em Ancara oferece o uso de um de seus próprios portos para ajudar o povo do Líbano.

Esta rápida presença naval franco-britânica na costa libanesa, logo após o bombardeio do porto, é uma resposta a duas necessidades óbvias que o Ocidente não pode esconder. Talvez a mais proeminente delas seja a necessidade de exercer pressão sobre o estado e o exército libanês, para evitar qualquer investigação séria sobre a explosão de Beirute, sobre a qual há muitas suspeitas e dúvidas. Isso porque os testemunhos e vídeos acumulados sugerem fortemente que uma explosão não convencional ocorreu no lugar na semana passada. Isso pode ter sido causado por um míssil ar-solo ou mar-solo, ou mesmo por tecnologia testada meses atrás na Síria, criando as mesmas ondas destrutivas que não vemos após o uso de bombas convencionais.

Antes da chegada dos navios a Beirute, alguns meios de comunicação libaneses e internacionais abordaram a rápida visita do presidente francês Emmanuel Macron e seu comportamento, que o fez parecer o governante de fato do Líbano. Suas ameaças gritantes às autoridades libanesas resultaram na renúncia do governo no dia em que o comitê de investigação deveria apresentar seu relatório. Além disso, a decisão de enviar os dois navios de guerra foi indiscutivelmente uma tentativa de evitar a oferta da Turquia, em colocar um porto turco à disposição do Líbano e de cuidar da reconstrução do porto de Beirute.

LEIA: Ex-premiê do Líbano Saad Hariri exige passe livre para formar novo governo

Parece que as potências internacionais, que lutam pelos recursos de gás da bacia do Mediterrâneo oriental, exploraram a tragédia de Beirute descaradamente para arrastar o Líbano para o conflito crescente com suas dimensões econômicas e geopolíticas – que se estendem do Levante ao Estreito de Gibraltar. Há uma corrida para preencher o vazio resultante do declínio da presença militar dos EUA no Oriente Médio, e isso está sendo liderado pela França e pela Grã-Bretanha, a dupla por trás do acordo Sykes-Picot de 1916, que dividiu os territórios otomanos na região mesmo antes da queda do Império. Eles se veem, talvez, como os legítimos herdeiros da presença americana, enquanto por outro lado temos a Turquia, possivelmente sonhando com a oportunidade de recuperar parte do Império Otomano que foi desmantelado há um século por Sykes-Picot.

Acordo Sykes-Picot [Wikipedia]

Acordo Sykes-Picot [Wikipedia]

Mais uma vez, a falta de liderança e visão do mundo árabe é óbvia. Ele se encontra vulnerável ao conluio de potências regionais e internacionais e provavelmente enfrentará mais de um ataque simultâneo que abalará ainda mais sua estabilidade, bem como suas oportunidades de desenvolvimento. Tudo isso tem que ser adicionado aos contínuos ataques de Israel, nos quais o Ocidente não confia mais para administrar o conflito, com um mundo árabe instável e gestando revoluções populares que foram abortadas durante a Primavera Árabe. Hoje, as potências ocidentais estão trabalhando para facilitar o retorno dos regimes militares e esquecer a exportação da democracia, a estratégia que falhou no Iraque, Líbano, Iêmen e Sudão, e deve falhar na Tunísia mais cedo ou mais tarde.

O que está acontecendo no Líbano hoje é a rápida eliminação do experimento da democracia sectária, como um prelúdio para evitar que cópias dele surjam no Iraque, Síria e Iêmen. O Ocidente acredita que o Irã se beneficiou disso mais do que Israel, assim como os turcos e os muitos ramos da Irmandade Muçulmana se beneficiaram mais com as revoluções da Primavera Árabe do que as elites seculares pró-Ocidente no Egito, Líbia ou Tunísia, ou mesmo no Marrocos. A versão argelina viu as forças nacionais recuperando o controle das instituições militares, de segurança e políticas e escapando da armadilha de atrair os militares ao governo, como aconteceu no Egito e no Sudão.

LEIA: Comunidade internacional se mobiliza para ajudar o Líbano

Assim como o Ocidente estava contando com a entrega do poder na Líbia para os leais a Khalifa Haftar, a tragédia em Beirute deu a chance de derrubar um governo que não havia sido derrubado por um movimento popular que protestava no ano passado, enquanto além disso, vai derrubando uma democracia sectária. O Ocidente também tem a chance de entregar o governo às forças armadas libanesas e, assim, matar mais de um pássaro com uma única pedra, colocando o Líbano de volta sob um mandato ocidental disfarçado, retirando o Hezbollah e o Irã da equação política e deixando a Síria como um arena exclusiva para os russos. É também uma oportunidade de controlar um país cuja frente sul é a mais perigosa para a segurança de Israel, o ponto fraco do Mediterrâneo oriental, não muito distante da volatilidade da Líbia.

O Ocidente está aumentando seu controle sobre a região. Pode muito bem haver uma nova corrida Sykes-Picot se desdobrando para moldar o futuro do Líbano.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe em Ecchrouk em 11 de agosto de 2020

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaFrançaLíbanoOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments