Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Emir do Catar pede ação da ONU para dar fim à ocupação israelense

Emir do Catar Tamim Bin Hamad Al-Thani, em Doha, Catar, 8 de dezembro de 2019 [Conselho dos Emirados do Catar/Agência Anadolu]
Emir do Catar Tamim Bin Hamad Al-Thani, em Doha, Catar, 8 de dezembro de 2019 [Conselho dos Emirados do Catar/Agência Anadolu]

O Emir do Catar Tamim Bin Hamad Al-Thani criticou duramente a comunidade internacional na 75ª Sessão da Assembleia Geral da ONU, realizada ontem (22), pela falta de “ações efetivas para enfrentar a intransigência israelense e sua contínua ocupação de terras árabes e palestinas.”

Em discurso por videoconferência, o líder catariano afirmou que países e organizações internacionais fracassam na preservação de resoluções da ONU, diante da ocupação israelense em curso sobre os territórios palestinos, além da expansão colonial e construção de assentamentos considerados ilegais pela lei internacional.

“[Israel] é culpado de flagrante violação das resoluções internacionais e da solução de dois estados, conforme acordado pela comunidade internacional”, declarou Tamim. “A paz só poderá ser conquistada quando Israel comprometer-se plenamente aos termos internacionais de referência e às resoluções, aceitas pelos países árabes, sobre as quais se baseia a Iniciativa de Paz Árabe.”

Sob a Iniciativa de Paz Árabe, de 2002, os países árabes declararam que a normalização com Israel é condicional ao estabelecimento de um estado palestino independente, conforme fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como capital, além de solução justa aos refugiados palestinos e fim da ocupação.

O emir catariano exortou ainda a comunidade internacional – particularmente, o Conselho de Segurança da ONU – a cumprir suas responsabilidades legais e “pressionar Israel para que suspenda o cerco a Gaza e restabeleça o processo de paz, via negociações críveis, com base nas resoluções internacionais e não na força.”

Seu apelo por ações urgentes ocorre somente uma semana após Emirados Árabes Unidos e Bahrein assinarem acordos de normalização com Israel, na Casa Branca.

LEIA: Catar rejeita normalização com Israel antes de solução palestina

Na última semana, um porta voz do Ministério de Relações Exteriores do Catar descartou normalizar laços com o estado sionista, ao argumentar que esta não é a resposta correta para o conflito israelo-palestino.

O governo emiradense alega que o acordo foi um esforço para conter os planos israelenses de anexação ilegal de grandes partes da Cisjordânia ocupada.

Críticos, no entanto, argumentam que as negociações para instituir laços com a entidade sionista ocorrem há anos, ao destacar reiteradas visitas de oficiais israelenses aos Emirados e sua participação em conferências no país do Golfo, que até então não possuía laços diplomáticos com o estado da ocupação.

Não obstante, o Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu negou reiteradamente que a anexação esteja descartada, mas sim postergada, por ora.

Categorias
CatarIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments